A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Doenças exantemáticas

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
 
 
 
 
 
 
As doenças exantemáticas são doenças 
infecciosas em que as erupções cutâneas são as 
principais características, que chama atenção. 
Apesar de também apresentarem manifestações 
sistêmicas. 
Por conta dessa característica dominante, o 
diagnóstico é, na maior parte, clínico. 
As principais doenças exantemáticas 
são: sarampo, rubéola, escarlatina, exantema 
súbito, eritema infecioso, varicela, mononucleose 
infecciosa e doença de Kawasaki. 
Todas elas apresentam as mesmas fases: 
• Período de incubação – tempo de infecção e 
início dos sintomas. 
• Período prodrômico – já tem sintomas, mas são 
inespecíficos. Febre (ou continua após a 
erupção cutânea ou acaba antes), sinais 
típicos e exantemas. Nessa fase, já há 
transmissão para outras pessoas. 
• Período exantemático – acentuação dos 
sintomas anteriores. Quando surge a erupção. 
o Qual tipo de erupção? Do tipo 
maculopapular ou vesicular? 
o Qual forma de progressão? (exemplo: 
crânio-caudal). 
o Ao desaparecer, há descamação? 
(verificar após sumiço do exantema). 
• Período de convalescência – é quando as 
principais manifestações já não estão mais 
presentes, mas ainda temos 1 ou 2 sintomas. 
 
Incubação Pródromos 
Convalescência Exantema 
 
Sarampo 
O sarampo é uma doença infecciosa grave e que 
pode ser fatal, causada pelo vírus do sarampo, de 
RNA e da família Paramixoviridae, gênero 
Morbilivirus. 
É responsável por muitas manifestações 
respiratórias, no qual 90% dos contaminados 
tiveram contato próximo com outro infectado. 
Por ser altamente transmissível, é de notificação 
compulsória. 
• Característica principal: maculopapular com 
febre. 
• Período de incubação: 8-12 dias. 
• Período de contágio: 2-6 dias antes dos 
sintomas e até o 4° dia depois do 
aparecimento do exantema. 
• Tratamento: vitamina A + isolamento + 
sintomático. 
 
 
 
 
 
 
 
Quadro clínico 
Devemos sempre pensar em sarampo quando, 
independentemente da idade, tivermos febre + 
exantema maculopapular + 1 ou mais dos 
sintomas (coriza, tosse, conjuntivite/fotofobia, 
viagem para região de risco). 
A mancha de Koplik é um sinal patognomônico, 
em que há presença de pequenos pontos 
vermelhos com o centro branco-acinzentado, 
mais comum na boca, mas também pode ser um 
exantema generalizado. 
Observação: o sinal patognomônico é 
um sinal característico de determinada doença. 
A ausência deste sinal não exclui a possibilidade 
da presença da doença, mas sua presença 
confirma. 
 
O exantema se inicia na região retroauricular e 
tem progressão craniocaudal com descamação 
furfurácea (forma escamas semelhantes ao 
farelo). 
Complicações mais comuns: otite média aguda, 
pneumonia e super infecção secundária. 
Diagnóstico 
• Diagnóstico basicamente clínico, mas 
podemos solicitar IgM no 5° ou 6° dia após o 
surgimento do exantema. 
Profilaxia 
• A profilaxia pós contato é através da 
vacinação de bloqueio até 3° dia para 
produção dos anticorpos antes do período de 
incubação. 
• Tríplice viral aos 12 meses e tetraviral aos 15 
meses. 
Rubéola 
Doença viral causada pelo togavírus e transmitida 
por via respiratória. 
• Característica principal: exantema 
maculopapular após febre. 
• Período de incubação: 14-21 dias. 
• Período de contágio: 3 dias antes do início dos 
sintomas e 5-7 dias depois da erupção. 
 
Doenças exantemáticas 
BIANCA LOUVAIN 
 
 
2 
• Tratamento: é de suporte e a profilaxia pós-
exposição só está indicada para gestantes 
susceptíveis e expostas. Temos a vacinação de 
bloqueio em pessoas com 6 meses até 39 anos 
de idade. 
Não é necessário o isolamento! Apenas no 
contágio pós parto. 
Quadro clínico 
É composta pela fase prodrômica e 
exantemática. 
• Na fase prodrômica temos febre baixa, mal 
estar, mialgia e artralgia. 
• Na fase exantemática temos exantema 
maculopapular róseo com início na face e 
progressão craniocaudal (em 24hrs), sem 
descamação e com gânglios retroauriculares, 
cervical e occipital e adenomegalia. 
O sinal de Forchheimer são presenças de máculas 
eritematosas ou petéquias entre o palato duro e o 
palato mole. As principais doenças que geram 
esse tipo de alteração são: faringite 
estreptocócica, escarlatina e rubéola. 
 
A grande maioria dos casos não apresentam 
manifestações clínicas. Além disso, a intensidade 
dos sintomas está ligada à faixa etária. 
Diagnóstico 
• Isolamento viral na urina e na nasofaringe. 
Profilaxia 
• Tríplice viral aos 12 meses e tetraviral aos 15 
meses. 
Exantema súbito (Roséola) 
É a doença exantemática mais prevalente. 
Ela é causada pelo HHV-6 e HHV-7 (herpes vírus 
humano tipo 6 e 7). 
A grande maioria das pessoas terão contato até o 
final do 3° ano de vida. Uma vez infectado, o vírus 
permanece latente no indivíduo durante toda sua 
vida. 
• Característica principal: febre alta. 
• Período de incubação: 5-15 dias. 
• Período de contágio: durante a fase febril por 
via oral, através da saliva. 
• Tratamento: não há tratamento. Após término 
da febre, surge o exantema e melhora em 2-3 
dias. 
 
 
Quadro clínico 
É composta pela fase prodrômica e 
exantemática. 
Pacientes apresentam febre alta 39,5°C ou +, de 
início súbito que dura por 3 dias. Algumas horas 
após a febre, surge o exantema. O exantema é 
leve, maculopapular, róseo, discreto, que dura de 
2 a 3 dias. Se inicia na face, pescoço e no mesmo 
dia se dissemina, predominando no tronco. 
A criança se apresenta clinicamente estável 
durante o curso da doença, não apresentando 
outros sintomas. 
Pode ter anemia grave, já que infecta os 
precursores da linhagem eritroide, e hidropsia. 
É importante descartar a dengue. 
Diagnóstico 
• Isolamento viral. 
Profilaxia 
• Não existe vacina. 
• Evitar contato com o infectado. 
Eritema infeccioso 
É uma doença infecciosa viral causada pelo 
parvovírus humano B19, que pode causar aplasia 
medular (principalmente em pacientes com 
anemia falciforme). 
Transmissão por gotículas, ou seja, através do 
contato próximo. 
• Período de incubação: 4-14 dias. 
• Período de contágio: antes do aparecimento 
do exantema. 
• Tratamento: sintomático, podendo usar 
também imunoglobulina venosa (raro). 
Quadro clínico 
É composta pela fase prodrômica e 
exantemática. 
• Na fase prodrômica observamos febre baixa, 
cefaleia, sintomas de infecção das vias aéreas 
superiores e linfadenopatia. Podendo ser 
inespecífico ou até inexistente. 
• A fase exantemática é formada por 3 fases 
com erupção cutânea: 
o A fase 1 ocorre 3 dias após os sintomas 
iniciais e se caracteriza por exantema em 
face, em regiões maxilares (bochecha 
esbofeteada). 
 
o A fase 2, após 2 dias, ocorre pela 
disseminação para o tronco, extremidades 
proximais, com aspecto rendilhado. 
 
 
 
 
 
 
3 
o A fase 3, ocorre 2 semanas após o 
desaparecimento do exantema, quando 
ocorre o surgimento da recidiva discreta 
em tronco e membros, principalmente 
com sol, calor e estresse. 
Diagnóstico 
• Pesquisa de IgG e IgM. 
Profilaxia 
• Não existe vacina. 
• Medidas básicas de higiene. 
Varicela (catapora) 
É uma doença infecciosa e altamente contagiosa 
causada pelo vírus varicela-zoster. 
• Característica principal: lesões na pele 
acompanhadas de coceira. 
• Período de incubação: 4-16 dias. 
• Período de contágio: 1-2 dias após o 
aparecimento das lesões e até 6 dias depois, 
quando todas as lesões estiverem na fase 
crostas. 
• Tratamento: sintomático. Devemos evitar AAS. 
Antivirais para encurtar a viremia: 
o Aciclovir oral para pacientes com mais de 
13 anos, doença crônica de pele ou 
pulmonar, usos de corticoide em dose não 
imunossupressora (ex: asma), uso crônico 
de AAS. 
o Pode ser usado aciclovir venoso em 
pacientes imunodeprimidos, varicela 
progressiva e recém-nascidos. 
o A internação é por precaução prévia. 
o A vacina, pós-contato, pode ser feita até 
72 horas em gestantes e recém-nascido