Buscar

Sangramento uterino anormal- SUA

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 3 páginas

Prévia do material em texto

Medicina de Família e Comunidade I - Dr. Danilo Leão
Sangramento uterino an�mal
→ SUA é uma das queixas mais comuns dos ambulatórios de ginecologia. Pode acometer todas faixas etárias.
→ As maiores prevalências são registradas nos extremos da vida reprodutiva, particularmente na adolescência e
perimenopausa, períodos que se caracterizam por uma concentração maior de ciclos anovulatórios ou irregulares.
→ Definição
• SUA é um distúrbio em que um ou + dos parâmetros do sangramento uterino normal está alterado:
- frequência
- duração
- quantidade
• Não é uma patologia, é um sintoma.
• Perda menstrual excessiva com repercussões físicas, emocionais, sociais e materiais na qualidade de vida da mulher,
que podem ocorrer isoladamente ou em combinação com outros sintomas.
→ O que seria um sangramento normal?
Acontece com todas mulheres, evento endometrial universal, autolimitado, que se
segue à queda dos níveis hormonais (supressão de estrogênio e progesterona) em
um ciclo ovulatório normal
SUA é uma condição frequente, que pode afetar negativamente aspectos físicos,
emocionais, sexuais e profissionais, piorando a qualidade de vida das mulheres; interfere na qualidade de vida
→ Epidemiologia
- Afeta até 40% das mulheres no mundo
- 35% apresentam anemia no momento do atendimento
→ Etiologia
- NÃO É UM DIAGNÓSTICO, MAS SIM UM SINTOMA
- Tem sua etiologia múltipla e pode ocorrer em qualquer fase do período reprodutivo da mulher; a idade da mulher
influencia diretamente na orientação das hipóteses diagnósticas;
- Pode ser causado por várias doenças locais e sistêmicas, ou pode estar relacionada com uso de medicamentos
- Muitos casos são relacionados com gravidez, afecções intrauterinas (leiomiomas, pólipos, adenomiose), à anovulação,
distúrbios de coagulação ou neoplasia
- Traumas e infecções são causas menos comuns
Duas grandes categorias das etiologias da SUA
- orgânicas: gravidez, situações decorrentes dela, doenças sistêmicas, doenças pélvicas, traumas e uso de
medicamentos
- disfuncional: sangramento de origem uterina, na ausência de gravidez, doença pélvica ou sistêmica, atribuída
às alterações nos mecanismos endocrinológicos que controlam a menstruação. SUD é diagnóstico de exclusão →
diagnóstico só pode ser atribuído quando todas as causas orgânicas forem afastadas
→ Todo sangramento uterino preciso descartar gravidez!
● SUA x SUD
Sangramento uterino disfuncional não é sinônimo de SUA. SUD é uma das causas de SUA. E o termo disfuncional, por
si só, indica a ausência de um substrato orgânico. Assim, todo SUD é um SUA, mas nem todo SUA é um SUD
→ sangramento disfuncional corrige-se com hormônios. SE não corrigir, NÃO é disfuncional, é orgânico!
- Acrônimo PALM-COEIN
Nove categorias possíveis de afecções que podem causar ou contribuir para a
queixa de SUA
palm: pólipo, adenomiose, leiomiose e malignas (são causas estruturais)
coein: coagulopatia, ovulatória, endometrial, iatrogênica, não classificada
Gabriela de Oliveira | T3| 5º período
1
Medicina de Família e Comunidade I - Dr. Danilo Leão
→ P: pólipo
Pode ser uma das causas de aumento do volume menstrual ou irregularidade, sangramento pós coito
Até 34% das mulheres com SUA tem pólipos
Acomete geralmente mulheres mais velhas, peri ou pós menopausa
Polipectomia histeroscópica é uma opção eficaz e segura para diagnóstico e
tratamento, com recuperação rápida e precoce retorno às atividades
→ A: adenomiose
Presença de tecido endometrial (glândulas e estroma) entre as fibras musculares do miométrio. É como se o sangue
aumentasse/fizesse lagos dentro do miométrio.
É difusa, com infiltração global na grande maioria; com menor frequência é
focal
Paciente relata dismenorreia secundária, dor abdominal, etc.
Tratamento definitivo é histerectomia. Alternativas incluem: uso de
anticoncepcionais combinados orais contínuos e ressecção de focos de
adenomiose.
→ L: leiomioma
São tumores benignos formados por fibras musculares lisas do útero com estroma de tecido conjuntivo em proporções
variáveis
Mioma é corriqueiramente empregado para denominar leiomioma
Neoplasia benigna mais comum na mulher - 95% dos tumores benignos do
trato genital feminino
Mioma é mioma para o resto da vida; se é benigno vai permanecer benigno até
o resto da vida
mioma submucoso é o que sangra bastante, por estar encostado no endométrio; mioma é extremamente
vascularizado
Tratamento cirúrgico: histerectomia é o tratamento definitivo (indicado principalmente para pacientes com prole
estabelecida); miomectomia e outras opções são alternativas
→ M: malignidade
Tem incidência aumentada na peri menopausa
FR para adenocarcinoma de endométrio: obesidade, DM, hipertensão
Clinicamente devem ser suspeitados pela presença de sangramento que ocorre na grande maioria das vezes no
período após a menopausa
Gabriela de Oliveira | T3| 5º período
2
Medicina de Família e Comunidade I - Dr. Danilo Leão
→ C: coagulopatia
Alteração em mecanismos de coagulação
A causa mais comum é a doença de Von Willebrand, mas também hemofilia, disfunções plaquetárias, púrpura
trombocitopênica, distúrbios de coagulação associados com hepatopatias e leucemia
Atenção especial para jovens com história de sangramento abundante desde a menarca e com anemia
→ O: distúrbio ovulatório
Podem ocorrer em qualquer época, mas são mais frequentes nos extremos reprodutivos
A causa mais frequente de anovulação é SOP. É considerada a desordem endócrina mais comum, afetando 5 a 10% das
mulheres no menacme
→ E: endométrio
Alterações de hemostasia endometrial local, decorrente de resposta inflamatória
→ I: iatrogenia
DIU, agentes farmacológicos (pílulas dia seguinte, AAS, hormônio tireoidiano, antidepressivos, tamoxifeno e
corticosteróides)
Anticoncepcionais hormonais estão com frequência associadas a sangramentos intermenstruais
→ N: causas não classificadas
Lesões locais ou condições sistêmicas raras que podem ser causas de SUA; ex: malformações arteriovenosas
● PERGUNTAS CHAVES
- De onde vem o sangramento? (útero, vulva, vagina)
- Qual a idade do paciente?
- Ela é sexualmente ativa?
- Ela pode estar grávida?
- Como é o padrão do seu ciclo menstrual?
- Existem sintomas de anovulação?
- Como é a natureza do SUA? (frequencia, duração, volume, relação com o coito(
- Em que período ela ocorre? (menstrual, intermenstrual)
- Ela possui alguma doença sistêmica ou está em uso de alguma medicação?
- Houve alguma mudança no peso corporal, possivelmente relacionada com uma desordem alimentar, exercício
físico excessivo, doença ou estresse?
- Existe uma história pessoal ou familiar de uma desordem menstrual?
● Fluxograma do SUA agudo
● Tratamento
Medicamentoso, baseia-se na ação dos hormônios e de
outros mediadores inflamatórios sobre o endométrio,
além do controle hemostático do sangramento. As
opções disponíveis são:
- hormonal: estrogênio e progestagênio
combinados; progestagênio oral cíclico ou contínuo;
progestagênio injetável; sistema uterino liberador de
levonorgestrel - mirena (NÃO É O DE COBRE! O DE
COBRE INTENSIFICA O SANGRAMENTO)
- não hormonal: anti-inflamatórios e
antifibrinolíticos
Referência:
- Febrasgo. Febrasgo - Tratado de Ginecologia.
Grupo GEN, 2018.
Gabriela de Oliveira | T3| 5º período
3

Outros materiais