A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
CARD ECZEMAS - DANIELA JUNQUEIRA GOMES TEIXEIRA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Daniela Junqueira Gomes Teixeira 
 (eczemas) 
DEFINIÇÃO 
FASE AGUDA: eritema + edema + vesículas/FASE CRÔNICA: liquenificação 
Interação → predisposição genética + exposição exógena 
Eczemas exógenos: dermatite de contato por irritante primário, dermatite de contato alégica 
Eczemas endógenos: dermatite seborreica, dermatite atópica 
DERMATITE DE CONTATO POR IRRITANTE PRIMÁRIO DERMATITE SEBORREICA 
Mais comum 
60% das doenças ocupacionais 
Irritantes provocam diretamente a lesão 
Resposta imune inata (não sensibiliza) 
Lesões no primeiro contato 
Não há reconhecimento antigênico. 
Teste de contato negativo. 
Substâncias ácidas ou alcalinas. 
Geralmente limita-se à região de contato. 
Depende da concentração e tempo de exposição 
DIAGNÓSTICO 
Clínico 
TRATAMENTO 
Emolientes + corticoide tópico 
5% da população 
Áreas seborreicas → alteração na composição sebácea + fungos Malassezia sp. 
Agravada por estresse, imunossupressão (HIV, DM), sudorese 
DIAGNÓSTICO 
Clínico 
TRATAMENTO 
Xampu de enxofre, coaltar, ácido salicílico, zinco, sulfeto de selênio ou antifúngico (azol); 
Corticosteroides ou antifúngico em creme; 
Prednisona oral: casos graves. 
DERMATITE ATÓPICA 
Barreira cutânea ineficiente + hiper-reatividade 
Genética (70%) → rinite, asma, dermatite 
↑ IgE*+ ↓IgA + eosinofilia + ↓ resposta celular → infecções 
Disbiose: ↑ S. aureus* + ↓ S. epidermidis e nominis 
*Maior gravidade do quadro 
Crianças > 3 meses 
Doença crônica com reicidivas 
Prurido (piora à noite e com sudorese) + eczema + xerose 
Crianças face poupando região central + regiões extensoras 
Adultos: regiões flexoras 
DIAGNÓSTICO 
Clínico 
CRITÉRIOS MAIORES: prurido, típica distribuição e morfologia das lesões, evolução crônica ou recorrente, história pessoal ou familiar 
de 
atopia (asma, rinite ou DA) 
CRITÉRIOS MENORES: xerose, ictiose/hiperlinearidade palmar, reatividade do prick test, IgE sérica elevada, início em idade precoce, 
suscetibilidade para infecções cutâneas, tendência para dermatite inespecífica de mãos e pés, eczema mamilar, queilites, conjuntivites 
recorrentes, ceratocone (extremamente raro), catarata subcapsular anterior, escurecimento orbital, eritema facial, ptiríase alba, 
pregas anteriores em pescoço, prurido em áreas de suor, intolerância à lã, acentuação perifolicular (ceratose folicular), alergia 
alimentar, influência de fatores emocionais e ambientais, dermografismo branco (atrito na pele levando à vasoconstricção) 
TRATAMENTO 
Manutenção: emolientes; 
Crise: hidratação + corticoide tópico + anti-histamínicos sedativos 
Casos graves: tratamento sistêmico/fototerapia + ATB sistêmico 
DERMATITE DE CONTATO ALÉRGICA 
Reação de hipersensibilidade tipo IV (celular) → necessita de exposição 
prévia (sensibilização) 
A cada exposição: sintomas mais precoces e mais graves 
Há reconhecimento antigênico. 
Teste de contato positivo. 
Disseminação à distância. 
Menor dependência da concentração ou do tempo de exposição 
DIAGNÓSTICO 
Clínico + teste de contato 
Teste de contato: confirma diagnóstico e investiga a etiologia 
Sensibilidade e especificidade = 85% 
30 substâncias padrão 
Leitura em 48h e 96h 
Sulfato de níquel: ligas de metais; 
Dicromato de K+: couro, cimento; 
Formalina: esmalte de unha 
TRATAMENTO 
Emolientes + corticoide tópico + anti-histamínicos 
Lesões disseminadas: corticoides sistêmicos