Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Semiologia do cotovelo

Pré-visualização | Página 1 de 1

Isabella Kelly Divino @a.estudantedefisio 
Semiologia 
Cotovelo
-Anamnese: (mecanismo de lesão, “estalido” 
quando ocorreu a lesão, locais da dor, intensidade, 
frequência) 
- Inspeção e palpação: 
• Exame das faces anterior medial e lateral 
do cotovelo; 
• Contornos ósseos e de tecidos moles do 
braço e antebraço devem ser comparados com o 
lado contralateral, e qualquer desvio deve ser 
observado; 
• Observar qualquer tumoração ou derrame 
articular localizado; 
• Verificar alterações vasomotoras, 
sudomotoras, pilomotoras e tróficas; 
• Observar o ângulo de carregamento e 
deformidades. 
 
Testes especiais 
➢ Testes para “Aprisionamento” do Nervo Ulnar 
Teste de Flexão do Cotovelo (Síndrome do Túnel 
Cubital): Paciente sentado com os braços e 
ombros na posição anatômica. Ambos os 
cotovelos ficam completamente flexionados, sem 
forçar, com extensão total do punho. Paciente 
mantêm posição por 3 minutos. 
POSITIVO SE: paciente relatar dor, formigamento 
ou dormência ao longo da distribuição do nervo 
ulnar. 
 
Teste de Provocativo de Pressão: Verificar 
síndrome do túnel cubital. 
Paciente: cotovelo flexionado a 20º e em 
supinação do antebraço. 
Examinador: coloca o segundo e terceiro dedo 
sobre o nervo ulnar próximo ao túnel cubital do 
paciente. O teste é mantido por 60 segundos 
POSITIVO SE: consistir na reprodução de sintomas 
ao longo do nervo ulnar. 
Isabella Kelly Divino @a.estudantedefisio 
 
Teste de Flexão do Cotovelo (Neuropatia do 
Nervo Ulnar): 
Paciente: flexiona totalmente os cotovelos com 
ombros em posição neutra. Esta posição é 
mantida por 60 segundos. Em seguida, paciente 
mantêm ombros em posição neutra e faz 
extensão completa dos punhos. 
Após 60 segundos o paciente abduz os ombros 
até 90º com os cotovelos em flexão completa e 
punhos em extensão total por 90 segundos. 
POSITIVO SE: reproduzir sintomas do nervo ulnar 
ao longo da distribuição do nervo ulnar. 
 
Teste – Sinal de Tinel (Síndrome do Túnel 
Cubital): Paciente: o examinador aplica 4 a 6 
estímulos ao nervo ulnar do paciente próximo ao 
túnel cubital 
POSITIVO SE: reproduzir sintomas ao longo do 
nervo ulnar. 
 
➢ Testes Para Avaliar Fraturas do Cotovelo 
Teste de Extensão e Flexão do Cotovelo: 
Paciente: se deita em decúbito dorsal e 
estende/flexiona completamente o cotovelo. 
POSITIVO SE: houver incapacidade do paciente de 
estender ou flexionar completamente o cotovelo 
em comparação com o lado oposto. 
Teste de Pronação e Supinação do Cotovelo: 
Paciente: se deita em decúbito dorsal e 
prona/supina o cotovelo. 
POSITIVO SE: o teste é positivo se paciente 
apresentar incapacidade de pronar e/ou supinar 
completamente o cotovelo em comparação ao 
lado oposto. 
Teste de Instabilidade Ligamentar – Estresse em 
Valgo/Varo: Detectar instabilidade dos ligamentos 
colateral medial (ulnar) e lateral (radial). 
Para avaliar Ligamento Colateral Lateral: 
examinador realiza força de adução ou varo. 
Ligamento Colateral Medial: força em valgo. 
Paciente: semiflexiona o cotovelo. 
Examinador: examinador estabiliza o cotovelo do 
paciente a 20º enquanto a outra mão segura o 
punho. 
POSITIVO SE: aumento da Amplitude de 
Movimento. 
 
➢ Testes Para Laceração do Bíceps Braquial 
Teste de Compressão do Bíceps Braquial: Ruptura 
Isabella Kelly Divino @a.estudantedefisio 
do tendão ou do ventre muscular do bíceps 
braquial. 
Paciente: sentado, com o antebraço em seu colo 
e com o cotovelo flexionado entre 60º-80º e o 
antebraço em leve pronação. 
Examinador: fica no lado afetado e comprime 
firmemente o bíceps com as duas mãos. 
POSITIVO SE: houver ausência de supinação do 
antebraço enquanto o bíceps braquial é 
comprimido. 
 
Teste de Gancho: Ruptura do tendão distal do 
bíceps braquial. 
Paciente: flexiona o cotovelo a 90º e supina 
totalmente o antebraço até a amplitude máxima 
de supinação. 
Examinador: tenta enganchar o tendão do bíceps 
lateralmente. 
POSITIVO SE: houver incapacidade de enganchar 
o tendão (em pelo menos 1cm). 
 
➢ Testes de Epicondilite Lateral 
Teste de Cozen: 
Paciente: fecha a mão com o antebraço em 
pronação e punho em desvio radial. 
Em seguida, estende o punho contra a força 
aplicada pelo examinador. 
Examinador: palpa epicôndilo lateral com seu 
polegar. 
POSITIVO SE: consistir na reprodução de dor ao 
longo do epicôndilo lateral. 
 
Teste Passivo para Cotovelo de Tenista: 
Paciente: sentado com o cotovelo em extensão 
completa. 
Examinador: prona passivamente o antebraço e 
flexiona o punho até amplitude máxima. 
POSITIVO SE: consistir na reprodução de dor ao 
longo do epicôndilo lateral. 
 
Teste de Maudsley 
Paciente: estende braços, mãos e dedos. 
Examinador: resiste à extensão do 3º dedo, 
forçando assim, o músculo extensor dos dedos. 
POSITIVO SE: consistir na reprodução de dor ao 
longo do epicôndilo lateral. 
Isabella Kelly Divino @a.estudantedefisio 
 
➢ Teste de Epicondilite Medial 
Teste de Cozen Inverso/Teste para Epicondilite 
Medial (Golfista) 
Procedimento: Paciente com a mão em 
supinação, punho em extensão e cotovelo fletido 
a 90º. 
Paciente: paciente estende o cotovelo e supina a 
mão e flexiona o punho contra resistência do 
examinador. 
Examinador: impõe força no sentido de flexionar 
o punho do paciente. 
POSITIVO SE: houver dor próximo ao epicôndilo 
medial do úmero (onde se insere a musculatura 
flexora do punho e dedos). 
 
 
➢ Outros Testes 
Na abrangência literária utilizada, encontramos 
outros testes com aplicabilidades distintas e sem 
coerência com o passo a passo da execução do 
mesmo. Ainda assim, serão citados para fins de 
conhecimento. São eles: 
• Teste de esfregadura do cotovelo com 
resistência à rotação lateral do ombro; 
• Teste de movimento de estresse em valgo; 
 • Teste de instabilidade rotatória lateral posterior 
do rádio.