A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Analgesia e Sedação em UTI

Pré-visualização | Página 2 de 3

insuficiência renal (grande ligação a 
proteínas); 
- Evitar AINEs em pacientes asmáticos ou com 
hipersensibilidade ao AAS – liberação de histaminas. 
 
Sedação: 
- Conceito: 
- Sedar = acalmar; 
- Hipnose= dormir; 
- Ansiedade= sensação de medo, angústia; 
- Agitação= ansiedade+ agitação motora; 
- Delirium= estado mental alterado (hiperativo, 
hipoativo ou misto). 
 
Avaliação da sedação: 
- A exemplo da analgesia, deve ser efetuada 
frequentemente, assim como a resposta à terapia; 
- Deve ser estabelecido um nível 
“ideal” de sedação; 
- Escalas: Ramsay, MAAS, SAS, RASS, MSAT 
; 
- Avaliação objetiva da atividade cerebral: 
Bispectral Index – BIS; 
- Uso de dose mais precisa e em menor 
quantidade, menor tempo de VM, menor incidência 
de sedação excessiva, menos custos. 
- Terapia farmacológica- Sedação: 
- Sedativo ideal: 
- Rápido início de ação; 
- Curta duração do efeito; 
- Boa relação dose-efeito; 
- Ausência de toxicidade e interação com outras 
drogas; 
- Baixo custo; 
- Fácil administração. 
 
- Benzodiazepínicos: 
- Agem em receptores GABA; 
- Efeito ansiolítico,anticonvulsivante, hipnótico e 
provocam amnésia; 
- Não possuem efeito analgésico; 
- Sofrem acúmulo em tecidos periféricos; 
- Usar com cuidado em pacientes idosos; 
- Efeitos adversos: depressão respiratória, tolerância, 
dependência; 
- Podem causar hipotensão em pacientes 
hipovolêmicos ou com tônus simpático 
exacerbado; 
- Reversibilidade com Flumazenil. 
 
- Midazolam- Dormonid: 
- Rápido início de ação: 30 seg a 5 min; 
- Meia-vida curta (dose única): 2 h; 
- Metabolizado no fígado (oxidação); 
- Sofre acúmulo na insuficiência renal e na 
disfunção hepática. 
- Reações adversas: 
- Depressão respiratória – efeito desejado em 
UTI; 
- Hipotensão em idosos; 
- Síndrome de abstinência. 
 
- Lorazepam: 
- Início de ação em 
aproximadamente 5 min; 
- Meia-vida: 6 a 10 h; 
- Metabolizado no fígado e eliminado 
pelo rim; 
- Infusão prolongada e/ou em altas doses 
(especialmente se IR) podem causar necrose tubular 
aguda, acidose lática, hiperosmolaridade. 
 
 
 
- Propofol: 
- Derivado fenólico com efeito sedativo , 
hipnótico e anticonvulsivante; 
- Pode causar amnésia; 
- Diminui pressão intracraniana; 
- Não possui efeito analgésico; 
- Age no receptor GABA (sítio diferente dos 
BZD); 
- Rápido início de ação: 1 a 5 min; 
- Duração da ação: 2 a 8 min; 
- Metabolizado no fígado em metabólitos, 
excretados pelo rim; 
- Sofre pouca influência de disfunção 
hepática/renal; 
- Usar com cuidado em idosos; 
-Efeitos adversos (uso por mais de 48 h): depressão 
respiratória, bradicardia, hipotensão, 
hipertrigliceridemia, pancreatite, dor (infusão 
periférica), mioclonias; 
- Síndrome de infusão do propofol: ICC, 
bradicardia, acidose metabólica, hipercalemia, 
rabdomiólise, hiperlipidemia, esteatose hepática; 
- Administrar em via venosa central específica: 
interação com outras drogas, infecção; 
- Solução calórica: 1,1 kcal/mL, monitorizar 
triglicerídeos a 
partir de 48 h do uso de propofol; 
- Incluir o aporte calórico do propofol na 
prescrição nutricional do paciente. 
 
- Dexmedetomidina – Precedex: 
- Alfa-2 agonista; 
- Início de ação rápido e meia-vida curta; 
- Uso por 24 h em pacientes em VM; 
- Efeito sedativo, analgésico e ansiolítico; 
- Não causa depressão respiratória, preserva a 
ação neutrofílica; 
- Bradicardia e hipertensão (bolus) e hipotensão 
(infusão prolongada); 
- Tem demonstrado diminuir a 
necessidade de outras drogas 
analgésicas/sedativas e facilitar extubação; 
- Alto custo. 
 
- Etomidato: 
- Sedativo, hipnótico, não 
analgésico; 
- Receptores GABA; 
- Vantagens: curta duração (15 min), estabilidade 
hemodinâmica; 
- Desvantagens: insuficiência adrenal, 
excitação neurológica; 
- Início de ação: 15 a 45 seg. 
- Quetamina: 
- Sedação, amnésia, analgesia; 
- Vantagens: analgesia, liberação 
adrenérgica;Desvantagens: isquemia miocárdica, 
distúrbio do sono, hipertensão intracraniana; 
- Droga de escolha na IOT por 
broncoespasmo; 
- Início: 45 a 60 seg. 
 
- Tiopental: 
- Age em receptores GABA; 
- Início de ação: 30 seg; meia-vida 
prolongada; 
- Sedação profunda, 
anticonvulsivante; 
- Depressão cárdio-respiratória, 
hipertensão intracraniana, 
broncoespasmo; 
- Ativa a metabolização hepática, acumula 
na disfunção hepática/renal; 
- Uso limitado a pacientes que não toleram 
ou não responderam a outros agentes. 
 
• Efeitos adversos – sedativos 
secundários ao imobilismo: 
- Atrofia muscular; 
- Predisposição a TVP; 
- Úlceras de pressão; 
- Lesões nervosas por compressão. 
 
Bloqueadores neuromusculares: 
- No passado, foram usados com 
frequência para sedação profunda. 
- Surgiram relatos de disfunção 
neuromuscular após administração 
prolongada; 
- Atualmente, as indicações para seu uso são: 
intubação do paciente, assincronia com 
ventilador, hipercapnia, ventilação não 
convencional, aumento da pressão 
intracraniana e realização de procedimento: 
- Os mais usados são: pancurônio, 
rocurônio, vecurônio e cisatracúrio; 
- Os fatores para escolha são: experiência 
do médico, duração de ação, meia-vida, 
mecanismos de eliminação e fatores 
individuais de cada paciente. 
Cuidados diários: 
- Desligar a sedação; 
- Correção de doses para disfunções orgânicas; 
- Monitorizar efeitos adversos; 
- Seguir protocolos de sedação: estudos tem 
demonstrado reduzir tempo de VM, tempo de 
permanência no hospital e PAV; 
- O uso de Guidelines e protocolos de sedação é 
recomendado. 
 
Delirium: 
- Síndrome orgânica aguda, de caráter flutuante, 
potencialmente reversível, caracterizada por 
prejuízo da atenção, acompanhado por 
pensamento desorganizado e/ou alteração do 
nível de consciência ; 
- Fator de risco isolado para 
hospitalização prolongada e mortalidade 
em UTI; 
- Idade > 80 anos e déficit cognitivo prévio. 
 
Neurolépticos/antipsicóticos: 
- Completamente absorvidos pelo trato 
gastrointestinal; 
- Atingem pico plasmático cerca de uma a 3h 
após a administração via oral; 
- Há importante variação individual no nível 
plasmático, dependendo da metabolização 
hepática de primeira passagem; 
- No plasma ligam-se a proteínas quase que 
totalmente ás proteínas plasmáticas; 
- Meia vida é longa (20-40h); 
- São metabolizados no fígado e eliminados 
principalmente pelos rins, vários antipsicóticos 
apresentam metabólitos ativos. 
 
- Haldol – neuroléptico: 
- Antagonista da dopamina; 
- Início de ação: 3 a 20 min / Meia- 
vida: 20 h; 
- Metabolizado no fígado, eliminados 
pelo rim e pela bile; 
 
- Efeitos adversos: 
- Arritmias: monitorizar com ECG (corrigir 
distúrbios eletrolíticos); 
- Não causa depressão cárdio- 
respiratória; 
- Outros fármacos são usados como adjuvantes 
para sedoanalgesia na UTI: antidepressivos, 
anticonvulsivantes, neurolépticos. 
 
Abstinência: 
- Sinais e sintomas inespecíficos: agitação, 
insônia, delirium, náusea, hipertensão, 
taquicardia, febre; 
- Pacientes que receberam altas doses e/ou 
administração prolongada de opióides/BZDs 
(> 1 sem). 
- Síndrome da abstinência: 
- Dilatação pupilar 
- Lacrimejamento / sudorese / arrepios 
- Hipertensão / Hipertermia 
- Vômito / dor abdominal / diarréia 
- Dor muscular / Artralgias 
- Alterações comportamentais 
 
Situações Especiais: 
- Insuficiência renal e hepatopata: Apresenta 
eliminação reduzida de todas as drogas 
padronizadas. Deve- se utilizar a menor dose 
possível, e a menor velocidade de infusão. 
- Insuficiência cardíaca: evitar o uso de morfina e 
de propofol por causa da depressão miocárdica. 
- Asma e DPOC: não utilizar morfina devido ao 
risco de broncoespasmo pela alta liberação de 
histamina. 
- Dependentes químicos: normalmente 
requer doses maiores de sedoanalgesia 
para atingir efeito desejado. 
- VM: sedação e analgesia devem ser 
contínuas e mais intensas nas primeiras 
24 horas, após esse esse 
- período deve-se tentar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.