A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
APOL1 - ESTRUTURA DE DADOS - NOTA 100

Pré-visualização | Página 1 de 2

Questão 1/10 - Estrutura de Dados
O algoritmo de ordenação rápida, também conhecido como quick sort, é um dos algoritmos estudados na AULA 2.
Acerca deste algoritmo, assinale a alternativa CORRETA.
Nota: 10.0
	
	A
	A complexidade do quick sort é O(n²). Isso significa que ele sempre terá a mesma eficiência de um bubble sort.
Somente o pior caso do bubble e do quick são iguais. Se considerarmos cenários melhores o quick sort se sai bem melhor que o bubble sort. Veja o experimento feito na AULA PRÁTICA 1 para mais detalhes.
	
	B
	O quick sort trabalha com o conceito de pivô, que é o elemento usado nas comparações, comparando sempre o seu valor com todos os valores do lado direito do pivô, enquanto que o lado esquerdo permanece já ordenado.
Ambos os lados são comparados, esquerdo e direito.
	
	C
	O quick sort trabalha com o conceito de pivô, que é o elemento usado nas comparações, comparando sempre o seu valor com todos os valores do lado esquerdo do pivô, enquanto que o lado direito permanece já ordenado.
Ambos os lados são comparados, esquerdo e direito.
	
	D
	O quick sort trabalha com uma troca de valores utilizando uma variável auxiliar, da mesma maneira feita no bubble sort.
Você acertou!
AULA 2 – TEMA 4 – CORRETO.
	
	E
	O quick sort só pode ser executado para um tamanho de conjunto de dados máximo igual a 1000, pois mais do que isso o uso de memória pelo algoritmo é muito grande.
O limite máximo dependerá da memória disponível, não sendo limitado ao valor de 1000.
Questão 2/10 - Estrutura de Dados
Uma função que implementa o algoritmo bubble sort pode ser vista abaixo. Todo o resto do algoritmo foi omitido para que analisemos somente o método de ordenação. No código, TAMANHOVETOR refere a um valor inteiro que corresponde a dimensão do vetor de dados.
1 - void BubbleSort(int vet[]) {
2 - int aux;
3 - for (int n = 1; n <= TAMANHOVETOR; n++) {
4 -      for (int i = 0; i < (TAMANHOVETOR - 1); i++) {
5 -           if (vet[i] < vet[i + 1]) {
6 -                aux = vet[i];
7 -                vet[i] = vet[i + 1];
8 -                vet[i + 1] = aux;
9 - } } } }
Acerca deste algoritmo, assinale a alternativa CORRETA:
Nota: 10.0
	
	A
	Na linha 5, o sinal de MENOR está incorreto. O algoritmo do bubble sort  deve apresentar um sinal de MAIOR nesta linha.
Tanto faz o sinal. Invertendo sinal inverte a forma como irá ordenar, o que não caracteriza um erro.
	
	B
	Não é possível substituir os laços de repetição do tipo PARA (FOR) por um laço do tipo REPITA (DO-WHILE).
É possível implementar com qualquer laço de repetição.
	
	C
	Não é possível substituir os laços de repetição do tipo PARA (FOR) por um laço do tipo ENQUANTO (WHILE).
É possível implementar com qualquer laço de repetição.
	
	D
	Na linha 3, seria possível fazer a variável n iniciar em zero e terminar em (TAMANHOVETOR-1)
Você acertou!
CORRETO. AULA 2 – TEMA 2 e conceitos básicos de programação e algoritmos.
	
	E
	A variável chamada de aux neste código tem como objetivo armazenar temporariamente o vetor de dados completo, para posteriormente ser ordenado.
Ela serve para ajudar na troca individual de cada elemento.
Questão 3/10 - Estrutura de Dados
Pilhas apresentam características de inserção e remoção na estrutura de dados seguindo a regra do primeiro que entra é o último que sai. Observe o código da pilha abaixo construída utilizando listas encadeadas. O código realiza a inserção de um novo elemento nesta pilha.
1. NovoElemento->dado = numero
2. se (Top == NULO) então
3.      NovoElemento->prox = NULO
4. Senão
5.      NovoElemento->prox = Top
6. fimse
7. Top = NovoElemento
Considerando que NovoElemento é um novo elemento que será inserido nesta pilha e top é o elemento que está no topo da pilha, assinale a alternativa CORRETA acerca de pilhas implementadas com listas encadeadas:
Nota: 10.0
	
	A
	A linha 2 verifica se o topo da pilha está vazio. Caso esteja vazio, significa que não é possível inserir um novo elemento na pilha.
É possível inserir, e a inserção se dá no próprio topo.
	
	B
	Se tivermos um só elemento na pilha, significa que a lista não terá um topo.
Terá um topo e será o próprio único elemento.
	
	C
	Caso o topo não esteja vazio, fazemos o elemento do topo apontar para o novo elemento.
O novo elemento apontará para o topo. Linha 5.
	
	D
	Na linha 7, o topo da pilha vira o novo elemento inserida, fazendo com que o antigo topo seja apagado.
O antigo topo não é apagado, pois na linha 5 fazemos o novo elemento apontar para ele.
	
	E
	O topo da pilha é o único elemento que fica armazenado em uma variável conhecida pelo programa. Todos os outros elementos são acessados a partir dos ponteiros de referencia de cada elemento.
Você acertou!
Correto. Como este código está implementado com listas encadeadas, armazenamos somente o primeiro elemento.
Questão 4/10 - Estrutura de Dados
No terceiro assunto de nossa disciplina estudamos uma nova estrutura de dados denominada de LISTA ENCADEADA. Um tipo de lista encadeada é a chamada de LISTA ENCADEADA SIMPLES, ou LISTA SIMPLESMENTE ENCADEADA.
Acerca de listas encadeadas simples, assinale a alternativa INCORRETA:
Nota: 10.0
	
	A
	Uma lista encadeada simples pode ser do tipo circular. Isto significa que o seu último elemento conterá um ponteiro não nulo e que apontará de volta para ele mesmo, fechando círculo.
Você acertou!
O último elemento aponta para o início da lista de volta, e não para ele mesmo.
	
	B
	Uma lista encadeada simples conterá, em cada seu elemento, uma variável do tipo ponteiro que manterá o endereço do próximo elemento da lista encadeada.
	
	C
	O uso de ponteiros serve para que, embora cada elemento da lista encadeada esteja disperso na memória do programa, eles possam ser localizados e conectados em uma estrutura de dados.
	
	D
	Uma lista encadeada simples pode ser do tipo não circular. Isto significa que o seu último elemento conterá um ponteiro nulo (vazio).
	
	E
	Podemos realizar uma inserção em qualquer posição de uma lista encadeada, no início, no fim ou mesmo no meio desta lista.
Questão 5/10 - Estrutura de Dados
Uma função que implementa parte do algoritmo merge sort pode ser vista abaixo. Todo o resto do algoritmo foi omitido para que analisemos somente este método. O algoritmo completo pode ser visto no material PDF da Aula 2.
No código, inicio e fim são variáveis inteiras que correspondem a posições no vetor de dados, parteinteira significa truncar em zero casas decimais o respectivo cálculo da linha 6 e intercala refere-se a uma função que realiza a ordenação neste método.
1. Função mergesort(X, inicio, fim) 
2. Var
3.      Meio: inteiro
4. Inicio
5.      Se (inicio < fim) então
6.           Meio <- parteinteira((inicio + fim) / 2)
7.          mergesort(X, inicio, meio)
8.          mergesort(X, meio + 1, fim)
9.           Intercala(X, inicio, fim, meio)
10.    Fimse
11. funfunção
A assumindo que a dimensão do vetor de dados X é 10, e que a primeira chamada da função mergesort foi realizada com os seguintes parâmetros: Função mergesort(X, 0, 9).
Acerca deste algoritmo, assinale a alternativa INCORRETA:
Nota: 10.0
	
	A
	Na segunda instância aberta da função mergesort na memória do programa, a variável inicio vale zero e a variável meio vale 2.
	
	B
	Na primeira instância aberta da função mergesort na memória do programa, a variável meio corresponde ao valor 4.
	
	C
	Na segunda instância aberta da função mergesort na memória do programa, a variável inicio vale zero e a variável fim vale 2.
Você acertou!
Fim vale 4.
	
	D
	Na terceira instância aberta da função mergesort na memória do programa, a variável inicio vale zero e a variável fim vale 2.
	
	E
	Na primeira instância aberta da função mergesort na memória do programa, a variável inicio vale zero e a variável fim vale 9.
Questão 6/10 - Estrutura de Dados
Assuma um vetor de dimensão 10 com dados numéricos e inteiros colocados na seguinte ordem: 
| 05 | 07 | 08 | 14 | 24 | 29 | 56 | 77 | 78 | 88 |
Suponha que você deseja implementar um algoritmo de busca para localizar algum dado neste