A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Hemoterapia e Reações Transfusionais - GBS

Pré-visualização | Página 1 de 3

1 Hemato - GBS 
 
→ OBTENÇÃO DE HEMOCOMPONENTES: 
A partir da doação de sangue total, faz-se a separação 
dos componentes por centrifugação: 
 Plasma. 
 Buffy-coat (granulócitos + plaquetas). 
 Hemácias. 
 
→ DOAÇÃO POR AFÉRESE: 
Separação específica de hemocomponentes (tirar 
especificamente os seguintes): 
 Hemácias. 
 Plaquetas. 
 Leucócitos. 
 Plasma. 
→ EXAMES LABORATORIAIS DO DOADOR: 
 Tipagem sanguínea ABO (direta e reversa). 
 Tipagem sanguínea Rh (pesquisa de D fraco, 
quando aplicável). 
 Pesquisa de anticorpos irregulares (PAI). 
 Exames sorológicos: chagas, hepatites, HIV, 
HTLV, sífilis. 
 Os testes sorológicos devem ter alta 
sensibilidade a fim de minimizar a possibilidade 
de falsos negativos. 
 
 
 
 
 
 
 
→ PROCEDIMENTOS ESPECIAIS: 
 DESLEUCOCITAÇÃO: 
o Filtro para remoção de leucócitos. 
Indicações: 
o Antecedentes de duas ou mais reações febris 
não hemolíticas. 
o Candidatos ao transplante de MO. 
o Imunodeficiências congênitas. 
o Prevenção de infecção por CMV. 
o LMA. 
o Anemia aplástica. 
 
 IRRADIAÇÃO: 
o Inativa linfócitos, assim previne a doença do 
enxerto x hospedeiro transfusional. 
Indicações: 
o Imunodeficiência congênita grave. 
o Após transplante MO. 
o Pcte tratados com análogos de purina. 
o Em tratamento para linfomas. 
o LMA. 
o Anemia aplástica. 
o Quando receptor parente do doador. 
 
 LAVAGEM COM SOLUÇÃO SALINA: 
o Eliminar a maior quantidade possível de 
plasma. 
Indicações: 
o Antecedente de reação alérgica grave não 
evitada mesmo com uso de medicações. 
o Pcte deficiente de IgA, haptoglobina ou 
transferrina com antecedente de reação 
anafilática em transfusão anterior. 
 
 Volume da bolsa: 220-280ml. 
 Respeitar compatibilidade ABO e Rh. 
 Tempo de infusão de 60-120min, não ultrapassar 4h. 
1 concentrado de hemácias aumenta Hb em 1g/dL, 
em média. 
 INDICAÇÕES: Tratar e prevenir inadequada 
liberação de oxigênio aos tecidos: anemia grave ou 
sangramento agudo. 
2 Hemato - GBS 
 
 SANGRAMENTO AGUDO: 
o Transfunde quando perdas maiores que 25-
30% da volemia total (hemorragia classe III e 
IV). 
o Fc > 100 – 120bpm. 
o Hipotensão arterial franca. 
o ↑FR. 
o ↓Débito urinário. 
o Enchimento capilar > 2s. 
o Alteração de nível de consciência. 
 
 ANEMIAS: 
o Anemias bem toleradas: Hb > 10 (não precisa 
de transfusão). 
o Anemias que dependem de avaliação clínica: 
Hb entre 7 – 10 (avaliar caso a caso). 
o Anemias com risco de hipóxia: Hb < 7 
(transfusão recomendada). 
 
 SITUAÇÕES ESPECIAIS: 
o DPOC: manter Hb > 10. 
o Cardiopatias isquêmicas agudas: manter Hb > 
9 ou 10. 
o Acima de 65 anos e sintomáticos: transfundir 
se Hb < 9. 
o Pós-operatório: manter Hb > 8. 
 
 SITUAÇÕES ONDE NÃO SE TRANSFUNDE CH: 
o Aumentar sensação de bem-estar do pcte. 
o Transfusão profilática. 
o Cicatrização de feridas. 
o Expandir volume vascular quando capacidade 
de transportar oxigênio estiver adequada. 
 
 1 unidade = 5,5x1010 plaquetas em 50-60ml de 
plasma. 
 Dose: 1 unidade para cada 7-10kg (média de 6-7 
bolsas em adultos). 
 Se doação por aférese: 1und = 3x1011 plaquetas em 
200-300ml de plasma (mais plaquetas). 
 Compatibilidade ABO: pouco relevante 
clinicamente, preferencialmente respeitar devido 
chance de aloimunização e quando não respeitado o 
incremento plaquetário não é tão bom. 
 Compatibilidade Rh: respeitar. Pode ocorrer 
aloimunização em 10% dos pcte Rh – que recebem 
Rh + 
 
 INDICAÇÕES: situações de plaquetopenia por 
falência medular: 
o Portadores de doenças hematológicas. 
o Pcte em quimioterapia ou radioterapia. 
o Distúrbios associados a alteração de função 
plaquetária: raramente necessitam de 
transfusão. Realizar apenas antes de 
procedimentos ou se sangramento refratário a 
tto com outros métodos (DDAVP e 
antifibrinolíticos). 
 
 TRANSFUSÃO PROFILÁTICA: 
o Se < 10.000 plaquetas sem fatores de risco. 
o Se < 20.000 plaquetas e presença de: 
 Febre. 
 Manifestações hemorrágicas. 
 Hiperleucocitose. 
 Medicações que diminuam sobrevida 
plaquetária. 
 Esplenomegalia. 
 Doença de transplante versus hospedeiro. 
 Queda rápida da contagem plaquetária. 
 Presenta de alterações da hemostasia. 
 
 SITUAÇÕES ESPECIAIS: 
o Pcte submetidos a procedimentos cardíacos 
com circulação extracorpórea (transfundir 
mesmo se plaqueta > 50.000). 
o Plaquetopenia por diluição ou destruição 
periférica: casos de transfusão maciça (troca 
de 2 volemias), por exemplo. Transfundir caso 
plq < 50.000 ou < 100.000 com alterações de 
hemostasia, trauma múltiplo ou lesão SNC. 
o CIVD: transfundir apenas se sangramentos, e 
manter plaquetas > 20.000. 
o Plaquetopenias Imunes: transfundir apenas se 
sangramentos graves com risco de vida. 
o Dengue: não indicado. Porque a plaquetopenia 
é causada por anticorpos contra proteínas 
virais que fazem reação cruzada contra 
antígenos plaquetários. 
o Procedimentos invasivos em pcte com 
plaquetopenia: 
 
 
 
 
 
 
 
3 Hemato - GBS 
 
 Porção acelular do sangue: água, proteínas 
(albumina, fatores de coagulação etc), carboidratos 
e lipídeos. 
 Contém ≥ 70UI de Fator VIII/100ml e quantidades 
semelhantes de outros fatores. 
 Volume mínimo: 180ml por unidade. 
 Tempo máximo de infusão: 1 hora. 
 Compatibilidade ABO: não precisa seguir, mas dá 
preferência aos compatíveis. 
 Compatibilidade Rh: não precisa ser considerado. 
 10-20ml/kg aumentam 20-30% os níveis de fatores 
de coagulação. 
 
 INDICAÇÕES: 
o Sangramento ou risco por deficiência de 
múltiplos fatores de coagulação (hepatopatia). 
Lembrar que corrige parcialmente o distúrbio 
de hemostasia pois existem outros fatores 
envolvidos. 
o CIVD: todos os fatores de coagulação estão 
diminuídos, além do fibrinogênio. Só fazer em 
caso de sangramento. 
o Sangramento pelo uso de anticoagulanetes 
orais ou necessidade de reverter 
anticoagulação: varfarina (preferencialmente 
usar o complexo protrombínico e não o PFC). 
15-20ml/kg associado a VitK. 
o Transfusão maciça evoluindo com 
sangramentos por coagulopatias: guiar por 
TTPa e TP e preferencialmente 
tromboelastrografia. 
o Sangramento ou profilaxia por deficiência 
isolada de fator sem concentrado do fator 
sozinho disponível (Deficiência de Fator V, por 
exemplo). 
o PTT: primeira linha como líquido de reposição 
na plasmaférese no tratamento de PTT. 
 
 CONTRAINDICAÇÕES AO PFC: 
o Expansão volêmica. 
o Sangramento sem coagulopatia. 
o Correção de anormalidades laboratoriais SEM 
sangramentos. 
o Estado de perda proteica e imunodeficiências. 
 
 
 
 
 Fonte concentrada de proteínas plasmáticas. 
 Obtido a partir do plasma fresco congelado. 
 Contém: 
o Fibrinogênio. 
o Fator VIII. 
o Fator Von Willebrand. 
o Fator XIII. 
 Voluma: 10-15ml. 
 Compatibilidade ABO e Rh: sempre que possível 
utilizar compatível. 
 1 unidade = 250mg fibrinogênio. 
 Dose: 1 – 1,5 bolsas a cada 10kg peso. 
 
 INDICAÇÕES: 
o Hipofibrinogênemia congênita ou adquirida (< 
100mg/dl) se não houver concentrado de 
fibrinogênio industrial disponível. 
o Disfibrinogênemia. 
o Deficiência de fator XIII se não houver o 
concentrado industrial disponível. 
 CONTRAINDICAÇÕES: 
o Hemofilia A. 
o Doença de von Willebrand (pode usar se não 
responder ao DDAVP e não houver 
concentrado de FVW ou de FVIII rico em 
multímeros de von Willebrand). 
 
 Obtidos apenas por aférese de um único doador. 
 1010 granulócitos