A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Anatomia do Sistema Vascular

Pré-visualização | Página 2 de 3

circunflexa da escápula (mm. do dorso da 
escápula) e toracodorsal (m. grande dorsal) 
 • Artéria circunflexa anterior e posterior 
do úmero 
 
Artéria braquial 
• É a continuação da artéria axilar no braço, 
sendo responsável pela irrigação arterial 
principal do braço 
• Começa na margem inferior do m. redondo 
maior e termina na fossa cubital, perto do 
colo do rádio, onde se divide em artérias 
radial e ulnar 
• É relativamente superficial e palpável em 
todo o seu trajeto 
 • Pulsação palpável – sulco bicipital medial; 
verificação da pressão arterial 
• Ramos – artéria braquial profunda e as 
artérias colaterais ulnares superior e inferior 
• Artéria braquial profunda – é o maior ramo 
e acompanha o nervo radial, divide-se em 
artérias colaterais média e radial 
(anastomoses periarticulares) 
• Artéria nutrícia do úmero – origina-se no 
meio do braço e entra na canal nutrício na 
face anteromedial do úmero 
• Artéria colateral ulnar superior – origina-se 
da face medial da artéria braquial e 
acompanha o nervo ulnar posteriormente ao 
epicôndilo medial do úmero 
• Artéria colateral ulnar inferior – associada a 
irrigação do cotovelo 
 
Artéria ulnar 
• Se origina da artéria braquial, na fossa 
cubital e termina no arco palmar profundo 
• Pode ser palpada na face lateral do tendão 
do m. flexor ulnar do carpo 
• Seus ramos participam da irrigação do 
cotovelo, dos mm. das regiões medial e 
Yarlla Cruz 
central do antebraço, a bainha comum dos 
mm. flexores e os nervos ulnar e mediano 
• Artérias recorrentes ulnares anterior e 
posterior – irrigação do cotovelo 
• Artéria interóssea comum – menor ramo e 
divide-se em artérias interósseas anterior e 
posterior 
 • Interóssea anterior – segue diretamente 
sobre a face da membrana interóssea 
 • Interóssea posterior – irriga as estruturas do 
terço médio do compartilhamento posterior 
• Ramos musculares – irrigam mm. da face 
medial do antebraço (grupo flexor-pronador) 
 • Origina o ramo palmar profundo e é a 
responsável por maior parte do arco palmar 
superficial 
 
Artéria radial 
• Frequência de pulso 
• Se origina da artéria braquial, na fossa 
cubital e termina no arco palmar superficial 
• Artéria recorrente radial – se anastomosa 
com a artéria colateral radial e irriga o 
cotovelo 
• Ramos carpais e dorsal – participam da 
anastomose periarticular do punho, 
formando as redes carpais palmar e dorsal 
• Ramos musculares – irriga os mm. dos 
compartimentos dos flexores e extensores 
• Anastomosa-se com o ramo ulnar profundo 
para formar o arco palmar profundo 
 
Arcos da mão 
• As artérias ulnar e radial e seus ramos são 
responsáveis por todo o fluxo sanguíneo da 
mão 
• Artéria ulnar – se origina na mão 
anteriormente ao retináculo dos músculos 
flexores 
 • Arco palmar superficial – origina 3 artérias 
digitais palmares comuns que se 
anastomosam com as artérias metacarpais 
palmares do arco palmar profundo 
 • A artéria digital palmar se divide em um 
par de artérias digitais palmares próprias que 
seguem ao longo das laterais adjacentes do 
2-4 dedos 
 • Ramo palmar profundo 
• Artéria radial – atravessa o assoalho da 
tabaqueira anatômica 
 • Se anastomosa com o ramo profundo da 
artéria ulnar, dando origem ao arco palmar 
profundo que origina 3 artérias metacarpais 
palmares, artéria principal do polegar e a 
artéria radial do indicador 
 
Aorta abdominal 
• Começa no hiato aórtico do diafragma e 
termina aproximadamente no nível da 
vértebra L4, onde se divide em artéria ilíaca 
comum direita e il íaca comum esquerda 
• Tronco celíaco – primeiro ramo visceral, 
emerge da parte abdominal da aorta no 
nível de T12; irriga da parte abdominal do 
esôfago, o estômago, o duodeno, o fígado, a 
vesícula biliar, pâncreas e baço 
 • Artéria gástrica esquerda – menor ramo; 
irriga a parte abdominal do esôfago, 
curvatura menor do estômago e omento 
menor 
 • Artéria esplênica – maior ramo; irriga o 
baço, pâncreas, fundo gástrico, curvatura 
maior do estômago e omento maior 
 • Ramos pancreáticos – irrigam o 
pâncreas 
 • Artéria gastromental/gastroepiplóica 
esquerda – irriga a curvatura maior do 
estômago e omento maior 
 • Artérias gástricas curtas – irriga o fundo 
gástrico 
 • Artéria hepática comum – emerge do 
lado direto do tronco celíaco e irriga o fígado, 
vesícula biliar, omento menor, estômago, 
pâncreas e duodeno 
Yarlla Cruz 
 • Artéria hepática própria – irriga o 
fígado, vesícula biliar e omento menor 
 • Artéria gástrica direita – irriga a 
curvatura menor do estômago e omento 
menor 
 • Artéria gastroduodenal – irriga a 
curvatura menor do estômago, duodeno e 
pâncreas 
• Artéria mesentérica superior – emerge no 
nível da vértebra L, estende-se inferior e 
anteriormente entre as camadas no 
mesentério e recebe maior fluxo de sangue 
do que a inferior 
 • Artéria pancreaticoduodenal inferior – 
irriga pâncreas e duodeno 
 • Artérias jejunais e ileais – irrigam o jejuno e 
o íleo 
 • Artéria ileocólica – irriga a parte terminal 
do íleo, ceco, apêndice e a primeira parte do 
colo ascendente 
 • Artéria cólica direita – irriga o colo 
ascendente e a primeira parte do colo 
transverso 
 • Artéria cólica média – irriga a maior parte 
do colo transverso 
• Artéria mesentérica inferior – emerge no 
nível de L3; recebe menor fluxo sanguíneo 
 • Artéria cólica esquerda – irriga a 
extremidade do colo transverso e o colo 
descendente 
 • Artéria sigmóideas – irriga o colo sigmoide 
 • Artéria retal superior – irriga a parte 
superior do reto 
• Artérias suprarrenais – apenas o par médio 
se origina diretamente da aorta abdominal 
no nível de L1; as superiores (artérias frênicas 
inferiores); as inferiores (artéria renal); irriga as 
glândulas suprarrenais 
• Artérias renais – emergem da face lateral a 
nível de L2 
 • A direita é mais longa do que a esquerda 
 • Irrigam todos os tecidos dos rins 
• Artéria testicular/ovárica – emerge ao nível 
de L2 
 • Testicular – atravessa o canal inguinal e 
desce até o escroto; testículo, epidídimo, 
ducto deferente e ureteres 
 • Ovárica – mais curta e continua na 
cavidade abdominal; ovários, tubas uterinas 
e ureteres 
• Artérias frênicas inferiores – emergem 
imediatamente superior a origem do tronco 
celíaco; irrigam diafragma e glândulas 
suprarrenais 
• Artérias lombares – 4 pares emergem da 
face posterolateral da aorta abdominal; 
irrigam as vértebras lombares, medula 
espinhal, meninges, pele e músculos da parte 
posterior e lateral da parede abdominal 
• Artéria sacral mediana – emerge 
superiormente a bifurcação da aorta 
abdominal; irriga o sacro, cóccix, nervos 
espinhais sacrais e o m. piriforme 
 
Yarlla Cruz 
Vascularização da pelve 
• 6 artérias entram na pelve feminina, ao 
passo que somente 4 entram na pelve 
masculina 
 
Artérias ilíacas comuns 
• Emergem da parte abdominal no nível de 
L4; irriga os mm. da parede pélvica, órgãos 
pélvicos, órgãos genitais externos e os 
membros inferiores e se bifurca após L5 em 
frente a articulação sacrilíaca 
• Artéria ilíaca interna – irriga quase todas as 
vísceras pélvicas (mm. da parede pélvica, 
órgão pélvicos, nádegas, órgãos genitais 
externos e mm. mediais da coxa) 
 • Divisão anterior - umbilical, obturatória, 
vesical inferior, uterina, vaginal, retal média, 
pudenda interna, glútea inferior 
 • Divisão posterior – iliolombar, sacral lateral 
e glútea superior 
• Artéria il íaca externa – descem ao longo da 
margem medial do m. psoas maior e 
terminam quando passam sob o ligamento 
inguinal e entram na coxa; irriga a parte 
inferior do abdome, m. cremaster no homem, 
ligamento redondo do útero da mulher e 
membro inferior 
 
Vascularização do membro inferior 
Artéria femoral 
• É a continuação da artéria ilíaca externa 
distal ao ligamento inguinal, penetra no 
trígono femoral profundamente ao ligamento 
inguinal; irriga os mm. da coxa (quadríceps

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.