A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Síndromes Menstruais

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ginecologia e Obstetrícia
SÍNDROMES MENSTRUAIS 
Conjunto de sintomas e sinais relacionados ao 
período menstrual feminino, com repercussões 
psicofísicas e socioeconômicas. 
DISMENORREIA 
Definição: dor severa de localização pélvica 
durante o período menstrual. 
Possui ocorrência frequente, e é intensa em 
10-15% dos casos. 
Possui sintomas gerais associados, como fadiga, 
dores de cabeça, náuseas, vômitos. 
Ocorre independente da quantidade de sangue 
perdido. 
• Primária: sem causa orgânica 
F is iopato log ia : a queda do n íve l de 
progesterona (após ovulação) estimula a 
fosfolipase A2, que estimula a liberação de 
ácido aracdônico a partir dos fosfolipíidios da 
parede celular. A cicloxigenase, a partir do 
ácido aracdonico libera endoperóxidos 
cíclicos (PGE2, PGF2-alfa, PGI2 e TXA2). O 
ácido aracdônico pode também, por ação da 5-
lipogenase, libera leucotrieno A4. Essas 
substâncias levam à dor por causarem 
contração e vasoconstrição miometrial. 
Diagnóstico: anamnese e exame físico (início 
com ricos ovulatórios, dor relacionada ao 
ciclo menstrual, influencia na vida produtiva 
e influência do fator psicológico), sintomas 
sistêmicos associado e teste objetivo de 
medida da pressão intrauterina (invasivo). 
• Secundária: com causa orgânica. 
Ex.: mioma (quando o útero contrai, causa 
mais dor do que o normal), endometriose, 
sinéquia 
Diagnóstico diferencial: 
- Ginecológicas: adenomiose, miomatose, 
anomalia uterina congênita, endometriose, 
menometrorragia, aborto, DIU, corpo 
estranho, doença inflamatória pélvica, 
aderências pélvicas, gravidez ectópica, 
carcinoma endometrial e ovariano 
- Não ginecológicas: síndrome do cólon 
irritável, constipação crônica, doença 
intestinal inflamatória, dor músculo-
esquelética, infecção do trato urinário, 
cálculos renais. 
TRATAMENTO 
• Analgésicos e AINES - inibição da via da 
c i c l ox i ge n a s e ( d i m i n u i l i b e r a ç ã o d e 
prostaglandinas) 
• Contraceptivos hormonais combinados: 
inibição da ovulação e oscilações hormonais 
do ciclo - endométrio atrofiado (menos 
mediadores inflamatórios) 
• DIU de levonorgestrel: atrofia do endométrio - 
melhora sintomas da endometriose 
• Contraceptivos com progestagênios: atrofia do 
endométrio 
• Análogos do GnRH (excessão): inibe o GnRH, 
inibindo as gonadotrofinas e causam efeitos 
do climatério (hipoestrogenismo) 
• Não medicamentoso: pode ser associado 
- Dieta balanceada (ômega 3): diminui a 
p o t e n c i a d o s l e u c o t r i e n o s e 
prostaglandinas 
- Vitamina D 
- Acupuntura: bloqueio de canais nervosos 
de dor 
- Calor local: bolsa de água quente, relaxa a 
musculatura abdominal e pélvica 
- Atividade física: melhora fluxo sanguíneo 
pélvico e aumenta serotonina 
- Estimulação nervosa transcutânea - 
mesmo princípio da acupuntura. 
SÍNDROME PRÉ-
MENSTRUAL 
Definição: conjunto de sintomas emocionais, 
comportamentais e físicos recorrentes durante 
a fase lútea do ciclo menstrual, que diminuem 
com a chegada da menstruação e afeta milhões 
de mulheres em idade reprodutiva. 
Antes, chamada de tensão pré-menstrual 
(TPM), hoje é chamada de síndrome pré 
menstrual, por conter mais sintomas do que 
apenas a tensão. 
Ocorre uma falha nos critérios específicos de 
inclusão, então “acomete” 80% das mulheres. 
Entretanto, a síndrome pré menstrual 
clinicamente significante afeta 3 a 8% das 
Ginecologia e Obstetrícia
mulheres. O início dos sintomas ocorre 
geralmente a partir da metade da 2ª década. 
Importante diferenciar distúrbio disfórico pré 
menstrual da depressão maior. 
Fisiopatologia: ainda indefinida, mas há um 
consenso sobre a relação da SPM e DDPM com 
as fases do ciclo. A supressão da função 
ovariana resolve os sintomas. 
Os neurotransmissores mais relacionados com 
essa síndrome são a serotonina, beta-endorfina, 
o GABA e o SN autônomo. 
Redução dos esteroides gonadais leva a um 
desvio da capacidade de ligação de opioides 
endógenos. 
Estudos sugerem que a SPM leva a um 
descontrole do circuito córtex pré-frontal/
amígdala, levando a sintomas emocionais, 
impulsividade e prejuízo das atividades diárias. 
Causas ambientais: alimentação. Alguns 
alimentos podem piorar o quadro, como álcool e 
cafeína. 
Fatores sociais: pacientes com a síndrome e 
com desajuste social, com terapia melhoram os 
sintomas 
Diagnóstico 
Anamnese, confirmação entre 25 e 35 anos 
(antes se confunde com comportamentos da 
adolescência) 
Quadro clínico polimórfico 
E x a m e s f í s i c o e l a b o r a t o r i a i s s e m 
anormalidades 
Diário sintomatológico 
Sintomas psíquicos: tensão, irritabilidade, 
disforia, ansiedade, labilidade emocional, 
agressividade, depressão 
Sintomas somáticos: cefaleia, mastalgia, 
náusea, cólica, taquicardia, tontura e fadiga 
Comportamentais: falta de iniciativa, aumento 
de apetite, compulsão por doces, absenteísmo, 
isolamento. 
Intensidade dos sintomas: 
0. Não apresenta nenhum sintoma 
1. Sintomas leves 
2. Sintomas moderados (interfere nas 
atividades diárias) 
3. Sintomas intensos (incapacitantes) 
Sd. pré-menstrual X distúrbio disfórico PM 
Critérios do DSM-V para DDPM: 
• 1 ou mais devem estar presentes: 
- Mudanças de humor, tristeza 
- Raiva, irritabilidade (mais comum) 
- Sensação de desespero, humor deprimido, 
autocrítica 
- Tensão, ansiedade 
• 1 ou mais devem estar presentes para atingir 
um total de 5 sintomas: 
- Dificuldade de concentração 
- Apetite aumentado 
- Diminuição do interesse nas atividades 
habituais 
- Fadiga 
- Sensação de sobrecarga 
- Mastalgia, edema, ganho de peso, artralgia 
- Sonolência/insônia 
TRATAMENTO 
Abordagem multidisciplinar 
• Medidas comportamentais: 
- Atividade física 
- Evitar cafeína, açúcar, carne vermelha, 
álcool, excesso de sal 
- Aumentar consumo de peixes, frutas, 
carboidratos complexos e alimentos com 
triptofano (cacau, queijo, morango, feijão) 
- Beber muita água 
• Psicoterapia 
• Vitaminas: efeito semelhante ao placebo 
• Diurético: espironolactona 50-100 mg apenas 
no período de maiores sintomas 
• Anticoncepcional combinado: esquema 24/4 
ou contínuo/estendido por 4 meses + pausa de 
4 dias, DIU levonorgestrel 
• Fitoterápico: semelhante a placebo 
• Antidepressivos/ansiolíticos: contínuo ou 
intermitente (apenas na fase lútea) 
- ISRS: fluoxetina, serrazina, paroxítona, 
citalopram, escitalopram 
- Tricíclicos 
• Acupuntura