A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Vascularização do Crânio

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fernanda Daumas – 2º período Medicina 
 
Vascularização do Crânio 
- Ptério: região de fusão dos ossos formando 
um H. Essa região vai formar um sulco onde 
passa a artéria meníngea média e 
responsável pela questão dos sangramentos 
intracranianos. 
- Veia jugular é lateral a A. carótida comum 
- Carótida interna entra no crânio pelo forame 
carotídeo. 
Além desse sistema mais duas artérias 
entram no crânio pelo forame magno e são as 
artérias vertebrais ramos da subclávia. As 
artérias vertebrais se juntam para formar a 
artéria basilar. 
Meninges 
Pensando em camadas temos a pele, 
aponeurose, tecido conjuntivo, lâmina de 
periósteo e osso 
A tabua óssea do crânio possui camada 
compacta, esponjosa e outra compacta para 
diminuir o peso do crânio. 
 
As meninges revestem a região intracraniana 
e são 3 meninges. A mais externa e mais 
espessa que está junto da tabua óssea é a 
dura-máter, abaixo dela, mas bem colada há 
uma meninge mais fina a aracnoide e entre a 
espessa e a aracnoide há um espaço não 
visível chamado de subdural. Mais uma 
camada é a pia-máter que recobre a 
superfícies do encéfalo. Entre ela e a 
aracnoide existe um espaço que leva o nome 
de acordo com quem está abaixo, ou seja, 
espaço subaracnoide. Nesse espaço 
percorrem os vasos que levam e trazem o 
sangue para a massa encefálica. 
Infarto cerebral: embolia nessas artérias 
periféricas. Um trauma nessa região pode 
fazer uma hemorragia subaracnoide. 
Os espaços virtuais também possuem 
presença de vasos pequenos circulando, por 
isso não é tão comum o sangramento nessa 
região e mais comum na região subaracnoide. 
- Liquor: está no subaracnoide 
A dura mater é colada na tabua óssea 
A dura-máter possui duas lâminas, uma 
colada na tabua e outra na aracnoide. Em 
alguns locais essas camadas se separam e 
formam reservatórios chamados de seios, 
eles recebem o sangue venoso que vem da 
massa encefálica. As veias que estão no 
encéfalo desembocam nele. No final todo o 
seio drena para jugular interna. 
A subaracnoide é a área onde mais temos 
vasos sanguíneos. 
AVC: ocorre dentro do tecido. 
 
Uma projeção da dura mater forma a foice do 
cérebro com seios. Com isso o sangue pode 
ser drenado em qualquer lugar do cérebro. 
Todos esses seios depois confluem para um 
local chamado confluência dos seios. 
Fernanda Daumas – 2º período Medicina 
 
 
Em abcessos de calota há comunicação para 
dentro do cérebro. Infecção externas podem 
causar meningite. 
As meninges progridem para região do canal 
vertebral. Ou seja, também revestem a 
medula espinal. A medula para em L1, mas a 
meninge continua formando um saco com 
liquor, nesse espaço se faz anestesia. 
 
Polígono de Willis 
Quando falamos de vascularização 
intracraniana, dois sistemas importantes 
fazem essa base, o sistema carotídeo e 
vertebral – basilar. Se eu interrompo esse 
circuito a circulação colateral pode ate dar 
conta, mas não totalmente. A artéria carótida 
se divide em artéria cerebral anterior e media. 
A artéria cerebral posterior vem através da 
basilar 
 
Aneurisma é mais comum na comunicante 
anterior. Esse circuito é chamado de Polígono 
de Willis 
Esse é o principal, mas existe outros 
caminhos como ramos da meníngea. 
Aneurisma pode comprimir a hipófise e causar 
alterações visuais por exemplo. 
 
Para fechar o circuito é preciso comunicar as 
cerebrais, temos a comunicante posterior e 
anterior. 
 
Fernanda Daumas – 2º período Medicina 
 
 
Essas são as artérias principais que vão se 
dividindo dando outras artérias para dentro do 
encéfalo. A cerebral anterior predomina na 
face anterior. A cerebral posterior predomina 
na região posterolateral. 
Um infarto, AVC ou aneurisma danifica o vaso 
e faz com que ele não leve sangue 
adequadamente e isso tem consequência de 
acordo com a região irrigada. 
 
Figura 1: acidente vascular encefálico 
 
Figura 2: aneurisma 
Aneurisma cerebral: deformidade em forma 
de saco. 
A artéria meníngea media vem da carótida 
externa, sua origem é extracraniana. O que 
tem de importante? Temos as suturas e áreas 
de junção. No ptério que forma o H é onde 
temos a localização dessa artéria. Essa região 
é frágil e quando o paciente bate a cabeça 
nessa região, rompe a artéria meníngea 
media fazendo hemorragia epidural. 
Hemorragia comum em acidentes de trânsito. 
 
Individuo começa a sangrar em uma área em 
que a dura mater está colada na tabua óssea. 
Comum em acidentes em que o individuo 
desmaia depois de um tempo de atendido, já 
que o sangramento não é de imediato, ele vai 
sangrando aos poucos até descolar a dura-
máter. 
 
Figura 3: hematoma epidural 
Figura característica desse tipo de acidente. 
Medula espinhal 
- Na região do pescoço: irrigada por vasos da 
subclávia, ramos da carótida externa. 
- Na área torácica: irrigada pelos vasos 
intercostais 
Fernanda Daumas – 2º período Medicina 
 
 
 
Drenagem venosa 
Ocorre pelos seios e a confluência dos seios. 
 
- Os seios vão para a confluência dos seios 
que vai formar a jugular interna. 
 
Fratura da base anterior do crânio (sinal do 
guaxinim) - ruptura principalmente da cerebral 
anterior.