Buscar

Texto_Aula_1

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 26 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 26 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 26 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 1/26
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FERRAMENTAS DE
DESENVOLVIMENTO WEB
AULA 1
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prof. Yanko Costa
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 2/26
CONVERSA INICIAL
Em nossas aulas, serão abordados os conhecimentos necessários para a utilização das
tecnologias que envolvem o desenvolvimento de sistemas web e a possibilidade de
reaproveitamento dessas tecnologias no ambiente móvel. As aulas buscam relacionar os aspectos
principais do desenvolvimento de sistemas que são acessados via navegador e disponibilizados na
internet, como esses sistemas têm evoluído sua interface com o usuário e quais tecnologias
contribuíram para isso.
Nesta aula, serão abordados importantes conceitos que facilitarão o entendimento de algumas
tecnologias incorporadas ao desenvolvimento dos sistemas, as quais serão apresentadas nas aulas
seguintes. Também será apresentada a linguagem de marcação HTML, que será utilizada como base
na construção de interfaces nas demais aulas.
TEMA 1 – DESENVOLVIMENTO WEB
O desenvolvimento de sistemas foi se transformando à medida que as interfaces usadas para o
acesso às informações dos sistemas foram evoluindo: de telas de texto puro para interfaces gráficas.
A incorporação das redes de computadores pelas empresas impulsionou a redistribuição do
processamento executado pelos programas, podendo ser feito em diferentes dispositivos e
retornando o resultado para o usuário que pode visualizá-lo, estando em uma localização diferente
de onde é feito esse processamento.
Esse novo contexto alterou o conjunto de conhecimentos que o desenvolvedor precisava ter ao
projetar um sistema. Agora é preciso avaliar o ambiente em que será executado, como será a
comunicação entre o usuário e a interface e, também, a comunicação entre a interface e o conjunto
de regras necessárias para a execução do sistema.
Para desenvolver um sistema, uma das primeiras coisas que são percebidas como necessárias
pelo desenvolvedor é a linguagem de programação. Apesar de uma linguagem de programação ser
indispensável, o entendimento e o uso de tecnologias de rede são a base de apoio para o uso da
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 3/26
maioria dos sistemas atualmente, principalmente ao considerar sistemas web, como também
aplicativos em dispositivos móveis (smartphones, tablets e notebooks).
Um sistema web utiliza as tecnologias e ferramentas associadas à internet como base para seu
desenvolvimento, e a navegação nesse tipo de sistema tem como base o Uniform Resource Locator
(URL), que possibilita a localização do recurso que contém a informação, podendo esse recurso ser
uma figura, uma página com diferentes conteúdos, um vídeo ou um sistema de informação.
Como exemplo de localização de um recurso usando uma URL, temos
“http://www.empresa.com.br/pasta/programa.php?opcao=12”, em que o recurso é um programa
que receberá um parâmetro, vai ser executado e retornará a informação; e
“http://www.site.org/pasta/imagem.png”, em que, nesse caso, o recurso é uma imagem que será
retornada para o usuário.
A forma como o usuário interage com um sistema web foi evoluindo com o tempo, e com a
aplicação de novas características e componentes na criação de interfaces, foi possível a
implementação de aplicações padrão RIA (Rich Internet Applications, ou “aplicações de internet
ricas”), em que a interação do usuário se assemelha ao tipo de interação a que ele estava
acostumado nos programas desktop (com isso, a interface fica mais “rica” em detalhes) (Deitel;
Deitel, 2009, p. 313). Essas aplicações são chamadas de “aplicações web” (web applications) pelo
órgão internacional que padroniza o ambiente web, chamado de W3C (W3C, 2021b).
Para entender melhor a parte técnica que será apresentada futuramente, devemos antes detalhar
alguns conceitos específicos, como arquitetura cliente-servidor, tipos de aplicações no ambiente web
e aplicações web em ambiente móvel.
1.1 CLIENTE-SERVIDOR
Tanenbaum e Bos (2015, p. 577) afirmam que “a web é fundamentalmente um sistema cliente-
servidor, no qual o usuário é um cliente e um website é o servidor”. Considerando que a web é um
ambiente cliente-servidor e que trataremos de sistemas que vão trabalhar nesse ambiente, vamos
entender melhor esse mecanismo.
Uma arquitetura cliente-servidor estabelece de início uma forma de comunicação entre duas
entidades: uma que solicita uma informação (cliente) e outra que responde a essa solicitação
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 4/26
(servidor). Os dispositivos não precisam estar fisicamente na mesma localização: basta que se tenha
um meio de transmissão das informações que possibilitem que um dispositivo encontre o outro
(Tanenbaum; Bos, 2015, p. 68; Connolly; Begg, 2005, p. 58).
Figura 1 – Diferentes dispositivos em rede
Créditos: sergeyvasutin/Adobe Stock.
Como exemplificado na Figura 1, essa comunicação pode acontecer entre diferentes dispositivos.
A rede de computadores cria um caminho padronizado para a troca de informações, mas também
pode acontecer no mesmo dispositivo, em que uma aplicação cliente solicita uma informação para
uma aplicação servidora que está em execução no mesmo dispositivo.
Segundo Connolly e Begg (2005, p. 57), a estruturação dessas aplicações pode ser feita de duas
formas.
a. Tier 2 (duas camadas): o aplicativo cliente (camada 1) recebe, processa e apresenta os
dados do resultado da solicitação e o armazenamento dos dados e validação de acesso estão
localizados no servidor (camada 2).
b. Tier 3 (três camadas): o processamento fica distribuído em três componentes, podendo
ser feito em parte pelo aplicativo no cliente (camada 1) que fica responsável pela apresentação
dos dados, por um sistema intermediário (middleware) localizado em um servidor que realiza o
processamento das regras de negócio (camada 2) e pela base de dados em outro servidor
(camada 3).
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 5/26
Figura 2 – Sistemas em 2 e 3 camadas
 
Créditos: A Stefanovska/Adobe Stock.
O uso de camadas depende do tipo de sistema que está sendo desenvolvido, da capacidade de
processamento requerida e da quantidade de usuários que precisam acessar o sistema de forma
simultânea.
Em nossa disciplina, a arquitetura cliente-servidor será utilizada associada aos protocolos e às
formas de comunicação utilizadas na internet, sendo o protocolo HTTP (HyperText Transfer Protocol
ou “protocolo de transferência de hipertexto”) utilizados como base da comunicação entre os
programas exemplificados nas demais aulas.
1.1.1 HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL (HTTP)
O HTTP não é um conceito, mas um dos mais utilizados protocolos de comunicação na internet.
Ele é a base do ambiente web, sendo usado na comunicação das solicitações dos navegadores e nas
respostas dos servidores.
Conforme Tanenbaum e Wetherall (2011, p. 664), no início da web, os conteúdos armazenados
nos servidores eram estáticos, ou seja, arquivos contendo páginas de texto ou figuras eram
transferidos para o cliente usando um aplicativo chamado browser (navegador) e a forma básica de
construir esses conteúdos era utilizando uma linguagem de marcação chamada HTML (a qual
veremos mais adiante).
Para disponibilizar um sistema web no servidor, um serviçoHTTP precisa ser instalado e
configurado, para que seja executado indefinidamente, aguardando alguma solicitação via rede. Essa
solicitação pode ser criptografada ou não, e utiliza como padrão as portas 443 (criptografado) e 80
(normal).
[1]
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 6/26
1.1.2 PROGRAMAÇÃO NO SERVIDOR
Um dos sistemas que implementam o HTTP mais utilizados é o sistema Apache , que, além de
receber e responder às solicitações HTTP, também tem mecanismos para incorporar uma linguagem
de programação que pode ser usada no desenvolvimento de sistemas no lado servidor. Outros
serviços HTTP também podem ser utilizados (por exemplo, Nginx, Nodejs), mas um fator que vai
tornar esses serviços propícios para o desenvolvimento de sistemas no lado servidor é a integração
com alguma linguagem de programação.
Com a utilização de uma linguagem de programação incorporada ou integrada ao um serviço
HTTP, o desenvolvedor terá acesso ao banco de dados, a outros servidores, a sistemas de arquivos e
demais recursos de forma centralizada. Essa centralização pode ser muito importante para
compartilhar informações atualizadas entre vários clientes.
1.2 APLICAÇÕES WEB
No início da internet, ao desenvolver um sistema em um ambiente web, o processamento era
feito somente no servidor e o cliente apenas solicitava a nova página que traria outras informações.
Nesse método, tínhamos as “páginas dinâmicas”: sites em que as páginas eram construídas na
medida em que eram solicitadas. Assim, o usuário navegava nos menus dos sistemas e clicava nas
opções. Ao selecioná-las (clicando em um hiperlink, por exemplo), uma solicitação era enviada ao
servidor e uma nova página chegava ao navegador com todas as informações. Esse contexto era
chamado de MultiPage Applications – MPA (ou “aplicação de múltiplas páginas”).
Todo o processamento era feito no servidor, e conforme a quantidade de usuários ia
aumentando, multiplicava-se a capacidade do servidor. Em sistemas menores, com poucos usuários,
essa situação não chegava a impactar no ambiente do servidor e muitos sistemas ainda têm essa
estrutura. No entanto, em sistemas com milhões de acessos, a infraestrutura necessária para manter
o sistema com um desempenho aceitável era muito grande.
Uma questão que pesava nesse tipo de processamento é que toda a página (layout, figuras,
estrutura, dados) precisava ser refeita na tela do navegador. Isso tinha um impacto no servidor
(processava toda a tela novamente), no cliente (redesenhava toda a tela novamente) e na
comunicação (todos os bytes da tela eram transmitidos novamente).
[2]
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 7/26
Para criar uma alternativa para essa estrutura e diminuir a crescente demanda por mais
processamento no servidor, a atenção voltou-se para a forma como uma aplicação de desktop (em
duas camadas) era desenvolvida. A tela e o processamento eram manipulados pelo lado do cliente e
apenas a informação específica que precisava ser atualizada era solicitada ao servidor. Em um sistema
web, esse método é chamado de Single Pages Applications – SPA (ou “aplicação de página única”).
Na SPA, o servidor envia para o cliente um código que será executado no navegador e, quando a
informação precisar ser atualizada, esse código no cliente envia uma solicitação contendo apenas
essa necessidade para o servidor.
Dessa forma, a primeira transmissão enviada para o usuário conterá o código principal e, assim,
uma boa parte do processamento será transferida para o cliente e o servidor centralizará os dados.
Com o aumento da quantidade de usuários acessando o servidor, como parte do processamento vai
para cada usuário (cliente), os recursos do servidor (memória, processamento) podem ser menores.
Como vantagem adicional, esse código que será executado no cliente poderá trabalhar as
interações com o usuário de forma mais rápida e poderá criar personalizações no layout de forma
mais dinâmica.
Tanto as aplicações MPA quanto as aplicações SPA são consideradas aplicações web (web
applications), desde que tornem a experiência do usuário semelhante ao uso de aplicações desktop.
Para desenvolver tanto uma aplicação MPA quanto uma aplicação SPA, o desenvolvedor
precisará conhecer ferramentas e tecnologias usadas no navegador do cliente (por exemplo, HTML,
CSS, JavaScript) e no servidor (por exemplo, banco de dados, plataforma HTTP). Para aprofundar o
contexto de processamento no lado cliente, incluiremos aqui, futuramente, um detalhamento maior
sobre o Cascading Style Sheets – CSS (ou “folha de estilo em cascata”), criado com o propósito de
prover um mecanismo mais flexível para organizar a estética dos documentos HTML e do JavaScript,
linguagem de programação inserida no navegador para manipular o documento HTML e interagir
com este.
1.3 PROGRESSIVE WEB APP (PWA)
Outro ambiente que tem sido alvo do desenvolvimento de sistemas atuais é o móvel (mobile),
em que o smartphone é o principal dispositivo. Esse ambiente tem algumas características próprias,
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 8/26
por exemplo, sensores, sistema operacional e interface e, com isso, tem um desenvolvimento
diferenciado.
No entanto, o desenvolvimento web tem também algumas tecnologias em comum com o
ambiente móvel, em que podemos citar: ambos usam a rede de comunicação para acessar bases de
dados, um navegador web também está presente nos dispositivos móveis e as linguagens de
programação são as mesmas. Essa percepção vai orientar a possibilidade de poder reutilizar o
código dessas aplicações entre esses ambientes.
Uma opção que foi criada para o reaproveitamento de código de uma aplicação web e que
possibilita ter a experiência de uso semelhante a um aplicativo usado em aparelhos móveis é o
Progressive Web App – PWA (ou “aplicativo web progressivo”). Com esse tipo de configuração da
aplicação web, o sistema pode ser instalado no smartphone de forma semelhante a um aplicativo,
podendo ser identificado na tela inicial do aparelho ou na lista de aplicativos. Nesse caso, a instalação
não é feita pela loja de aplicativos dos sistemas Android ou IOS, mas por meio de uma interface no
navegador do smartphone.
Algumas características fazem esse tipo de configuração ser diferente de um simples atalho para
um site: a aplicação web deve ter um arquivo de configuração chamado de manifesto, que indica
diversos parâmetros a serem utilizados na sua instalação (por exemplo, nome, ícone, local), deve
poder interceptar a conexão com a rede e desviar o acesso ao dispositivo local nos casos de estar
sem rede (off-line), o acesso externo deve ser criptografado (https), deve ser usável tanto em
navegadores com menos recursos (usando menos funcionalidades) quanto em navegadores mais
avançados e deve ser utilizável independentemente do tamanho da tela (responsivo).
Deve-se considerar que esse tipo de alternativa, apesar de melhor integrada com o sistema
operacional, continua sendo uma aplicação web, que é instalada no dispositivo móvel e automatiza a
execução de um navegador reconfigurado para não mostrar seus controles e menus; entretanto, para
o usuário, a utilização é semelhante à de um aplicativo nativo (MDN Web Docs, 2021).
TEMA 2 – BIBLIOTECAS E FRAMEWORKS
Durante o desenvolvimento de um sistema, algumas tarefas são genéricas a ponto de poderem
ser necessárias em outros sistemas. É o caso de leitura de banco de dados, compactação de dados,
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a19/26
conversão de dados, emissão de alertas etc. Nesses casos, o desenvolvedor que já tem alguma
experiência em programação e com bom nível de abstração percebe que poderá utilizar essas tarefas
novamente, cria um repositório dessas funções (muitas vezes em arquivos separados) e inclui essas
funções nos demais sistemas que desenvolve.
Em alguns casos, tais funções são tão práticas e genéricas que o desenvolvedor acaba
divulgando para outros desenvolvedores e esse repositório vai sendo disseminado. Um repositório
desse tipo é chamado de biblioteca (em inglês, library ou lib).
Quando todo um conjunto de funções do sistema pode ser reaproveitado em outros sistemas,
por exemplo, o processo de acesso (login e senha), a navegação nos menus ou a consistência de
formulários de usuários, essas partes podem ser agrupadas em um framework que, por sua vez,
pode conter ou acessar bibliotecas. Os frameworks são usados como base para o desenvolvimento de
aplicações que têm funcionamento semelhante.
2.1 TIPOS
Existem diversos tipos de bibliotecas e frameworks. As bibliotecas podem se limitar a
componentes específicos, como manipulação de imagens, compactação, renderização 3D, protocolos
de rede, para citar alguns. O próprio sistema operacional apresenta um conjunto de bibliotecas que
podem também ser utilizado para o desenvolvimento de programas independentes.
Os frameworks também podem compor um escopo específico, como frameworks para layout,
desenvolvimento de aplicações móveis, desenvolvimento de sistemas corporativos ou
desenvolvimento de sites dinâmicos, por exemplo. Em muitos casos, é o framework que administra o
fluxo dos dados e a interação com o usuário.
Aqui vamos abordar o uso de framework no desenvolvimento de layout (Bootstrap) e um caso no
desenvolvimento de aplicação web (Angular).
TEMA 3 – HYPERTEXT MARKUP LANGUAGE (HTML)
A estruturação e apresentação das informações para o usuário é um ponto fundamental para o
sistema ser considerado útil. Da mesma forma que um livro, artigo ou página de revista, alguma
padronização é importante para facilitar a identificação de partes importantes da informação. Títulos,
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 10/26
parágrafos, separadores de texto – como ponto-e-vírgula (;), vírgula (,) e ponto-final (.) – e
espaçamento são usados como auxiliares na apresentação das informações.
Em um sistema informatizado, as informações são também padronizadas e facilitam a navegação
entre as diferentes partes do sistema, bem como auxiliam na apresentação de grandes volumes de
dados e são criados mecanismos para destacar certos tipos de dados (erros, valores, saldos,
dependência).
Cada sistema poderia ter sua própria padronização, mas isso resultaria em um custo adicional de
treinar o usuário para interpretar seu formato diferenciado, assim como cada desenvolvedor teria que
aprender a criar essas estruturas conforme o sistema.
A linguagem de marcação HTML foi criada por Tim Berners-Lee, em 1989, com o objetivo de
facilitar o compartilhamento de informações científicas entre grupos de pesquisadores de diferentes
países, idiomas e sistemas de computadores (W3C, 2021a).
Essa linguagem cria marcações para indicar que a informação é um texto, um título, uma
referência para outras informações, um conteúdo de uma tabela ou uma lista de opções. Conforme o
HTML vem evoluindo, são criadas novas marcações ou variações na apresentação e interpretação de
marcações existentes.
Atualmente, o HTML está na versão 5 e sua criação, evolução e padronização foi conduzida
desde 1989 pelo centro de pesquisas do Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire – Cern (ou
Conselho Europeu de Pesquisa Nuclear). Depois, em 1994, foi criado um consórcio de entidades
chamado W3C para promover sua evolução e, após acordo com o W3C, o padrão HTML tem sido
mantido pelo grupo web Hypertext Application Technology Working Group – WHATWG (Jaffe, 2019).
A apresentação de informações estruturadas em marcações e outras tecnologias web tem
extrapolado a internet e tem sido utilizada também para formatar textos em editores, planilhas
(Microsoft Docs, 2021) e até mesmo em interfaces de sistemas operacionais (Microsoft Docs, 2019).
Para implementar a estrutura de HTML no conteúdo de sites e sistemas, vamos verificar como
funciona a sintaxe e os principais marcadores.
3.1 SINTAXE HTML
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 11/26
A sintaxe de um marcador no HTML utiliza os símbolos < e > entre o nome do identificador da
marcação inicial e </ e > para indicar o fim da marcação. Esses marcadores são chamados de tag.
As tags básicas <html>, <head> e <body> compõem a estrutura do documento, informadas as
partes visíveis e as reservadas para configuração. As tags podem ser agrupadas e aninhadas dentro
de outras tags. Os navegadores que interpretam o documento HTML não fazem distinção se as tags
de início e fim estão na mesma linha ou em linhas separadas. O documento todo poderia estar em
uma linha apenas que o navegador conseguiria interpretar e mostrar as informações de forma
organizada.
Outra característica do navegador e do HTML é que se houver um erro no documento (uma
escrita errada de uma tag ou a falta de um finalizador) o navegador não interrompe a leitura e
mostra o erro: ele ignora a tag errada e continua tentando interpretar o documento. O resultado final
pode variar no caso de algum erro no documento, podendo a informação não aparecer, o texto ou
figura ficar na posição errada, o layout da tela ficar confuso ou não mostrar nada. De qualquer
maneira, o navegador tentará mostrar algo e, em alguns casos, e conforme o navegador, poderá
perceber o erro e mostrar o resultado correto.
No Quadro 1, temos um exemplo de um documento HTML básico que pode ser acessado via
navegador, que por sua vez mostrará apenas o resultado da interpretação das marcações, como
pode ser visto na Figura 3 a seguir. É importante salientar que as marcações (tags) no HTML podem
ser escritas em maiúsculo ou minúsculo.
Quadro 1 – Exemplo de documento HTML
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 12/26
Fonte: Costa, 2021.
As informações que ficaram visíveis na Figura 3 estão usando a formatação padrão do
navegador. Nesse exemplo específico, o que fica mais aparente é o fundo de texto em branco, a letra
em cor preta e o tamanho diferenciado entre a tag <h1>“ (título) e a tag <p>“ (parágrafo). Diversos
outros parâmetros associados com marcações do HTML têm uma formatação visual padrão, que
podem ser alteradas conforme veremos futuramente.
Figura 3 – Resultado do HTML no navegador
Fonte: Costa, 2021.
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 13/26
No Quadro 2, temos a relação das principais tags do HTML e uma breve descrição de sua função
no documento. Nas aulas práticas, serão feitos roteiros de uso das principais tags para a criação de
documentos HTML e estas também serão utilizadas nas aulas de CSS e programação mais adiante.
Quadro 2 – Resumo de tags do HTML
Tags de componentes e estruturação do documento:
Criação de Tabelas = < TABLE >
Parágrafos = < P >
Títulos = < H >
Quebra de linha = < BR >
Listas = < OL >, < UL >
Formulários = < FORM >
Link = < A >
Separador = < HR >
Botão = < BUTTON >
Sessão = < DIV >
Texto = < SPAN >
Imagem = < IMG >
Texto pré-formatado = < PRE >
Quadro de visualização = < IFRAME >
Tags de parametrização de textos:
Negrito = < B >, < STRONG >
Itálico= < I >, < EM >
Monospace = < CODE >
Sobre/subscrito = < SUP >, < SUB >
Delete/Insert = < DEL >, < INS >
Abreviação = < ABBR >
Fonte: Costa, 2021.
Enquanto que na criação de páginas HTML estáticas para sites podem ser utilizados editores
específicos para HTML ou um editor de texto puro , no desenvolvimento de sistemas web, essas
tags que estruturam o documento e formatam a informação são inseridas de forma automatizada. A
linguagem de programação escolhida imprime a tag entre as informações que serão buscadas de
uma base de dados, de um sistema de arquivos, de outro sistema ou da entrada de dados do usuário
(ver pseudocódigo no Quadro 3). Assim, a estrutura e o conteúdo do documento HTML podem ter
variações conforme a frequência que os dados são alterados na sua origem. Por esse motivo, são
chamadas de páginas dinâmicas.
Quadro 3 – Exemplo de lógica para impressão de tag HTML
[3]
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 14/26
Fonte: Costa,2021.
O desenvolvedor necessita conhecer a linguagem de programação escolhida, mas também como
as tags HTML funcionam. A falta de uma marcação final ou o uso de uma marcação trocada em uma
tabela pode tornar a informação do sistema ilegível ou confusa.
Como as tags vão estar sendo utilizadas em conjunto com uma linguagem de programação, o
acréscimo de variáveis, repetições e estruturas de decisão vão aumentar os cuidados que devem ser
tomados com os inícios e os fechamentos de marcação, ou o aninhamento de tags.
As tags do HTML podem também ter parâmetros de configuração, chamados de atributos. Em
algumas tags, sem algum desses parâmetros, a funcionalidade da tag pode ficar prejudicada.
Esses atributos têm o formato “nome=valor” e ficam dentro da tag a ser configurada, como
podemos ver nos exemplos a seguir.
<IMG src=“figura.png”>, em que o atributo src com o valor figura.png é utilizado para
informar qual arquivo de imagem será inserido no documento pela tag IMG.
<P id=“alerta”>, em que o atributo id marca um parágrafo com um texto alerta.
Esses atributos vão auxiliar na integração do documento HTML com outras tecnologias, como
CSS e JavaScript. Um atributo poderá indicar, inclusive, um evento que será utilizado para criar uma
automatização na tela, por exemplo, um clique com o botão direito do mouse em cima de uma
figura, o apertar de uma tecla de direção (seta) no teclado, ou o toque do dedo em cima de uma
opção em uma tela touch screen .
TEMA 4 – HTML: CRIANDO LAYOUT
[4]
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 15/26
Um sistema tem várias funções que precisam de interação com o usuário. Seja para apresentar
um conjunto de informações, solicitar uma entrada de dados, navegar entre partes do sistema ou
possibilitar a transmissão de um vídeo, a tela do navegador precisa ser organizada de forma que o
máximo de objetos possam ser utilizados pelo usuário de forma confortável e eficiente.
O menu de opções do sistema é uma peça-chave na organização da tela principal do sistema,
assim como a área em que serão atualizadas as informações.
Uma característica na interpretação do HTML é que ele respeita somente as marcações ao
distribuir as informações na tela. Não adianta colocar caracteres de espaço ou nova linha no texto,
pois o navegador poderá deixar o conteúdo agrupado na mesma linha. Dessa forma, se precisar
quebrar a linha de texto, criar colunas de informações ou posicionar imagens ao lado de uma lista
ordenada, será preciso inserir tags apropriadas que possam organizar essa distribuição.
Ao iniciar a construção de páginas web com muitas informações, por falta de alternativa, as
tabelas (linhas e colunas) foram utilizadas para posicionamento e diagramação. A possibilidade de
inserir tabelas dentro de outras tabelas levou à criação de layouts complexos e com diferentes níveis
de detalhes.
Com a criação e evolução do CSS (de que trataremos futuramente), novas formas de
posicionamento e diagramação foram criadas e, com isso, o uso das tabelas na diagramação de sites
diminuiu sensivelmente. Atualmente, sites (ou telas de sistemas) que posicionam seus elementos sem
a necessidade de tabelas na parte de diagramação são chamados de tableless (sem tabelas).
4.1 TABELAS
Apesar de ter sido criada para listar dados tabulares (dispostos em linhas e colunas), uma das
primeiras formas de segmentar a tela para a inserção de informações foi a construção de uma tabela
com linhas e colunas que possam orientar o layout.
Apesar de simples para iniciar a criação de áreas no documento HTML e distribuir informações, a
criação de layouts usando tabelas está caindo em desuso em razão de problemas de desempenho
em layouts complexos e da necessidade de adaptação das telas para diferentes tamanhos
(responsividade). No entanto, ainda é uma forma didática de compreender como as informações
podem ser distribuídas inicialmente. À medida que formos evoluindo no entendimento de CSS e dos
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 16/26
frameworks de layout, poderemos usar o conceito de linhas e colunas usado nas tabelas para
também posicionar as informações usando outros mecanismos.
Na Figura 4, temos dois exemplos de utilização de uma tabela com duas linhas e duas colunas
para separar quatro espaços que podem ser usados para colocação de conteúdo. Em cada célula da
tabela, foi identificada a linha e a coluna específica. Na primeira versão (esquerda), verifica-se que a
tabela tem as bordas definidas, que podem ser identificadas as linhas e colunas. Na versão seguinte
(direita), a mesma tabela está sem a definição das bordas, mas as áreas continuam separadas.
Figura 4 – Uso de tabela em layout
Fonte: Costa, 2021.
No Quadro 4, é mostrada a estrutura em HTML dessa tabela com duas linhas e duas colunas,
com o seu código completo na lateral direita. No exemplo, temos a tag <table>, que inicia a
construção da tabela; a tag <tr>, que inicia a linha e finaliza com </tr>; a tag <td>, que inicia a
coluna e finaliza com </td>; e, por fim, a tag </table”, que finaliza toda a tabela. No código HTML
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 17/26
apresentado na lateral direita, todo o documento é listado, inclusive as várias tags <br> (quebra de
linha) usadas para pular linhas em branco, para, com isso, mostrar a frase area de texto mais abaixo
na linha. Como o HTML não interpreta o enter como um pulo de linha, é preciso colocar uma (ou
mais) tags específicas para isso.
Quadro 4 – Estrutura de uma tabela
Fonte: Costa, 2021.
Na Figura 5, há novamente um exemplo de utilização de uma tabela com duas linhas e duas
colunas, mas com um conteúdo mais próximo do real (semelhante ao usado em sites e sistemas),
facilitando ao leitor o entendimento de como são diagramadas as interfaces dos sistemas web
usando linhas e colunas. Para atingir o tipo de formatação usado nesse exemplo da Figura 5, foram
também utilizadas configurações de alinhamento, cor, espaçamento e bordas usando CSS.
Figura 5 – Utilização de tabela em layout de página
Versão da tabela com borda definida (a)
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 18/26
Versão da tabela sem borda definida (b)
Fonte: Costa, 2021.
O exemplo da figura apresenta um campo de digitação para pesquisa, em que o usuário deverá
inserir informações que o programa vai coletar e usarno processamento local ou no servidor. Esta é
uma importante parte do HTML, em que o usuário, ao invés de solicitar dados para o servidor,
poderá enviar dados. Veremos essa questão no tema seguinte.
TEMA 5 – HTML: COMUNICANDO-SE COM O USUÁRIO
Quando existe a necessidade de receber orientação ou informação do usuário que está
operando o sistema web, o HTML apresenta tags que possibilitam agrupar o conteúdo digitado (ou
selecionado pelo usuário) e enviá-lo para ser processado por uma linguagem de programação.
O recebimento dessas informações passadas pelo usuário pode ser feito no mesmo dispositivo,
ou enviada pela rede para outro equipamento que vai fazer o processamento. O mecanismo é o
mesmo, e a localização do recebedor da informação indicado nas tags do HTML é que definirá onde
será feito o processamento.
5.1 HIPERLINKS
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 19/26
Um mecanismo usado para facilitar o acesso a recursos e partes do sistema é o hiperlink,
definido pela tag <A>. Usa-se a tag e uma URL para acessar o documento HTML, que pode estar no
mesmo ou em outro servidor, e pode ser um documento estático ou dinamicamente construído por
uma linguagem de programação.
O hiperlink no HTML tem o formato como <a href=‘http://www.google.com.br’> Site do Google
</a>. Isso indica que essa tag exige início <a> e fechamento </a>, e apresenta um atributo essencial
href, que indica qual recurso estará sendo vinculado. O texto que aparecer entre o início e
fechamento da tag (“Site do Google”) será usado como palavra-chave para chamar o recurso. Como
padrão de visualização, os navegadores vão sublinhar a palavra-chave, indicando que pode ser
clicada para proceder com a solicitação.
Para a execução de um programa no servidor, o hiperlink pode indicar o endereço e qual
programa deve ser executado para retornar a informação necessária. Para isso, no exemplo <a
href=‘http://local-do-servidor.com.br/programa.py’> Calcula Saldo </a>, o hiperlink (ou apenas link,
na sua forma abreviada) comunica-se com o navegador demandando que este solicite ao servidor
que execute o programa.py e transmita o resultado do processamento.
O próprio documento que contém o hiperlink chamador pode ter sido construído
dinamicamente por um programa em momento anterior. Ainda, o hiperlink pode conter variáveis e
valores que serão enviados ao programa do servidor que estará processando a solicitação. No último
exemplo da situação anterior, temos: <a href=‘http://local-do-servidor.com.br/programa.py?
debito=200’> Calcula Saldo </a>, em que o “programa.py” vai receber a variável debito com um
valor de 200. Na verdade, na comunicação HTTP são enviados apenas texto (strings), e o programa
que recebe o parâmetro deverá fazer a conversão apropriada.
5.2 FORMULÁRIOS
Uma forma de coletar diferentes tipos de informações do usuário é o mecanismo de formulário
do HTML representado pela tag <FORM>. Nesse tipo de estrutura, é possível capturar diferentes
tipos de interação do usuário com o navegador, como digitação de texto, seleção única, seleção
múltipla, deslizamento, que podem ser utilizados para diferentes dispositivos de entrada, como
mouse, teclado, touch pad ou touch screen.
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 20/26
Na Figura 6, temos um exemplo didático de um formulário de cadastro de produto, mostrando
algumas formas de coleta de informações do usuário. Cada forma de coleta tem uma tag que
identifica tanto o formato quanto as informações que serão extraídas para processamento posterior.
Figura 6 – Formulário de cadastro
Fonte: Costa, 2021.
Os formulários em HTML são estruturados com a tag inicial <form> e finalizados com </form>.
Dentro dessa estrutura podem ser incluídas outras tags gerais, mas o mais importante para esse
trecho são as tags associadas ao formulário, como <input>, <textarea> e <select>. Em todas as
opções usadas em formulários, é necessário indicar uma variável em que os dados serão
armazenados para que um programa que vai processar o conteúdo possa selecionar e acessar cada
uma das informações coletadas.
No exemplo da Figura 6, temos um formulário que se inicia com a solicitação de um código de
produto para o usuário. Esse tipo de solicitação é feito com uma tag <input>, como pode ser visto no
Quadro 5. Essa tag tem diferentes variações de forma de entrada de dados e a variação utilizada
nesse item é de digitação de texto (type=‘text’). Também foi indicada uma variável para armazenar a
informação (name=‘codigo’) e uma mensagem de orientação (placeholder=‘ex. 1.23.456-8’). No
Quadro 5 também está exposta uma tag que apresenta um texto auxiliar – <label> Código do
produto: </label> – que serve apenas para facilitar o entendimento da opção.
Quadro 5 – Uso da tag input
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 21/26
<label>Código do produto:</label>
<input type=‘text’ name=‘codigo’ placeholder=‘ ex. 1.23.456-8’>
Fonte: Costa, 2021.
No Quadro 6, temos outra variação da tag <input> como o uso do atributo radio (type=“radio”).
Nessa opção, o usuário vai selecionar entre duas alternativas. Esse é um tipo de seleção única, pois o
usuário não poderá selecionar as duas opções simultaneamente; apenas uma alternativa fica ativada.
Apesar de serem duas alternativas, o nome de variável vai ser o mesmo para as duas, pois, conforme
descrito anteriormente, apenas uma das escolhas será deixada ativada.
Quadro 6 – Uso da opção radio
 Tipo:
<input type=“radio” name=‘tipo’> Importado
<input type=“radio” name=‘tipo’> Nacional
Fonte: Costa, 2021.
Outra variação da tag <input> pode ver vista no Quadro 7. Nesse caso, é utilizado o atributo
para datas (type=‘date’). Também nesse item foi acrescentado um atributo para orientar o usuário do
formato de data a ser digitado (placeholder=‘ dd-mm-yyyy’).
Quadro 7 – Entrada de datas
<label >Data de recebimento:</label>
<input type=“date” name=“data_inicio” placeholder=“dd-mm-yyyy” >
Fonte: Costa, 2021.
Além de poder digitar a data completa, o usuário poderá (dependendo do navegador utilizado)
escolher uma data com base em um quadro de seleção tipo calendário (Figura 7).
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 22/26
Figura 7 – Seleção de data
Fonte: Costa, 2021.
No Quadro 8, temos uma opção da tag <input> que finaliza a entrada de dados e envia todas as
informações digitadas ou selecionadas pelo usuário para o programa que vai processá-los. Essa
opção (type=“submit”) normalmente assume a forma de um botão que o usuário utiliza para finalizar
o formulário.
Quadro 8 – Envio das informações
<input type=“submit” name=“grava” value=“Grava” >
Fonte: Costa, 2021.
A aparência do formulário utilizada nos exemplos não é a que o leitor vai visualizar se utilizadas
as tags apresentadas até esse ponto. Se não for feita uma alteração na aparência das tags, elas usam
o padrão do navegador para cor, posicionamento, espaçamento e demais características usadas em
layout de telas.
No exemplo mostrado tanto na Figura 5 quanto na Figura 6, para deixá-lo mais atrativo, foram
feitas alterações na aparência das tags utilizando CSS e um framework específico para layout,
chamado de Bootstrap (os quais serão vistos futuramente).
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 23/26
Para efeito de comparação, a Figura 8 mostra omesmo documento HTML sem nenhuma
alteração visual diferente do padrão usado no navegador Firefox.
Figura 8 – Formulário com visual padrão
Fonte: Costa, 2021.
A aparência não interfere na coleta das informações ou na funcionalidade das tags do HTML. O
formulário continua funcionando, e apenas pode haver um impacto no estímulo em utilizar esse tipo
de tela.
Muitos estudos de interface homem-computador valorizam cores e agrupamento visual de
dados na confecção de telas de sistemas, com o intuito de melhorar e facilitar a navegação entre as
partes do sistema e sua operação (Barbosa; Silva, 2010). As considerações de usabilidade são
indiferentes ao tipo de sistema podendo ser aplicadas em sistemas desktop, MPA, SPA, PWA assim
como aplicativos móveis.
A última versão disponível do HTML (chamada HTML5) trouxe componentes e recursos que
tornaram o desenvolvimento de aplicações web mais próximas das aplicações desktop: a
possibilidade de utilização de gráficos avançados (2D e 3D), o armazenamento off-line, a
geolocalização e controles multimídia sem a utilização de plugins. Essa versão reforça o uso da
linguagem Javascript para a manipulação do documento HTML de forma dinâmica.
FINALIZANDO
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 24/26
Nesta aula, foram apresentados conceitos usados na construção de sistemas web, que podem
ter seu processamento desenvolvido primariamente no servidor, como no caso dos sistemas MPA, ou
com a execução de código no lado cliente, como no caso dos sistemas SPA.
A possibilidade de reaproveitamento de tecnologias e sistemas desenvolvidos para web em
dispositivos móveis trouxe o desenvolvimento de aplicativos PWA.
Em ambos os casos (desenvolvimento web ou desenvolvimento de aplicativos móveis), o uso da
rede de computadores como base para a comunicação entre clientes (usuários) e servidores (bases
de dados) é uma peça importante no compartilhamento e processamento de informações e deve ser
avaliada pelo desenvolvedor ao estruturar a arquitetura do sistema.
Na parte final desta aula, foi apresentada a linguagem de marcação HTML, que possibilitará criar
a apresentação dos dados dos sistemas. Esse tipo de marcação de conteúdo tem sido incluso em
diferentes ambientes e dispositivos em razão da facilidade de utilização em linguagens de
programação de diferentes tipos, uma vez que basta concatenar as tags HTML nos dados de saída
usando comandos de impressão próprios da linguagem.
Usando poucas Tags, foi possível montar exemplos de documentos HTML que poderão servir de
base para os roteiros práticos e as demais tecnologias que serão expostas na disciplina.
REFERÊNCIAS
BARBOSA, S.; SILVA, B. Interação humano-computador. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2010.
BEM-VINDO ao Open XML SDK 2.5 para Office. Microsoft Docs, 1.º nov. 2017.  Disponível em:
<https://docs.microsoft.com/pt-br/office/open-xml/open-xml-sdk>. Acesso em: 13 mar. 2021.
CONNOLLY, T. M.; BEGG, C. E. Database systems: a practical approach to design,
implementation, and management. Londres: Pearson Education, 2005.
DEITEL, P. J.; DEITEL, H. M. Ajax, rich internet applications e desenvolvimento web para
programadores. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.
FACTS about W3C. W3C, 2021a. Disponível em <https://www.w3.org/ 
Consortium/facts>. Acesso em: 13 mar. 2021.
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 25/26
JAFFE, J. W3C and WHATWG to work together to advance the open web platform. W3C, 28 May
2019. Disponível em <https://www.w3.org/blog/2019/05/ 
w3c-and-whatwg-to-work-together-to-advance-the-open-web-platform/>. Acesso em: 13 mar. 2021.
PROGRESSIVE web apps (PWAs). MDN web Docs, 2021. Disponível em:
<https://developer.mozilla.org/en-US/docs/web/Progressive_web_apps>. Acesso em: 13 mar. 2021.
STANDARDS. W3C, 2021b. Disponível em <https://www.w3.org/standards/>. Acesso em: 13 mar.
2021.
TANENBAUM, A. S.; BOS, H. Modern operating systems. Londres: Pearson, 2015.
TANENBAUM, A. S.;WETHERALL, D. J. Computer Networks. Boston: Prentice Hall, 2011.
WHAT is Windows Presentation Foundation (WPF.NET). Microsoft Docs, 18 jul. 2019. Disponível
em <https://docs.microsoft.com/en-us/dotnet/desktop/wpf/over 
view/?view=netdesktop-5.0>. Acesso em: 13 mar. 2021.
 Porta é a denominação do endereço do protocolo TCP utilizado na comunicação de rede, em
que o HTTP é encapsulado. Cada programa, ao se comunicar na rede de computadores, precisa estar
associado a uma porta e um endereço IP.
 O site Netcraft mantém um longo histórico de estatísticas sobre plataformas em uso nos sites
em atividade.
 Editor de texto puro é aquele que não acrescenta formatações no texto. Normalmente é usado
em programação.
Tipo de tela utilizada em smartphones e alguns notebooks em que, ao se encostar o dedo na
tela, o sistema consegue perceber a localização do toque.
[1]
[2]
[3]
[4]
10/09/2021 16:12 UNINTER - FERRAMENTAS DE DESENVOLVIMENTO WEB
https://conteudosdigitais.uninter.com/libraries/newrota/?c=/gradNova/2021/analiseDesenvSistemas/ferramentasDesenvWeb/a1 26/26

Outros materiais