Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 1

TEORIA DA DECISÃO JURISDICIONAL E RECURSOS NO PROCESSO 
CIVIL – ARA 1224 
 
 
1. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO (artigos 1022 a 1026, NCPC) 
Conceito: é o instrumento por meio do qual uma das partes pode pedir 
esclarecimentos sobre a decisão proferida. 
Cabimento: por meio dele é possível sanar dúvidas causadas por contradições 
ou obscuridades, pode-se suprir omissões ou apontar erros materiais (artigo 1022, 
NCPC). Portanto, os embargos de declaração garantem às partes meios de pleitear que 
o princípio da devida fundamentação das decisões seja seguido, requerendo: 
esclarecimentos de obscuridade; eliminação de contradição; preenchimento de omissão; 
correção de erro material. 
Obscuridade: uma decisão obscura é uma decisão sem clareza, ininteligível. 
Contradição: toda decisão deve ser coerente (bem fundamentada), os 
argumentos do juízo não podem ser incongruentes. 
 Limite da contradição: o artigo 1022, NCPC, dispõe hipóteses de 
embargos de declaração para eliminar contradição interna (entre elementos da mesma 
decisão). Não se considera as contradições externas (existentes entre a decisão e outros 
documentos ou peças dos autos). 
Omissão: de acordo com o 1022, § único, NCPC, incorre omissão a decisão que: 
a) Não se manifeste sobre o entendimento firmado em julgamento de 
casos repetitivos ou em incidente de assunção de competência 
aplicável ao caso (necessidade de uniformização da jurisprudência 
prevista no artigo 926, NCPC). 
b) Ou se trate de uma das condutas do artigo 489, §1°, NCPC. 
Erro material: erros causados por equívoco ou inexatidão, referentes a aspectos 
objetivos, como material ou cálculo. Não envolvem, portanto, defeitos de juízo. 
 “A alteração da decisão para corrigir erros de cálculo ou inexatidões 
materiais não implica a possibilidade de o juiz proferir nova decisão ou proceder 
a um rejulgamento da causa. O que se permite é que o juiz possa corrigir 
evidentes e inequívocos enganos involuntários ou inconscientes, retratados em 
discrepâncias entre o que se quis afirmar e o que restou consignado no texto da 
decisão.” (Fredie Didier – Curso de Direito Processual Civil, 2016, página 249) 
 
 Os embargos de declaração são uma das hipóteses em que o magistrado pode 
alterar a sentença após a sua publicação (art. 494, II, NCPC). 
 Prazo: 5 dias (artigo 1023, NCPC). 
 Efeito: o artigo 1026 dispõe que os embargos de declaração não possuem efeitos 
suspensivo, porem o §1° do mesmo artigo assevera que o efeito suspensivo pode ser 
concedido pelo juiz ou relator, desde que preenchidos os requisitos de existência de dano 
grave ou de difícil reparação. Os §§2° e 4° do mesmo artigo preveem também punição 
àqueles que apresentaram embargos apenas para fim de protelação. 
 Efeitos infringentes: referem-se à capacidade modificativa do resultado (dos 
efeitos da sentença). De maneira geral os embargos de declaração não visam modificar 
os efeitos da decisão, mas sanar alguns de seus vícios. Porém, há casos em que a 
alteração de algum vício da decisão acarreta modificações de suas conclusões (artigo 
1024, §4°, NCPC).