Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Como avaliar criticamente artigos científicos

Pré-visualização | Página 1 de 5

https://www.passeidireto.com/perfil/maxilostudy
COMO AVALIAR CRITICAMENTE ARTIGOS CIENTÍFICOS
Tradução do artigo: 
Young, J.M.; Solomon, M.J. How to critically appraise an article. Nature Clinical Practice Gastroenterology & Hepatology. v.6, n. 2, p. 82-91, 2009.
Resumo: Avaliação crítica é um processo sistemático usado para identificar os pontos fortes e fracos de um artigo de pesquisa, a fim de avaliar a utilidade e validade dos resultados da pesquisa. Os componentes mais importantes de uma avaliação crítica são uma avaliação da adequação do desenho do estudo para a questão de pesquisa e uma avaliação cuidadosa das principais características metodológicas. Outros fatores que também devem ser considerados incluem a adequação dos métodos estatísticos utilizados e sua interpretação subsequente, potenciais conflitos de interesse e a relevância da pesquisa para a própria prática. Esta revisão apresenta um guia de 10 etapas para avaliação crítica que visa auxiliar os clínicos a identificar os estudos de alta qualidade mais relevantes disponíveis para orientar sua prática clínica. 
Palavras-chave: viés, conflito de interesses, avaliação crítica, desenho do estudo.
Introdução
	Para praticar a medicina baseada em evidências, os clínicos precisam aplicar os achados da pesquisa científica às circunstâncias de pacientes individuais como parte de seu processo de tomada de decisão clínica. Os clínicos, portanto, devem ser capazes de selecionar e avaliar a literatura científica que seja relevante para seu campo, compreender as implicações dos resultados da pesquisa para pacientes de formas individuais, elicitar as preferências dos pacientes e desenvolver um plano de manejo apropriado com base na combinação dessas informações. Cada uma dessas tarefas apresenta seus próprios desafios, mas o grande volume da literatura médica significa que o primeiro passo (o de selecionar e avaliar as evidências científicas) pode ser assustador. O número de novos artigos de pesquisa médica publicados a cada ano aumenta continuamente, e mais de 12.000 novos artigos, incluindo artigos sobre mais de 300 ensaios clínicos randomizados (ECRs), são adicionados ao banco de dados MEDLINE a cada semana. Uma maneira prática que os clínicos podem gerenciar essa 'sobrecarga de informação' é desenvolver habilidades eficientes em avaliação crítica, o que lhes permite enfocar apenas os estudos da mais alta qualidade que guiarão sua prática clínica e generalizar informações, quando necessário, a partir de estudos de desenho menos rigoroso, se estudos de alta qualidade não estiverem disponíveis.
	A avaliação crítica foi definida como a aplicação de regras de evidência a um estudo para avaliar a validade dos dados, a abrangência dos relatórios, métodos e procedimentos, conclusões, conformidade com padrões éticos, etc. As regras de evidência variam de acordo com as circunstâncias. Embora os critérios metodológicos pelos quais a validade de um estudo é avaliada variem de acordo com o seu desenho, alguns princípios gerais sustentam a avaliação de qualquer estudo de pesquisa. Várias diretrizes e ferramentas de avaliação foram desenvolvidas para fornecer uma abordagem estruturada ao processo de avaliação crítica para clínicos.
	Apesar da multiplicidade de documentos disponíveis para orientar o processo, não existe um instrumento "padrão-ouro" para avaliação crítica. Os critérios utilizados para avaliar a validade e relevância da literatura científica não são estáticos; eles devem evoluir com melhorias na compreensão das importantes fontes de parcialidade inerentes aos diferentes desenhos de estudo e maior conscientização da influência potencial de outros fatores não-metodológicos, como conflitos de interesse. Uma abordagem estruturada para avaliação crítica poderia melhorar a qualidade desse processo, e listas de verificação simples podem ser úteis para filtrar pesquisas que são de baixa qualidade ou de pouca relevância. Essa revisão apresenta um guia para o processo de avaliação crítica.
SELEÇÃO E AVALIAÇÃO CRÍTICA DA LITERATURA DE PESQUISA
	Dez perguntas-chave (Quadro 1) podem ser usadas para avaliar a validade e relevância de um artigo de pesquisa. Essas perguntas podem ajudar os clínicos a identificar os estudos mais relevantes e de alta qualidade que estão disponíveis para orientar sua prática clínica.
QUADRO 1:
	Dez perguntas a serem feitas ao avaliar criticamente um artigo de pesquisa:
	1. A questão do estudo é relevante?
	2. O estudo adiciona algo novo?
	3. Que tipo de pergunta de pesquisa está sendo feita?
	4. O desenho do estudo foi apropriado para a questão de pesquisa?
	5. Os métodos do estudo abordaram as principais fontes potenciais de viés?
	6. O estudo foi realizado de acordo com o protocolo original?
	7. O estudo testa uma hipótese declarada?
	8. As análises estatísticas foram realizadas corretamente?
	9. Os dados justificam as conclusões?
	10. Existem conflitos de interesse?
A pergunta de pesquisa do estudo é relevante?
	Mesmo que um estudo tenha o mais alto rigor metodológico, é de pouco valor, a menos que aborde um tópico importante e acrescente ao que já se sabe sobre esse assunto. A avaliação se a questão da pesquisa é relevante é inevitavelmente baseada na opinião subjetiva, pois o que pode ser crucial para alguns será irrelevante para os outros. No entanto, a primeira pergunta a ser feita a qualquer artigo de pesquisa é se o tópico é relevante para o campo de trabalho da pessoa.
O estudo adiciona algo novo?
	O esforço de pesquisa científica é muitas vezes comparado a "ficar de pé sobre os ombros dos gigantes", porque novas idéias e conhecimentos são desenvolvidos com base em trabalhos anteriores. Trabalhos de pesquisa seminais que fazem uma nova contribuição substantiva para o conhecimento são uma raridade relativa, mas pesquisas que fazem um avanço incremental também podem ser valiosas. Por exemplo, um estudo pode aumentar a confiança na validade de pesquisas anteriores, replicando seus achados, ou pode aumentar a capacidade de generalizar um estudo, estendendo os resultados da pesquisa original para uma nova população de pacientes ou contexto clínico.
Que tipo de pergunta de pesquisa o estudo representa?
	A tarefa mais fundamental da avaliação crítica é identificar a questão de pesquisa específica que um artigo aborda, pois, esse processo determinará o desenho ideal do estudo e terá uma importância maior na importância e relevância dos resultados. Uma questão de pesquisa bem desenvolvida geralmente identifica três componentes: o grupo ou a população de pacientes, o parâmetro estudado (por exemplo, uma terapia ou intervenção clínica) e os desfechos de interesse. 
Em geral, as questões de pesquisa clínica se enquadram em duas categorias distintas, abaixo.
Perguntas sobre a eficácia do tratamento
	Esses tipos de perguntas se referem a se um tratamento é melhor que outro em termos de eficácia clínica (benefício e dano) ou custo-efetividade.
Perguntas sobre a frequência de eventos
	Tais questões referem-se à incidência ou prevalência de doença ou outros fenômenos clínicos, fatores de risco, diagnóstico, prognóstico ou predição de desfechos clínicos específicos e investigações sobre a qualidade da atenção à saúde.
O desenho do estudo foi apropriado para a questão de pesquisa?
	Estudos que respondem a questões sobre eficácia têm uma hierarquia bem estabelecida de desenhos de estudo baseada no grau em que o design protege contra o viés. Meta-análises de ECR bem conduzidos e ECRs individuais fornecem as evidências mais robustas seguidas por ensaios controlados não randomizados, estudos de coorte, estudos de caso-controle e outros desenhos de estudos observacionais. No entanto, em algumas circunstâncias, os ECRs não são viáveis ou considerados eticamente inadequados. Essas questões são mais comuns em ensaios não-farmacêuticos, como os de procedimentos cirúrgicos. Uma revisão da pesquisa cirúrgica gastrointestinal descobriu que apenas 40% das questões de pesquisa poderiam ter sido respondidas por um ECR, mesmo
Página12345