Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Aula UTI- Controle Hídrico

Pré-visualização | Página 1 de 2

controle hídrico em UTI
Prof. Me. Államy Danilo Moura
introdução
Há mecanismos de adaptação que regulam O equilíbrio hídrico , o qual depende da ingestão e eliminação de água, de sua distribuição no organismo e da regulação das funções renais e pulmonares
Em condições homeostáticas, a totalidade de líquidos corporais e a concentração dos eletrólitos e minerais permanecem relativamente constantes. 
Contudo, continuamente, há uma troca de líquidos e solutos com o ambiente externo e entre os diferentes compartimentos do corpo. 
Assim, a ingestão de líquidos é equilibrada pela eliminação dos mesmos, evitando o aumento ou diminuição da quantidade de líquido no organismo. 
Metabolismo hidroeletrolítico
A água e os eletrólitos se encontram divididos nos compartimentos intra e extracelular
Cerca de 25 litros do líquido corporal estão no meio intracelular
15 litros no meio extracelular
O corpo de um adulto de 70 kg tem em média 40 litros de líquido
O líquido extracelular pode ser dividido em líquido intersticial, plasma, cefalorraquidiano, intraocular, gastrintestinal. 
O líquido intracelular corresponde a água no interior das células composto eletrólitos e proteínas
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
Avaliar o paciente e observar os sinais sugestivos de distúrbios hídricos, 
Conhecer as condições clínicas do paciente, os fatores de regulação dos líquidos, os desequilíbrios eletroliíticos, os distúrbios de volume e as possíveis complicações
Atentar aos resultados do balanço hídrico, a fim de descobrir possíveis alterações, facilitando a antecipação dos cuidados de enfermagem que possam ser necessários. 
Identificação precoce de estressores permanece como função importante do enfermeiro. 
*manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico
 
Mensuração e registro corretos dos valores, 
Pesagem diária do paciente; 
Reposição hídrica por via oral, oferecendo líquidos ou restringindo-os, 
Realização de exame físico, buscando sinais de edema ou de desidratação; 
Avaliação do aspecto da urina (cor, odor, quantidade); 
Reposição parenteral de líquidos; 
Estimativa de perdas insensíveis e a influência da temperatura corporal 
 intervenções de enfermagem 
Consiste no controle de todos líquidos administrados por via oral e parenteral no paciente e os líquidos eliminados através das vias urinárias, trato gastrointestinal, drenos, sondas, fistulas durante 24 horas. 
Indicação: nefropatias, hipovolemia, hipervolemia, pacientes críticos, pós-operatório de cirurgias de médio e grande porte.
Controle hídrico
avaliação do equilíbrio hídrico do paciente, proporcionada pelos resultados do balanço hídrico, podendo apreciar os eletrólitos, função renal e cardíaca, bem como ocorrência de complicações, como hipovolemia e hipervolemia
A diferença ganho ou perda pode resultar em balanço positivo onde há retenção de líquido ou negativo onde há perda de líquidos.
Ganhos
- dietas por sondas e ostomias
- ingestão; água, sucos, chás, sopas
- medicamentos; soros, medicação 
diluídas em bureta, em bolus,
sangue, npp e outros.
Perdas
- vesico intestinais; diurese,
fezes líquidas e semi líquidas
- vômitos
- drenagens
- secreções
- sudorese
indicações
Pacientes em uso de nutrição parenteral e enteral.
Pacientes grave de UTI.
Pacientes de pós-operatório de grandes cirurgias, principalmente dos sistemas geniturinário, digestivo e respiratório.
Pacientes portadores de enfermidades cardíacas, edemas, drenos, ascite, entre outras.
Pacientes com restrição hídrica.
Pacientes com queimaduras de grande extensão
indicações
IAM, HAS descompensa da Insuf. Renal Aguda e Crônica (IRA, IRC)Cirrose e ou Hepatopatias descompensadas
DM descompensada
Uso de FARMACOS que desenvolvem IR
Hemodinâmica
Distúrbio eletrolitico (hipocalemia, hiponatremia, acidose ealcalose metabólica
Uso de medicamentos eliminados pelo RIM (por ex: KCL)
balanço hídrico
Para facilitar a mensuração nas 24 horas dos líquidos introduzidos e eliminados existe um formulário  que é anexado ao prontuário do paciente que chamamos de folha de balanço hídrico.
Exemplo 1
o cliente recebeu 1.000 ml entre
dieta e medicações e eliminou
500 ml entre diurese e
drenagens.
1.000 ml - 500 ml =500 ml 
r: o balanço hídrico das 24
horas é positivo pois o
cliente teve mais ganho do
que perdas.
Exemplo 2
o cliente recebeu 1.900 entre dieta
e medicações e eliminou 2.150
entre diurese e drenagens.
1.900-2.150 = - 250
r: o balanço hídrico das 24 horas
e negativo pois o cliente teve mais
perda do que ganho
- É dever do técnico e auxiliar de enfermagem anotar todas as medicações, infundidas, dietas oferecidas, eliminações e drenagens durante o turno de trabalho.
- É dever do enfermeiro realizar a somatória e calcular a variação entre ganhos e perdas. Inclui dado na evolução dos clientes sob sua responsabilidade, contribuindo assim com o processo de análise e conclusão sobre o estado de saúde.
 
Normas
Os fluidos que não puderem ser medidos (vômitos, diarréia) devem ser avaliados e registrados através de símbolos padronizados na unidade ( Exemplo:+ pequena, ++ moderada, +++grande); 
IMPORTANTE
O fechamento do controle hídrico pode ser parcial ao final de cada plantão de 12 horas ou de 6horas, conforme rotina da unidade e gravidade dos pacientes. O calculo dos controles parciais fornece o balanço nas 24 horas; 
Após o fechamento do balanço, deve-se transferir os líquidos programados para o próximo impresso, registrando na coluna dos líquidos planejados; 
importante
Em casos de pacientes em tratamento dialítico, a ultra filtragem deverá ser mensurada como perda
19
Sepse é a causa de mais de 50% dos casos de IRA em UTI no mundo, seguida por grandes cirurgias e baixo débito cardíaco.
Em todas estas situações, a expansão volêmica é o elemento fundamental de prevenção e do manejo terapêutico, pois contribui para a restauração da perfusão periférica e atenua a nefrotoxicidade de drogas. 
Bh+
Bh+
aumento da pressão intersticial renal em pacientes com BH+ acumulado causa hipoperfusão arterial e queda da filtração glomerular. 
Além disso, o aumento da pressão intra-abdominal (PIA), da pressão venosa central (PVC) e da pressão venosa renal (PVR), em condições de sobrecarga hídrica, contribui substancialmente para a queda da filtração glomerular, 
Bh+
injúria renal aguda (IRA), BH+ e mortalidade
O BH+ pode estar associado a maior mortalidade por diversas vias fisiopatológicas: por causar edema visceral e periférico, dificultando o funcionamento orgânico;
por diluição de antibióticos hidrofílicos, reduzindo a eficácia dos mesmos, ou até por hemodiluição da creatinina sérica, retardando o diagnóstico de injúria renal aguda (IRA).
Entretanto, o BH+ é mais frequentemente encontrado em pacientes de maior gravidade clínica e em pacientes com IRA,
ambas as situações já independentemente associadas a maior mortalidade.
Significa LIMITAÇÃO na quantidade de líquidos que o individuo pode receber em 24Horas.
O volume é prescrito pelo médico e varia de acordo com as condições clínicas do paciente 
Deve-se orientar de forma clara e precisa o paciente em relação a este cuidado e fornecer um copo graduado, papel e caneta para que seja feito o CONTROLE, caso isto seja possível.
 
Restrição hídrica
Este controle consiste em guardar o VOLUME de urina de 24 horas, para ser medido ou encaminhado ao laboratório.
Orientar o paciente sobre o procedimento e para o esvaziamento de Bexiga.
Pesar e medir o paciente.
Anotar o horário e começar a coleta de 24 horas
Fornecer os frascos necessários para coleta
Antes do fechamento deste controle, solicitar ao paciente esvaziamento da bexiga.
Paciente com controle da DIURESE deve ter o volume horário calculado através da seguinte
Página12