A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Introdução ao membro Inferior

Pré-visualização | Página 1 de 1

O ilio, o isquio e o Pubis formam a articulação denominada quadril, que se fundem com o 
acetábulo e articulam-se com o fêmur. O quadril tem como principal função dar sustento para 
cabeça, membros superiores e tronco, quando em posição ortostática. Essa estrutura é 
classificada como diartrose, que irá permitir movimentos triplanares. 
• No plano sagital, realiza a flexoextensão ao redor do eixo transversal. 
• Frontal, realiza a abdução e adução ao redor do eixo anteroposterior 
• Transverso, realiza a rotação interna e externa ao redor do eixo vertical. 
Como já dito acima o quadril é a uma das articulações mais estáveis do corpo humano, por ter 
uma configuração óssea, capsula articular resistente, ligamentos (iliofemoral, isquio femoral e 
pubofemoral), e também apresenta músculos fortes. 
 
A articulação femoroacetabular nunca deixa de ser submetida a carga durante as atividades de 
vida diária. 
 
 
Além das articulações, ainda podemos encontrar os músculos que irão agir no quadril. 
 
@Katlyn_viana 
@Katlyn_viana 
Ação do quadril Musculos principais 
 
 
Musculos assistentes 
 
 
 
Flexores Psoas 
Ilíaco 
Pectíneo 
Reto femoral 
Sartorio 
Tensor da fáscia lata 
Grácil 
Adutor longo 
Adutor curto 
Extensores Glúteo máximo 
Semitendineo 
Semimembranaceo 
Bíceps femoral (cabeça 
longa) 
Glúteo médio (fibras 
posteriores) 
Adutor magno (porção 
isquiocondilar) 
Adutores Adutor Magno 
Adutor longo 
Adutor curto 
Grácil 
Pectíneo 
 
Abdutores Glúteo médio Glúteo Mínimo 
Tensor da fáscia Lata 
Sartorio 
Reto femoral 
Piriforme 90 graus de flexão 
de quadril) 
Rotadores internos Tensor da fáscia lata 
Glúteo mínimo 
Semitendíneo 
Semimembranáceo 
Grácil 
Piriforme (90 graus de 
flexão de quadril) 
Rotadores externos Glúteo máximo 
Gêmeo inferior 
Gêmeo Superior 
Obturador interno 
Obturador externo 
Quadrado femoral 
Piriforme (60graus de flexão 
de quadril) 
Adutor longo 
Adutor curto 
Bíceps femoral (cabeça 
longa) 
Sartorio 
Pectíneo 
Glúteo médio (fibras 
posteriores) 
 
 
O joelho é composto por três superfícies articulares: Fêmur, tíbia e patela, formando as 
principais articulações: femoropatelar e femorotibial, que apresentam dois graus de liberdade: 
a flexo-extensão e as rotações medial e lateral. A estabilidade do joelho é causada por dois 
fators: Dinâmicos e estatiscos. O complexo articular do joelho é do tipo gínglimo ou articulação 
em dobradiça (femortibial) e plana (femoropatelar), tendo como função o suporte de cargas e 
grandes amplitudes de movimento. 
A estabilidade por fator estático do joelho depende da integridade das suas estruturas: capsula 
articular e dos componentes intra e extra-articular. 
Enquanto o fator dinâmico tem como causa a ação de grupos musculares e tendões. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Principais componentes do joelho. 
 
 
Função dos músculos: 
Função Músculos 
Flexores Bíceps femoral 
Semimebranaceo 
Semitendineo 
Grácil 
Sartorio 
Poplíteo 
Gastrocnêmico 
Tensor da fáscia lata 
Extensores Reto femoral 
Vasto medial 
Vasto intermédio 
Vasto lateral 
Tensor da fáscia lata 
Rotadores internos Popliteo 
Semimembranaceo 
Semitendineo 
Sartorio 
Grácil 
Rotadores externos Bíceps femoral 
 
Os mecanorreceptores, também chamados de próprias receptores, são neurônios sensitivos ou 
aferentes periféricos, localizados nos tecidos intra e Extra articular, cuja função é enviar 
informações articulares ao sistema nervoso central para processamento influenciando as 
respostas reflexas, o controle motor voluntário, consequentemente criando um campo de 
proteção e estabilização articular. Esses mecanorreceptores são divididos em tipo 1 ou ruffini, 
tipo 2 ou pacini, tipo 3 ou corpúsculo de golgi e tipo 4 ou terminações nervosas livres. 
 
De todas as articulações do corpo humano, articulação do joelho é a maior e é a que mais sofre 
lesões, devido ao suporte de carga, há pouca estabilidade, em razão da sua formação 
anatômica, contorno arredondado dos côndilos femorais e pelo platô tibial achatado, que não 
confere congruência como a do quadril. O desligamento do complexo articular dos membros 
inferiores pode levar ao estresse em varismo e valgismo, o que causa sobrecarga excessiva 
nas articulações que resulta nos desgastes dos tecidos moles e das estruturas articulares e, 
consequentemente, não dissipa a carga sobre o joelho o que pode desenvolver patologias 
degenerativas. 
 
 
 
 
@Katlyn_viana 
 
 
 
 
 
 
 
O complexo tornozelo pé, é constituído pelos ossos fíbula e tíbia em sua porção distal, e os 28 
ossos do pé. 
Articulação superior do tornozelo denominada de talocrural ou tibiotársica, é composta pelas 
extremidades distais da tíbia e da fíbula que se articulam com a face superior do talus. 
Essa articulação possui um grau de liberdade e realiza os movimentos de flexão dorsal e flexão 
plantar. Articulação inferior do tornozelo ou subtalar, compreende a face inferior do talus com 
a face superior do calcâneo e realiza movimentos triplanares, denominados de pronação e 
supinação. Durante atividades com sustentação de peso, a pronação corresponde a combinação 
de eversão do calcâneo, adução e flexão plantar do talus e rotação interna da tíbia. Já na 
supinação se dá pela combinação de inversão da calcânea abdução e flexão dorsal do talus e 
rotação externa da tíbia. 
Quando a sustentação do peso é retirada, ou seja, quando um membro inferior estiver em 
cadeia cinética aberta a pronação e vou ver a combinação dos movimentos de eversão do 
calcâneo, flexão dorsal e abdução do tálus e a supinação englobará a inversão da calcânea 
flexão plantar e adução do tálus. 
 
 
REFERENCIA: Livro SANAR SAUDE COLEÇÃO MANUAIS: Ortopedia e traumatologia 
@Katlyn_viana

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.