A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
CUMPRIMENTO DE SENTENÇA | Processo Civil

Pré-visualização|Página 1 de 19

Aulas 14, 15
Execução forçada (gêner o): é qualquer medida realizada pelo Estado
com o intuito de impor o cumprimento coativo de determinada
obrigação. Quando fundada em título judicial é chamada de
cumprimento de senten ça; ao passo que a execução forçada fundada
emtulo extrajudicial é chamada de processo de execução.
Espécie de senten ça
Efeito
Execução
Meram ente declarató ria
RG: imprescritível
Declara a
existência,
inexistência ou
modo de ser de
uma relaçã o jurídica
(crise de certeza).
RG: efeitos ex tunc ,
salvo nos casos de
modulação de
efeitos.
Em regra, possui
carga completa de
eficácia, não sendo
necessária a
execução forçada.
Constitu tiva /desconsti tutiva
RG: decadência
Cria, modifica ou
extingue uma
relação jurídica
(crise d e situação
jurídica).
RG: efeitos ex nunc.
Possui carga
completa de
eficácia, não sendo
necessária a
execução forçada.
Condenat ória
RG: prescrição
Reconhece e impõe
o cumprimento de
uma obrigação.
RG: efeitos ex tunc.
SIM.
- A execução é a sançã o estatal pelo não cumprimento da prestação
reconhecida em sentença condenatória. Poderá ser realizada por meio
de mecanismos sub-rogatórios ou indutivos/coercitivos:

Aulas 14, 15
Mecanismos sub-rogat órios (técnica de execução direta): são
mecanismos de substituão da vontade do devedor ( ex: entrega de
determinado bem ao c redor; leilão, etc.)
Mecanismos indutivos/coercitivos (técnica de e xecução indireta):
atuam sobre a vontade ou resistência d o devedor (ex: multa diária; prio
do devedor alimentar).
- O cumprimento de sentença condenatória pode ser realizado por
meio de:
I) Nova rela ção judica: processo autônomo;
II) Sem nova relação jurídica (regra geral): no mesmo processo, na
ideia de p rocesso sincrético e execução sin intervalo, por módulo
processual de execução.
a) Obri gação de fazer e o fazer (execução por transforma ção): arts.
536/537
b) Obrigação de dar/entregar (execuçã o por desapossamento ): art. 538
c) Obrigação de pagar (execução p or expropriação) : arts. 523-527
segundo art. 139, IV, o modelo brasileiro é o da atipicidade das
medidas executivas, de modo que cabe ao juiz eleger a m edida mais
adequada para compelir o cumprimento da obrigação.
Regra geral (sem a utonomia): o cumprimento de sent ença se
sem autonomia. É o que vale para o caso dos títulos executivos
previstos no art. 515, incisos I a V, de modo que o cumprimento da
sentença ocorrerá nos mesmos autos.
Exceções ( com a utonomia): sentença par aestatal/parajudicial que
reconheça obrigação, previsto nos incisos VI a IX do art. 515. Nesses
casos, o cumprimento de sentença se da com autonomia.

Aulas 14, 15
Sentença que recon hece obriga ção alimentar (depende ):
I) Alimentos vencidos no curso do processo que reconheceu a
obrigação: o cumprimento de sentença será realizado nos mesmos
autos.
II) Alimentos vincendos: o cumprimento de sentença será autônomo ou
não a depender do d omicílio atual do ali mentando. Se o domicílio não
for no juízo da condenação, o cumprimento será realizado de forma
autônoma.
Para a doutrina majoritária, o rol do art. 515 é t axativo. Contudo, o art.
701, §2º também traz a possibilidade de conversão da d ecisão inaugural
do processo monitór io em título executivo judicial, se não forem
apresentados embargos à ação monitória.
O título executivo judicial não pode ser criado por meio de necio
jurídico process ual, por suprimir o direito de defesa de uma das partes.
- Abrange decisões interlocutórias (ex: decisão parcial de mérito; tutelas
provisórias) e acór dãos.
- O pronunciamento que extingue o processo sem anál ise de mérito ou
que julga o pedido i mprocedente tem força de título executivo judicial
no que tange aos honorários a dvocatícios sucumben ciais .
- Em regra, o pronunciamento que reconhece a existência d a obrigação
de fazer, não fazer ou pagar quantia é c ondenatório. Contudo, a
sentença de claratória será considerada título executivo judicial se
individualizar todos os elementos d a relação jurídico -obrigacional,
identificando o credor e devedor, objeto da obrigação, quantia devida,
etc.