Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Pressupostos Recursais

Pré-visualização | Página 1 de 1

PRESSUPOSTOS RECURSAIS 
 
• DUPLO JUIZO DE ADMISSIBILIDADE: 
O objetivo da realização do duplo juízo de admissibilidade é a 
verificação dos pressupostos recursais ou também chamados, requisitos 
de admissibilidade recursal, sendo que o recurso somente será 
conhecido se preenchido todos requisitos exigidos pelo ordenamento 
jurídico vigente 
 1º Juízo de Admissibilidade (juízo a quo): realizado pela 
autoridade que proferiu a decisão recorrida. 
 
 2º Juízo de Admissibilidade (juízo ad quem): realizado pelo órgão 
que julgará o recurso. 
 
• Pressupostos Objetivos (Extrínsecos): 
 
a) Recorribilidade do ato: No direito processual laboral são 
irrecorríveis “as sentenças proferidas nas causas de alçada (Lei n. 
5.584/1970, art. 2º, § 4º), os despachos de mero expediente (CPC, art. 
504) e as decisões interlocutórias (CLT, art. 893, § 1º, e Súmula n. 214 
do TST)” (LEITE, 2012, p. 756). 
b) Adequação: Além da recorribilidade do ato impugando, o recurso 
interposto deve ser adequado à decisão confrontada, tendo em vista que 
cada espécie de decisão desafia uma espécie de recurso legalmente 
previsto.. 
c) Tempestividade: Deve ser observado o prazo legal para interposição 
do recurso – Regra: 8 dias. 
d) Preparo: Recolhimento das custas (O percentu 
e custas na Justiça Trabalhista é de 2% sobre o valor arbitrado 
provisoriamente à sentença (artigo 789 da CLT - observado o mínimo de 
R$ 10,64 (dez reais e sessenta e quatro centavos) e o máximo de quatro 
vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência 
Social)) e depósito recursal (limitado ao teto de R$ 10.059,15) , sob 
pena de deserção. 
Art. 98. A pessoa natural ou jurídica, brasileira ou estrangeira, com 
insuficiência de recursos para pagar as custas, as despesas processuais 
e os honorários advocatícios tem direito à gratuidade da justiça, na 
forma da lei 
e) Regularidade de representação: O recurso deve estar devidamente 
subscrito pelo advogado constituído nos autos pelo Recorrente ou na 
hipótese de jus postulandi deve ser subscrito pela própria parte. 
Obs: Não se admite o jus postulandi em recurso para o TST, devendo a 
parte constituir advogado para que a interposição obedeça tal 
pressuposto. 
 
• Pressupostos subjetivos (Intrínsecos): 
 
a) Legitimidade: A legitimidade recursal é a habilitação legal dada a 
determinada pessoa, natural ou jurídica, para recorrer de certa decisão 
judicial, como regra, é conferida às partes que atuaram no processo, ao 
Ministério Público, enquanto parte ou custus legis, e a terceiros 
prejudicados pela decisão recorrida. 
1) o sucessor ou herdeiro (CLT, arts. 10 e 448); 
2) a empresa condenada solidária ou subsidiariamente (CLT, art. 2º, § 
2º; TST, súmula n. 331, IV) 
3) o subempreiteiro, o empreiteiro principal ou o dono da obra (CLT, art. 
455); 
4) os sócios de fato nas sociedade não juridicamente constituídas, além 
das pessoas físicas e jurídicas, por força de normas de direito civil, que 
se vinculem à parte que figurou na demanda (CCB, art. 265); 
5) os litisconsortes e assistentes (simples ou litisconsorciais); 
6) o substituto processual. 
 
b) Capacidade para estar em juízo; 
Além de ter legitimidade, o recorrente deve ser plenamente 
capaz, nos termos dos arts. 3º, 4º e 5º do Código Civil, no momento de 
interposição do recurso. 
 
c) Interesse: 
Existencia de utilidade e necessidade na interposição do 
recurso. 
 A necessidade relaciona-se à imprescindibilidade do recurso 
para o sucesso da pretensão do recorrente, indeferida pela sentença 
impugnada. A utilidade refere-se à permanência do gravame imposto ao 
recorrente pela decisão atacada, ou seja, que o objeto da ação não 
tenha se perdido, por exemplo, pela satisfação espontânea por parte do 
recorrido. 
 
 Efeito devolutivo dos recursos: Consoante dispõe o 
artigo 899 da CLT os recursos trabalhistas terão, em regra, somente 
efeito devolutivo, razão pela qual pode-se proceder a execução 
provisória da decisão. 
 
Uniformidade de prazo para recurso: A lei 5.584/70 em seu 
artigo 6º fixa o prazo de oito dias para interposição de qualquer recurso 
trabalhista, bem como estabelece igual prazo para apresentação das 
contrarrazões.