A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
PROCEDIMENTOS ESPECIAIS | Processo Civil

Pré-visualização|Página 1 de 12

Aulas 16, 17
Procedimentos especiais & negócio jurídico
processual
O processo , enquanto entidade compl exa, abrange a relação jurídica
processual e o pro cedimento .
- Relação jurídica processua l é o conjunto de direitos, deveres, obrig ações e ônus
que ligam os atores processua is entre si.
- Proc edimento é a fo rma como os atos processuais se combinam no tempo e
espaço.
Enquanto à Uniã o comp ete legislar sobre proc esso , competência
concorrente com Estad os e DF para legislar s obre pro cedimento .
1. Modelos procedimentais cognitivos no CPC/15
a) Comum: arts. 318 e seguintes;
b) Especiais: livro I da parte especial e legislação extravagante.
Princípio da adequação : ordem dirigida ao legislador para criar
procedimentos especiais conforme a necessidade do caso concreto,
com vistas a tutelar adequadamente os novos direitos materiais.
- A teoria da flexibilização do procedime nto é utilizada nos casos de
déficit procedimental:
I) Flex ibilização legal ( mitigada 3 hipóteses): a lei autoriza, e o juiz
flexibiliza.
Ex: art. 139, IV ampliaçã o de prazos e inversão da ordem de produção de
provas; art. 327, §2º - h armonização de procedimentos comum e especial.
II) Flexibilizaç ão j udicial : decorre do princípio do devido processo legal,
de modo que o juiz flexibiliza para adaptá-lo às especificidades da
causa, observadas as garantias fundamentais do processo (princípio da
adaptação).
III) Flexibilização voluntária (mitigação do hip erpublicismo): as partes
flexibilizam por meio de negócio jurídico processual (art. 190).

Aulas 16, 17
2. Negocio juridico processual
É qualquer m anifestação da vontad e das parte s , antes ou no curso do
processo, tendente a criar, modificar, resguardar ou e xtinguir dire itos
processuais.
1) Quanto à pre vio legal espe fica:
a) Típicos : possuem previsão legal específica.
- Bi laterais : dependem da vontade de ambas as partes (ex: foro de
eleição; suspensão do process o; convenção sobre ônus da prova);
- U nilaterais : necessitam da vontade de apena s uma das par tes (ex:
desisncia do recurso; reconhecimento jurídico do pedido; renúncia ao
recurso);
- Plurilaterais : dependem da vontade das partes e de terceiro (ex:
sucessão do alienante pelo adquirente; calendarização).
b) Atípicos: cláusula geral de negócio j udico pr ocessual (art. 190) . São
sempre bilaterais (convenções).
Ex: convenção de renúncia à denunc iação à lide; convenção de renún cia à
realização de perícia.
2) Quanto ao momento:
a) Pré -processual : celebrado ant eriormente ao início do processo (ex:
foro de eleição; rateio de cus tas processuais );
b) Processual : celebrado no curso do processo.
3) Quanto ao c onteúdo:
a) Convenções sobre procedim ento;
b) Convenções sobre situação jurídica (ônus, podere s, fac uldades e
deveres process uais).

Aulas 16, 17
1) Condições gera is: se apl icam aos negócios jurídicos materiais e
processuais.
a) Capacidade genéri ca da s partes : diz respeito à titularidade do direito
processual a ser negociado, não se confundindo com capacidade civil.
Não é possível realizar NJP para atingir poderes decisórios j udiciais, por
exemplo.
b) Objeto lícito : as par tes possuem autonomia para a realização de NJP
em relação às regras de procedimento e da relação jurídica processual,
sendo necessária a observância do c onteúdo mínimo do processo
constitucional (ex: contraditório; juiz natural; fundamentação).
são nulas as conve nções que autorizem o us o de prova ilícita; l imitem a
publicidade do processo; modifiquem competência abs oluta; disp ensem o dever
de motivação.
c) For ma escrita ou reduzida a term o: de acordo com en tendimento
majoritário, o NJP pr é-processual deve ser realizado por escrito, sendo
possível a realização de NPJ oral quando reduzido a termo.
d) Preserva ção da autonomia da vontade: não se considera válida a
realização de NJP com nulidade, inserção abusiva em contrato de
adesão, ou em caso de vulnerabilidade da parte (art. 190, p.u).
2) Condições específicas:
a) Partes pl enamente capazes: não é possível a real ização de NJP por
parte absoluta ou rel ativamente incapaz, ainda que represent ado ou
assistido.
b) Direitos que ad mitam autocompo sição;
c) Sem homologação do juiz (art . 200): as manifestações de vontade
das par tes geram efeitos independentemente de homologação judicial,
salvo no caso de desistência da ação ou norma que possua previsão em
sentido contrário.
apesar de não depender de homologação judicial, sobre o NJP deve
ser realizado o controle de validad e da conven ção.