Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
BT_00359 Análise dos requisitos de classificação de argamassas de assentamento e revestimento

Pré-visualização | Página 1 de 6

Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP 
Departamento de Engenharia de Construção Civil 
 
 
 
ISSN 0103-9830 
BT/PCC/359 
Elza Hissae Nakakura 
Maria Alba Cincotto 
 
São Paulo – 2004 
Análise dos requisitos de classificação de 
argamassas de assentamento e revestimento 
Escola Politécnica da Universidade de São Paulo 
Departamento de Engenharia de Construção Civil 
Boletim Técnico – Série BT/PCC 
 
 
 
Diretor: Prof. Dr. Vahan Agopyan 
Vice-Diretor: Prof. Dr. Ivan Gilberto Sandoval Falleiros 
 
Chefe do Departamento: Prof. Dr. Alex Kenya Abiko 
Suplente do Chefe do Departamento: Prof. Dr. Orestes Marraccini Gonçalves 
 
 
Conselho Editorial 
Prof. Dr. Alex Abiko 
Prof. Dr. Francisco Ferreira Cardoso 
Prof. Dr. João da Rocha Lima Jr. 
Prof. Dr. Orestes Marraccini Gonçalves 
Prof. Dr. Paulo Helene 
Prof. Dr. Cheng Liang Yee 
 
 
Coordenador Técnico 
Prof. Dr. Alex Abiko 
 
 
O Boletim Técnico é uma publicação da Escola Politécnica da USP/ Departamento de Engenharia de 
Construção Civil, fruto de pesquisas realizadas por docentes e pesquisadores desta Universidade. 
 
 
O presente trabalho é parte da dissertação de mestrado apresentada por Elza Hissae Nakakura, sob 
orientação da Profa. Dra. Maria Alba Cincotto: “Análise e Classificação das Argamassas Segundo a 
NBR 13281 e a MERUC”, defendida em 11/04/2003. 
A íntegra da dissertação encontra-se à disposição com o autor e na biblioteca de Engenharia Civil da 
Escola Politécnica/USP. 
 
 
 
 
 
FICHA CATALOGRÁFICA 
 
 
 
 
 
 
Nakakura, Elza Hissae 
Análise dos requisitos de classificação de argamassas de 
assentamento e revestimento / Elza Hissae Nakakura, Maria Alba 
Cincotto. -- São Paulo : EPUSP, 2004. 
 p. – (Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, Departa- 
mento de Engenharia de Construção Civil ; BT/PCC/359) 
 
1. Argamassa (Análise ; Classificação) 2. Garantia da qualidade 
 I. Cincotto, Maria Alba II. Universidade de São Paulo. Escola Poli-
técnica. Departamento de Engenharia de Construção Civil III. Título IV. 
Série 
ISSN 0103-9830 CDU 691.53 
 658.562 
 
 
ANÁLISE DOS REQUISITOS DE CLASSIFICAÇÃO DE ARGAMASSAS DE 
ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO 
NAKAKURA, Elza Hissae (1); CINCOTTO, Maria Alba (2) 
(1) Mestre em Engenharia Civil pelo PCC-EPUSP. 
E-mail elza.nakakura@terra.com.br 
(2) Quim. Pesquisador Associada do Departamento de Engenharia de Construção 
Civil, PCC-EPUSP, Cx. Postal 61548. São Paulo-SP. CEP 05424-970. E-mail 
maria.cincotto@poli.usp.br 
RESUMO 
A classificação nacional das argamassas de assentamento e de revestimento segue a 
norma NBR 13 281 - Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – 
Requisitos, da ABNT, vigente desde 1995. Como requisitos de classificação estão nela 
especificados: resistência à compressão, teor de ar incorporado e retenção de água, cuja 
determinação envolve métodos de ensaio que estão hoje sendo questionados. 
O objetivo da classificação das argamassas é especificar requisitos e critérios que 
possam estar associado às condições de uso e não somente para controle de 
uniformidade como é o caso da norma atual. Esses dados constituem-se em parâmetros 
a serem levados em conta em estudos de desempenho da argamassa nos diversos 
sistemas em que ela é um dos constituintes. 
 Este trabalho apresenta uma discussão sobre os procedimentos de ensaios 
contemplados na norma brasileira de classificação de argamassa de assentamento e 
revestimento juntamente com a classificação MERUC, recomendação francesa do 
CSTB, o qual conclui com questões que levaram ao programa experimental da 
dissertação de mestrado de NAKAKURA, 2003. 
 
ABSTRACT 
 
National classification for renders, plasters and masonry mortars, follows ABNT 
NBR13281 - Renders, plasters and masonry mortars for walls and ceilings – 
Requirements. Some proceedings are mentioned as classification requirements: 
compressive strength, incorporated air content and water retention. 
These classification requirements comprehend test procedures which are questionable 
concerning to its efficiency on determination of properties. 
A mortar classification should present characteristics that may be associated to jobsite 
conditions, and not only to uniformity control. This classification is intended to be able 
to support performance studies in various systems that are submitted to this mortar, in 
order to obtain parameters to a correct design on each system. 
This paper presents a discussion on test procedures comprehended in Brazilian standard 
of renders, plasters and masonry mortars classification together with MERUC 
classification, CSTB French recommendation, which concludes with those questions 
that motioned NAKAKURA, 2003 experimental program for her MSc. Dissertation. 
1 INTRODUÇÃO 
Este trabalho apresenta uma discussão sobre os procedimentos dos ensaios 
contemplados na norma de classificação de argamassa de assentamento e revestimento. 
A classificação nacional das argamassas de assentamento e de revestimento segue a 
norma NBR 13 281 - Argamassa industrializada para assentamento de paredes e 
revestimento de paredes e tetos - Especificação, da ABNT, publicada em 1995. Como 
requisitos de classificação estão nela especificados: resistência à compressão, teor de ar 
incorporado e retenção de água, cujos critérios foram adotados segundo os resultados 
apresentados pelos produtos disponíveis no mercado no período de redação da norma. 
No período que se seguiu após a sua publicação houve modificação da formulação das 
argamassas em geral, boa parte em função da disponibilidade de aditivos no mercado 
nacional. Os procedimentos de ensaio mostraram-se também não adaptados à nova 
realidade, necessitando revisão. Na verdade, a especificação foi redigida visando o 
controle de uniformidade do produto, restrito à argamassa industrializada, sem 
preocupação com os requisitos de desempenho. Além disso, as argamassas eram 
consideradas como de múltiplo uso, sem levar em conta as diferentes condições de 
aplicação e uso. A situação atual é diferente pois a indústria já produz cinco tipos de 
argamassa com indicações de uso. 
Após a publicação da norma foi observado que a classificação obtida através da 
metodologia especificada, realizada em laboratório, não corresponde à realidade do 
preparo em obra. Em conseqüência, os resultados de laboratório podem não 
corresponder aos do controle em obra. 
A origem desse problema está nas características das argamassas. Quando a norma foi 
redigida, as argamassas industrializadas eram muito próximas das preparadas em obra, 
do tipo argamassa mista de cimento e cal, que não tem aumento de incorporação de ar 
durante o tempo de mistura, fixado em quatro minutos. 
Com o uso dos aditivos, houve uma mudança nas propriedades da argamassa. Dessa 
forma, a intensidade da energia na mistura, o tempo de mistura e a velocidade de 
rotação da argamassadeira passaram a influenciar o resultado do teor de ar incorporado. 
CASALI et al. (2001) ratificam que a mistura em betoneira durante 20 minutos não 
consegue atingir o teor de ar incorporado gerado com um tempo de quatro minutos em 
laboratório. Este tempo é impraticável em obra, podendo-se contar, no máximo, com um 
tempo de 1,5 a 3 minutos, como demonstrado por pesquisadores. 
Visando obter subsídios para a revisão da norma nacional, faz-se uma análise 
comparativa entre as classificações NBR e MERUC, esta um resultado da longa 
experiência do CSTB, Centre Scientifique et Technique du Bâtiment, em certificação de 
produtos. 
A escolha da recomendação do CSTB vem do reconhecimento de que os franceses 
possuem grande experiência na área de argamassas industrializadas, certificando
Página123456