Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
37 pág.
Como fazer a Introdução de um artigo científico [Artigos científicos_Redigir, Publicar, Avaliar]

Pré-visualização | Página 1 de 11

5
Introdução do Artigo
O que se conhece bem se enuncia claramente. E as palavras para dizê-lo chegam com facilidade.
Nicolas Boileau, 1637-1711, escritor francês.
5.1 Para que serve a seção de introdução
5.2 Estrutura da seção de introdução
5.3 Apresentação do tema e justificativa para a investigação
5.4 Relevância do tema
5.5 Originalidade da investigação
5.6 Lacunas no conhecimento
5.7 Redação do geral para o específico
5.8 Suposições do leitor e do escritor
5.9 Ligação com a literatura científica
5.10 Fontes de informação científica
5.11 Revisão narrativa (tradicional)
5.12 Revisão sistemática
5.13 Metanálise
5.14 Objetivo da investigação
5.15 Hipótese
5.16 Tamanho da seção de introdução
5.17 Três cuidados na redação da introdução
5.18 Tipo de estudo e conclusão da investigação
5.19 Sugestões
5.20 Comentário final
5.21 Referências
O presente capítulo focaliza o preparo da primeira parte do artigo científico original e tem como roteiro a estrutura de uma introdução-padrão, que é mostrada na seção 5.2 e detalhada nas seguintes. Dentre os tópicos abordados no capítulo, estão as fontes de informação para utilizar na introdução, os cuidados para se ter na redação e diversos conceitos de metodologia científica e epidemiologia, úteis para aprimorar a comunicabilidade.
▸5.1 Para que serve a seção de introdução
A introdução informa o que foi pesquisado e o porquê da investigação. É a parte do artigo que prepara o leitor para entender a investigação e a justificativa de sua realização. Deve ser organizada com o propósito de despertar o interesse do leitor e fazê-lo prosseguir na leitura.
▸5.2 Estrutura da seção de introdução
Embora a introdução possa ser escrita de muitas maneiras, a depender da modalidade de investigação, do tipo de periódico, do nível de conhecimento sobre o tema e de outros fatores, um grupo de assuntos é usualmente encontrado nas boas introduções de artigos científicos da área da saúde.
▸A Tópicos a abordar na seção de introdução
Dois conjuntos de informação habitualmente compõem a seção introdutória do artigo original (ver Tabela 5.1). O primeiro tem o propósito de fornecer as informações sobre o tema e a justificativa para a realização da pesquisa. A boa introdução convence o leitor de que é a pesquisa é relevante, original e está assentada em bases sólidas. Será realçado que, na área médica, faz-se apenas menção sucinta aos trabalhos anteriores que deem sustentação aos argumentos apresentados. Também é espaço para assinalar o que não se sabe sobre o assunto. A parte final da introdução está reservada para o objetivo do relato.
Tabela 5.1 Estrutura da seção de introdução de um artigo científico original e a localização dos tópicos dessa estrutura nas seções do presente capítulo
	
	Tópicos
	
	Seções
	
	
	Tema da pesquisa e justificativa para investigação
	
	5.3 a 5.13
	
	– Problema investigado e lógica da pesquisa
	
	5.3 a 5.8
	
	– Ligação com a literatura científica
	
	5.9 a 5.13
	
	
	Objetivo da investigação
	
	5.14 e 5.15
▸B Fontes de consulta para o relato da seção de introdução
Para auxiliá-lo na redação, o escritor tem à disposição muitas fontes de consulta, •dentre as quais: Os livros sobre redação científica, como o que o leitor tem em mãos •As normas de Vancouver; a parte referente à preparação da seção de introdução consta da Tabela 5.2
· As instruções para autores dos periódicos científicos; as de um conceituado periódico de medicina interna, também restritas à seção de introdução, estão transcritas na Tabela 5.3
· As recomendações para o relato de investigações, por tipo de estudo ou tema de pesquisa; o CONSORT é exemplo (ver 4.9, Diretrizes específicas para o relato de investigações).
▸5.3 Apresentação do tema e justificativa para a investigação
A introdução informa o problema investigado. O exemplo adiante refere-se à pesquisa sobre fatores de risco de câncer de pâncreas. Outros exemplos são mostrados no capítulo. A forma de redação do texto faz com que, direta ou indiretamente, justifique-se a investigação.
Relevância do tema e originalidade da investigação são dois ângulos que podem ser realçados na introdução, assunto das próximas duas seções.
Tabela 5.2 As normas de Vancouver para a redação da seção de introdução do artigo científico
Fornecer contexto ou base para o estudo (isto é, a natureza do problema e sua importância).
Declarar o propósito específico, o objetivo de pesquisa ou a hipótese testada no estudo ou observação; o objetivo de pesquisa normalmente tem um foco mais preciso quando é formulado como uma pergunta. Tanto os objetivos principais, quanto os secundários devem estar claros, e quaisquer análises em um subgrupo pré-especificado devem ser descritas.
Dar somente referências estritamente pertinentes e não incluir dados ou conclusões do trabalho que está sendo relatado.
Fonte: Vancouver 2008: seção IV.A.5.1
Tabela 5.3 As instruções para autores do periódico Annals of Internal Medicine sobre redação da seção de introdução do artigo científico
Use curtas introduções que apresentem concisamente o contexto da investigação para os leitores.
Termine a seção de introdução com uma declaração clara dos objetivos do estudo ou das hipóteses.
Fonte: Annals of Internal Medicine 2008.2
Exemplo 5.3 Síntese da introdução de artigo sobre etiologia do câncer de pâncreas3
O câncer de pâncreas é altamente letal e sua origem desconhecida na maioria dos casos.[1,3] O único fator de risco modificável, detectado de forma coerente na etiologia dessa neoplasia, é o hábito de fumar.[4-5] No entanto, ele explica apenas pequena fração dos casos. Exposições ocupacionais podem estar etiologicamente associadas a essa neoplasia. Revisão sistemática da literatura apontou o aumento do risco de câncer do pâncreas por exposições ocupacionais.[6]
O objetivo da investigação aqui relatada foi identificar ocupações associadas ao risco aumentado de câncer de pâncreas.
Observação: os números das referências no exemplo são apenas para ilustrar e não têm correspondência na lista de obras situada no fim do presente capítulo – e, por isso, sua forma de anotação difere. Em outros exemplos deste livro, essa mesma sistemática é utilizada para identificar referências fictícias.
▸5.4 Relevância do tema
Por que o assunto é relevante? Ele é relevante para quem? Não basta o autor julgá-lo relevante. O editor do periódico ao qual o texto é submetido tem de estar convencido de sua relevância. Bem combinar o tema com o periódico é essencial. Há temas prioritários em periódicos internacionais, e o descompasso de enviar artigo fora dessas prioridades é invariavelmente penalizado pela recusa de publicação.
Uma frase apenas pode indicar a relevância do tema. Por exemplo: “O câncer de pâncreas é altamente letal e sua origem desconhecida na maioria dos casos.” Se necessário, estatísticas são usadas para reforçar ou comprovar a magnitude e a
importância do tema investigado. A “magnitude” – ou extensão do problema – pode ser indicada pela prevalência ou incidência de casos. A “importância” – ou gravidade do problema – é expressa por meio de taxas de mortalidade e incapacidade, impacto na qualidade de vida, custos e outros ângulos que reflitam a situação.
▸A Classificação das afirmações sobre a relevância do tema
As afirmações sobre a relevância do tema podem ser classificadas em três categorias:4
· Afirmações gerais, qualitativas Exemplo: “A dengue é um problema emergente de saúde pública.”
· Afirmações quantitativas, confinadas ao numerador Exemplo: “Foram notificados mais de 800 mil casos de dengue no Brasil em 2002.”
· Afirmações quantitativas, referentes ao numerador e denominador combinados: caso de porcentagens e coeficientes por mil Exemplos: “Cerca de 20% dos adultos residentes em Belo Horizonte declaram-se fumantes regulares em inquérito realizado em 2002.” ou “A prevalência de epilepsia é de 1% em diversos países desenvolvidos.”
▸B Hierarquia das afirmações sobre a relevância do tema
Os epidemiologistas acreditam
Página123456789...11