A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Aula_resumo_-_transfer_ncia_de_energia_24-08-2020 (1)

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aula: - Introdução à transferência de energia
A energia contida na estrutura molecular de carboidratos, gorduras e proteínas não é liberada subitamente no corpo a uma determinada temperatura. Pelo contrário, a energia é liberada lentamente em pequenas quantidades no transcorrer de reações complexas controladas enzimaticamente. Isso torna possível uma maior eficiência na transferência e na conservação da energia. 
Cerca de 40% da energia potencial dos nutrientes alimentares são transferidos para o composto de alta energia ATP. 
A separação da ligação fosfato terminal do ATP libera energia livre que irá acionar todas as formas de trabalho biológico. Isso transforma o ATP na moeda corrente da energia corporal.
Fosfocreatina (PCr) é um composto presente dentro da célula de alta energia. O fosfato da PCr pode ser transferido para o ADP e formar ATP. A reação não necessita de ocxigênio. PCr é um reservatório não aeróbico de alta energia que reabastece o organismo de ATP. 
Há ATP em pequenas quantidades em áreas intramusculares.
As etapas de síntese de ATP por via aeróbica incluem: glicólise, ciclo de Krebs e fosforilação oxidativa.
Durante a glicólise ou reações glicolíticas são formadas duas moléculas de ATP. O piruvato é transformado em acetil-CoA e progride a síntese de ATP ao longo do ciclo do ácido cítrico (Ciclo de Krebs). 
Durante o ciclo de Krebs ocorre síntese de uma molécula de ATP para cada molécula de acetil-CoA que entra no ciclo de Krebs. Durante essa etapa metabólica também ocorre forte produção de NADH e FADH2. 
A fosforilação refere-se a transferência de energia para moléculas de ATP. A oxidação ocorre no revestimento interno da mitocôndria e envolve transferência de íons Hidrogênio do NADH e FADH2 para que aconteça a síntese de ATP. Para não haver acidose, os íons Hidrogênio livres combinam com o oxigênio para a formação de água.
O oxigênio funciona como aceptor final de elétrons na cadeia respiratória e combina com íons hidrogênio. 
A oxidação completa de uma molécula de glicose no músculo esquelético produz um total de 36 moléculas de ATP. 
Durante o exercício intenso quando a oxidação do hidrogênio não consegue acompanhar o ritmo de sua produção , o piruvato une-se temporariamente ao hidrogênio para formação de lactato. A partir daí ocorre a glicólise anaeróbica por um período de tempo adicional. 
Respiração aeróbica – Glicólise 
1- a molécula de glicose é quebrada em duas moléculas de piruvato. 
2- Cada molécula de piruvato entra para o ciclo de Krebs que acontece no interior da mitocôndria..
3. A glicólise ocorre no citoplasma.
4- O saldo de produção de ATP na glicólise= 2ATP Há produção de duas moléculas de NADH. 
5- Assim que as duas moléculas de piruvato são formadas, cada uma irá passar para o interior da mitocôndria. 
6- Assim que a molécula de piruvato chega até à matriz mitocondrial, perde um carbono e hidrogênio, formando um composto com dois carbonos chamado Acetil. 
7- Para finalmente dar início a segunda etapa metabólica, o ciclo de Krebs, o Acetil é associado a moléula de coenzima A (CoA). 
8- Acetil CoA, então, poderá participar do ciclo de Krebs. 
PIRUVATO
GLICÓLISE
GLICOSE
ATP
ACETIL Coa
FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA 
6 O2
ATP
6 CO2
H
2 ATP
Respiração aeróbica – Ciclo de Krebs
9- No ciclo de Krebs o Acetil (2 carbonos) liga-se ou reage com o Oxaloacetato (4 carbonos), formando um composto de 6 carbonos chamado Citrato. A partir daí a molécula de citrato vai perdendo carbono na forma de gás carbônico, vai perdendo hidrogênio, até transformar-se em Oxaloacetato. Depois uma nova molécula de Acetil liga-se ao oxaloacetato e segue o mesmo caminho. O interessante é que os íons hidrogênio liberados são capturados por NAD e FAD, formando NADH e FADH2, produtos importantes para a próxima etapa metabólica (fosforilação oxidativa). 
Durante o ciclo de Krebs há produção de duas moléculas de ATP. 
Respiração aeróbica – Fosforilação Oxidativa
Respiração aeróbica - saldo
Exercícios
Respiração anaeróbica 
Respiração aeróbica e anaeróbica