A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Incidências de crânio e coluna

Pré-visualização | Página 1 de 8

DESCRIÇÃO
A compreensão das incidências radiológicas da coluna vertebral (cervical, torácica, lombar,
sacro e cóccix) e do crânio neural e visceral combinadas aos posicionamentos específicos e às
buscas de patologias, como também dos exames de rotina e de caráter especial ou
complementar e da sua aplicação no campo prático.
PROPÓSITO
Compreender os termos e as técnicas utilizadas nas incidências radiológicas da coluna
vertebral e do crânio (neural e visceral) na anatomia humana e radiológica para sua
aplicabilidade, para fins de conhecimento no estudo das incidências de todo o corpo humano e
para a obtenção de conhecimentos das principais incidências radiológicas das partes
segmentadas da coluna vertebral e das regiões da cabeça.
PREPARAÇÃO
Antes de iniciar a leitura deste conteúdo, tenha em mãos um Atlas de Anatomia para a boa
compreensão dos termos específicos e a melhor orientação de delineamento do programa.
OBJETIVOS
MÓDULO 1
Identificar as incidências radiológicas da coluna vertebral
MÓDULO 2
Identificar as incidências radiológicas do crânio neural
MÓDULO 3
Identificar as incidências radiológicas do crânio visceral
INTRODUÇÃO
As incidências radiológicas da coluna vertebral e do crânio utilizam como métodos de
compreensão primários o entendimento das bases anatômicas convencionais e internacionais.
A divisão do estudo amplo da coluna vertebral em segmentos (cervical, torácico, lombar, sacro
e coccígeo) é essencial para contextualizar o esqueleto axial e sua relação com a própria
coluna vertebral humana. As correlações entre anatomia sistêmica e suas bases da anatomia
radiológica e de estudos patológicos gerais e específicos, mais especificamente as disciplinas
ligadas à patologia, são essenciais para o entendimento global do aluno.
O estudo das incidências radiológicas do crânio (neural e visceral) está correlacionado com a
anatomia radiológica e a aplicação das técnicas radiológicas que apresentam critérios
específicos para a região da cabeça, que são utilizadas quase sempre para desvendar
processos patológicos essenciais e como exame preliminar para outras abordagens e outros
exames de imagem – principalmente os de tomografia computadorizada e os de ressonância
magnética. A compreensão do aluno vai além do conhecimento teórico, pois ele vislumbrará,
por meio de recursos digitais e visuais, a prática dessas incidências radiológicas ao longo deste
conteúdo.
MÓDULO 1
 Identificar as incidências radiológicas da coluna vertebral
POSICIONAMENTO PARA INCIDÊNCIA
RADIOLÓGICA DA COLUNA VERTEBRAL E
TAMANHO DOS FILMES
Inicialmente, veremos as principais siglas e termos utilizados nos posicionamentos
apresentados neste módulo:
SIGLA PALAVRA SIGNIFICADO
AP Anteroposterior
Quando a incidência do raio central no paciente
ocorre de frente para trás.
Dinâmico – Variação do estudo do quadril bilateral, que consiste
na posição do paciente com as plantas dos pés
unidas e a consequente abdução dos fêmures.
Transoral –
Incidência radiológica que atravessa a cavidade oral
para analisar a coluna cervical.
DFF
Distância foco-
filme
A distância entre o foco de raios X e o filme.
kV Quilovoltagem
A diferença de potencial criada entre o ânodo e o
cátodo que aumenta a frequência dos raios X
(penetrabilidade).
mAs
Miliamperagem
por segundo
A quantidade de radiação produzida (mA)
multiplicada pelo tempo de exposição (s)
RC Raio central
Orientado pela colimação. É a parte central onde se
concentra o feixe de raios X.
OPD e
OPE
–
Oblíqua posterior direita e oblíqua posterior
esquerda.
OAD e
OAE
– Oblíqua anterior direita e oblíqua anterior esquerda.
Quadro 1- Siglas e termos para designar os posicionamentos radiológicos em relação à coluna
vertebral. 
Imagem: Henrique Luz Coelho
 Atenção! Para visualização completa da tabela utilize a rolagem horizontal
Tamanhos dos filmes/receptores de imagem apresentados neste módulo:
13x18cm
18x24cm
24x30cm
30x40cm
35x43cm
INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA COLUNA
VERTEBRAL
As incidências radiológicas para o estudo da coluna vertebral são selecionadas para o estudo
dos segmentos a seguir:
Coluna cervical
Coluna torácica
Coluna lombar
Sacro
Cóccix
Os termos cervicotorácico, toracolombar, lombossacra e sacrococcígeo são usados para
destacar as junções desses segmentos.
COLUNA CERVICAL
Incidência em AP transoral (boca aberta) – estudo de C1 e C2
 
Imagem: BONTRAGER; LAMPIGNANO; KENDRICK, 2018, p. 310.
 Figura 1: Incidência radiológica AP transoral da coluna cervical.
Justificativa para realização do exame
Incidência realizada para o estudo de fraturas e luxações de C1 e C2 (processo odontoide) e
artroses da região.
Principais estruturas demonstradas
Atlas (massas laterais e processos transversos), áxis (corpo e processo odontoide) e
articulação atlantoaxial bilateral.
Fatores técnicos e posicionamento
DFF – 1m;
Tamanho do filme/receptor de imagem e sentido – 13x18cm ou 18x24cm no sentido
longitudinal;
Técnica de referência – 10mAs e 70kV no Bucky; se houver o uso de cilindro extensor
opcional, haverá um aumento de 5kV;
RC – perpendicular ao receptor de imagem, direcionado para o centro da boca aberta, na
direção das comissuras labiais; (Junções dos lábios superior e inferior.)
Posição do paciente e da parte ou região do corpo – em decúbito dorsal ou em ortostática,
alinha-se o plano mediossagital do paciente com a linha central da mesa ou da estativa ao RC.
O paciente deve manter a boca aberta o máximo que ele puder e deixar a língua mais baixa
possível para evitar a sobreposição no atlas e no áxis.
INCIDÊNCIA EM AP AXIAL
 
Foto: BONTRAGER; LAMPIGNANO; KENDRICK, 2018, p. 311.
 Figura 2: Incidência radiológica de coluna cervical em AP axial.
Justificativa para realização do exame
Incidência realizada para o estudo de fraturas simples, fraturas por compressão, luxações e
patologias ósseas e articulares da região, além de hérnias de núcleo pulposo (HNP).
Principais estruturas demonstradas
Corpos vertebrais de C3 a T2 e os espaços articulares entre as vértebras (pedículos e discos
intervertebrais).
Fatores técnicos e posicionamento
DFF – 1m;
Tamanho do filme/receptor de imagem e sentido – 18x24cm ou 24x30cm no sentido
longitudinal;
Técnica de referência - 10mAs e 65kV no Bucky;
RC – ângulo cefálico de 15° a 20° direcionado à margem inferior da cartilagem tireoide;
Posição do paciente e da parte ou região do corpo – em decúbito dorsal ou ortostática com
o queixo ligeiramente elevado.
 RECOMENDAÇÃO
O paciente precisa suspender a respiração e não engolir a saliva durante a exposição.
INCIDÊNCIA EM PERFIL
 
Foto: BONTRAGER; LAMPIGNANO; KENDRICK, 2018, p. 313.
 Figura 3: Coluna cervical em perfil.
Justificativa para realização do exame
Incidência realizada para o estudo de fraturas, luxações e patologias, como, por exemplo,
espondilose e osteoartrite.
Principais estruturas demonstradas
Vista lateral de corpos vertebrais, espaços intervertebrais e processos espinhosos.
Fatores técnicos e posicionamento
 
Imagem: Shutterstock.com
 Figura 4: Imagem ilustrativa das radiografias produzidas pelas incidências radiológicas da
coluna cervical em AP e em perfil.
DFF – 1,5 m;
Tamanho do filme/receptor de imagem e sentido – 18x24cm ou 24x30cm no sentido
longitudinal;
Técnica de referência – 10mAs e 65kV no Bucky;
RC – perpendicular ao receptor da imagem e direcionado para a C4 (margem superior da
cartilagem tireoide);
Posição do paciente e da parte ou região do corpo – em ortostática ou sentado com os
ombros baixos e o queixo ligeiramente erguido.
 RECOMENDAÇÃO
O paciente deve:
• Suspender a respiração com expiração total e realizar a depressão máxima do ombro;
• Suspender a respiração e não engolir a saliva durante a exposição.
OBLÍQUAS POSTERIORES (OPE E OPD)
Justificativa para realização do exame
Incidência realizada para o estudo dos forames intervertebrais e das patologias, como artrite,
artrose e análise de fraturas e fissuras.