A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
TESES DE MÉRITO DO FATO TÍPICO PARA 2ª FASE DA OAB EM DIREITO PENAL

Pré-visualização|Página 1 de 1

TESES DE MÉRITO DO FATO TÍPICO PARA 2ª FASE DA OAB EM DIREITO PENAL



Antes de adentrar sobre o assunto é fundamental entender o que é o fato típico. O fato típico é um dos elementos do crime, ou seja, sem fato típico não há crime, ocorrendo portanto a atipicidade da conduta.

Dentro desse elemento genérico fato típico, deve-se observar os requisitos que o configuram quais sejam: DOLO/CULPA, CONDUTA E NEXO CAUSAL.

Quando não verificados alguns desses elementos que o configuram resta quebrado o fato típico.

Por isso na segunda fase da oab em penal um dos passos a ser perseguido pelo examinando é justamente a quebra desse elemento essencial do crime, assim é necessário já ter em mente teses que podem ser alegadas na sua prova a depender do caso concreto.

Excluem a conduta:

  1. Coação física irresistível
  2. movimentos reflexos
  3. sonambulismo e hipnose
  4. desclassificação de dolo eventual para culpa consciente
  5. excepcionalidade dos crimes culposos
  6. erro de tipo


Excluem o resultado naturalístico:

  1. Crime formal, material e de mera conduta


Ou seja, nesse ponto deve ser observado se a ação praticada é um crime formal (o qual não necessita da produção de um resultado para a consumação de um crime. Ex.: Ameaça), material (Só se consuma com a produção do resultado naturalístico. Ex.: Homicídio) e de mera conduta (consuma-se independentemente da ocorrência de efetivo prejuízo para a sociedade, e a probabilidade de vir a ocorrer algum dano é presumida pelo tipo penal).


A defesa também deve tentar romper o nexo causal:

  1. Concausas


Nesse ponto deve-se lembrar da concorrência de causas, são elas:

Absolutamente independentes-> Preexistentes, concomitantes e supervenientes

todas excluem o nexo causal.

relativamente independentes-> aqui apenas as causas supervenientes irão romper o nexo causal, quando forem responsáveis pela produção do resultado. Ex.: Pessoa que atira, a vítima é socorrida e no caminho a ambulância sofre colisão e a vítima acaba morrendo através dessa colisão. A pessoa que atirou nada tem a ver com o resultado.