18_Para Entender a Terra - Cap 17
1 pág.

18_Para Entender a Terra - Cap 17


DisciplinaGeologia9.007 materiais66.744 seguidores
Pré-visualização1 página
4361 ParaEntenderaTerra
do,atirandoáguaparao altonoar.Não surpreendequepare-
desdeconcretoerguidasparaprotegerconstruçõesao longo
da costacomecema racharrapidamentee necessitemde
reparosfreqüentes.
Após quebrarnazonadesurfe,asondas,agorareduzidas
emaltura,continuamamover-se,quebrandoexatamentenali-
nhadecosta.Elasmovem-sesubindoafacenafrentedapraia,
formandoumaáguade sacachamadade espraiamento.13A
águaentãoretomanovamente,comoumaondaderecuo.J4 O
espraiamentoe a ondaderecuo15podemcanegarareiae até
grandesseixosecalhausseasondasforemaltaso suficiente.A
ondaderecuocarregaaspartículasdevoltaparao mar.
O movimentodeidaevoltadaáguapróximoàcostaéforteo
suficienteparacanegargrãosdeareiaeatécascalho.A açãodas
ondasemáguascomprofundidadedecercade20mpodemover
areiafina.Grandesondascausadasportempestadesintensaspo-
demescavarofundoemprofundidadesmuitomaioresque50m.
Refração de ondas
Longedacosta,aslinhasdeondulaçãosãoparalelasumasàs
outras,masgeralmenteapresentamumângulocomalinhade
costa.À medidaqueasondasaproximam-sedacostacomum
fundocadavezmaisraso,asseqüênciasdeondagradualmente
encurvam-separaumadireçãomaisparalelaàcosta.Esseen-
curvamentodaslinhasdecristadasondasquandoseaproxi-
mamdacostaéchamadoderefraçãodeonda(verFigurapano-
râmica17.13).É similaraoencurvamentoderaiosdeluz nare-
fraçãoóptica,quefazcomqueumlápissemi-submersopareça
encurvadoquandoobservadonasuperfíciedaágua.A refração
deondainicia-seà medidaqueelaseaproximaformandoum
ângulocomacosta.A partedaondamaispróximadacostaen-
contraanteso fundocadavezmaisrasoe asórbitasdaspartí-
culasdeáguadaquelapartedaondatornam-semaiselípticas.À
medidaqueasórbitastornam-semaiselípticas,a frentedaon-
dareduzavelocidade.Então,aparteseguintedaondaencontra
o fundoetambémreduzavelocidade.Enquantoisso,aspartes
maispróximasdacostamoveram-separaáguasmaisrasasain-
dae,comisso,diminuírambemmaisasuavelocidade.Assim,
emumatransiçãocontínuaaolongodacristadaonda,a linha
deondasencurva-seemdireçãoàcostaàmedidaquereduzsua
velocidade.
A refraçãodeondasresultaemaçãomaisintensadasondas
nospromontóriose açãomenosintensaembaíasindentadas,
comoilustradonaFigurapanorâmica17.13.As águastornam-
serasasmaisrapidamenteemtornodospromontóriosquenas
águasprofundasqueo circundam.As ondassãorefratadasem
tornodospromontórios- ouseja,sãoencurvadasemdireçãoà
partequeestáseprojetandodacostaemambososlados.As on-
dasconvergememtornodopontoemersoedespendem,propor-
cionalmente,maisdasuaenergiaaoquebrarnesseslugaresdo
queemoutrosaolongodacosta.Assim,aerosãopelasondasé
concentradaempromontóriosetendeadesgastá-losmaisrapi-
damentedoqueo fazemseçõesretilíneasdalinhadecosta.
O opostoacontececomoresultadodarefraçãodeondasem
baías.As águasnocentrodabaíasãomaisprofundas,demodo
queasondassãorefratadasnaságuasmaisrasasemambosos
lados.A energiadomovimentodasondaséreduzidanocentro
dabaía,o queastornabonsportosparanavios.
Emboraarefraçãotornemenoro ânguloentreacrista
ondase acosta,quaseparalelizando-as,muitasondasain<!:.
aproximamformandopequenosângulos.À medidaqueelas
rebentam-senacosta,a ondadeavançosobeo declivep,
perpendicularmenteàquelepequenoângulo.Porém,aondz
recuodesceo declivepraialnosentidoopostoesegundoo
guIodemaiordeclividade.A combinaçãodosdoismovime:G.
resultaemumatrajetóriacomformasemelhanteàdeuma:;
rábolaquemoveaáguanumpequenocaminhonaparteinf.
do declivepraial(verFigurapanorâmica17.13).Os grãlli
areiacarregadospeloespraiamentoe pelaondaderecuo,-
assim,movimentadosaolongodapraianummovimentod _
guezagueconhecidocomoderivalitorânea.
As ondas,aoaproximarem-seobliquamenteaolongo~
nhadecosta,tambémpodemcausarumacorrentelongi
nal,16 ouseja,umaconentedeáguasrasasqueéparalelaà
ta.O movimentodaáguadoespraiamentoedaondadere.:
subindoe descendoobliquamentea costacriaumatraje
emziguezaguedaspartículasdaáguaquesesomaaotran
teverificadoaolongodacosta,namesmadireçãodaderi\'~
torânea.Grandepartedotransportedeareiaverificadoao\u2022
godemuitaspraiasprovémdessetipodecorrente.As cone
longitudinaissãoasdeterminantesprincipaisdasformas
extensãodasbanasdeareiae outrasfeiçõesdeposicionais
longodacosta.Ao mesmotempo,porcausadasuacapaci
deerodira areiasolta,asconenteslongitudinaispodemre
vermuitaareiadeumapraia.A derivalitorâneae ascone -
longitudinaistrabalhandojuntas são processospotente
transportede grandesquantidadesde areiaem praiase
águasmuitorasas.Em águasmaisprofundas,masainda
(menosde 50 m), ascorrenteslongitudinais- especialm
aquelasquesemovemdurantegrandestempestades- afe'
emmuitoo fundo.
Algunstiposdefluxosrelacionadosàsconenteslongi
naispodemameaçarbanhistasdesavisados.Umacorrentede
torno,porexemplo,éumfortefluxodeáguamovendo-se
foradapraiaemaltosânguloscomacosta.Ela ocorrequ -
umacorrentelongitudinalorigina-seaolongodacostaeaág
acumula-seimperceptivelmenteatéqueumpontocríticoé_
cançado.Nesseponto,aáguadirige-separao mar,fluindo~
macorrenterápidaatravésdasondasqueseaproximam.O
nhistaspodemevitarsercarregadosparadentrodomarnad
paralelamenteàcostaparafugirdacorrentederetorno.
As marés
A subidae a descidado marduasvezesao dia,chamadas
marés,sãoconhecidasdosmarinheirosedosmoradoreslit ~
neoshámilharesdeanos.Muitosobservadoresnotaramar
çãoentreaposiçãoe asfasesdaLua, asalturasdasmarés _
horasdo diaemquea águaalcançao níveldemarémais
No entanto,foi somenteapartirdoséculoxvrr,quandoI
Newtonformuloua lei dagravidade,quecomeçamosaen
derqueasmarésresultamdoempuxogravitacionaldaLuae
Sol naságuasdosoceanos.
A Lua, o Sol,a gravidadeeasmarésA atraçãogravita~
nal dedoiscorposdecresceà medidaqueelessedistanci
Assim,aforçaqueproduzasmarésvarianasdiferentespar:=
daTerra,dependendoseelasestãomaispróximasoumais~