34
Contabilidade Básica Fácil - 29ª Ed. 2013

Exercícios resolvidos: Contabilidade Básica Fácil - 29ª Ed. 2013

Osni Moura RibeiroIBSN: 9788502210899

Elaborado por professores e especialistas

ALUNOS QUE TAMBÉM VISUALIZARAM

  • +16.424

Passo 1 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

(I)

Vimos até aqui que bens são todos aqueles adquiridos com recursos próprios ou não e que constituem a propriedade de alguém. Além disso, sabemos que eles podem ser materiais ou imateriais ou de diversas outras ordens, certo? Para efeito contábil e empresarial, os bens sofrem uma ação chamada depreciação. A NBC TG 27 (Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral n.27) define como depreciação “a alocação do valor depreciável do ativo no percurso da vida”, ou seja, teremos a redução em parcelas do valor do bem, na medida do seu uso/desgaste, obsolescência ou qualquer ação da natureza.

Passo 2 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Entenda que os bens sujeitos à depreciação, portanto, são materiais, tangíveis, lançados contabilmente como imobilizados na conta de ativo não circulante.

Por outro lado, os bens sujeitos à amortização são imateriais, intangíveis e com vida útil definida.

Passo 3 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Outro ponto importante que você deve memorizar é que caixa é a conta na qual se registra a entrada de recursos, os quais posteriormente serão utilizados para efetuar pagamentos. Ela deve ser organizada e alocada contabilmente no ativo circulante.

Passo 4 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Logo:

Moveis e utensílios são bens materiais e assim sujeitos à depreciação.

Direitos autorais são bens imóveis e assim sujeitos à amortização.

Veículos são bens materiais e assim sujeitos à depreciação.

Fundo de comércio é um bem imóvel e assim sujeito à amortização.

Caixa é uma conta do ativo circulante e não é sujeita à depreciação ou à amortização.

Imóveis são bens tangíveis e assim sujeitos à depreciação.

Passo 5 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Assim, você poderá facilmente resolver a questão:

(D) Moveis e utensílios.

(A) Direitos autorais.

(D) Veículos.

(A) Fundo de comércio.

(N) Caixa

(D) Imóveis.

Passo 6 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

(II)

Passo 7 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Sabemos que para depreciar um bem, é necessário primeiramente determinar sua vida útil, certo? Mas o que seria uma vida útil? Trata-se do período em que o bem pode ser utilizado na geração de lucros e riquezas para a organização. Depois, lembre-se que é necessário escolher um método, por meio do qual o bem irá depreciar. Existem vários, contudo o mais utilizado na contabilidade brasileira é o método linear, também chamado de linha reta.

Mas o que diz este método? Bem, o método linear baseia-se na utilização de taxas durante o período estimado da vida útil do bem, com a finalidade de reduzir seu valor nominal. Entretanto, tenha em mente que as empresas deverão revisar periodicamente a recuperação dos valores para ajustar conforme necessário. Essa depreciação poderá ser realizada anual (em que será lançada contabilmente numa única oportunidade) ou mensalmente, em que o valor encontrado será dividido por 12. A depreciação também poderá ser classificada como normal ou acelerada, sendo diferenciada somente com relação à taxação, a qual poderá variar de acordo com o período em que o bem é utilizado.

Passo 8 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Será que existe um padrão usual para a depreciação dos bens mais comuns? Exise sim, e está disposto na tabela abaixo. Confira!

BENS

VIDA ÚTIL

TAXA

Veículos

5 anos

20%a.a.

Moveis e Utensílios

10 anos

10% a.a.

Imóveis (com exceção de terrenos)

25 anos

4% a.a.

Instalações

10 anos

10% a.a.

Computadores

5 anos

20% a.a.

Passo 9 de 9keyboard_arrow_downkeyboard_arrow_up

Assim, reunindo os conhecimentos obtidos até aqui, podemos associar as colunas da seguinte forma:

Computadores (b) 4%a.a

Imóveis (construções) (c) 10%a.a.

Móveis e utensílios (a) 20%a.a.

Depoimentos de estudantes que já assinaram o Exercícios Resolvidos

Nathalia Nascimento fez um comentárioCEFET/RJ • Engenharia
Foi um apoio àquelas aulas que não acabam totalmente com as dúvidas ou mesmo naquele momento de aprender o conteúdo sozinha. Além disso, dispensou a necessidade de um orientador e por isso, permitiu que eu estudasse em qualquer local e hora.
Valdivam Cardozo fez um comentárioUFRB • Engenharia
Tive uma sensação maior de autonomia nos estudos, as vezes era frustante não conseguir resolver uma determinada questão e nem sempre os professores corrigem as listas que passam.