Complexidade e sustentabilidade: o que se pode e o que não se pode fazer

Humberto Mariotti

Ano: 2013 | Editora: Grupo GENISBN 9788522479825
  • starstar_borderstar_half
  • starstar_borderstar_half
  • starstar_borderstar_half
  • starstar_borderstar_half
  • starstar_borderstar_half
  • avaliações

Resumo

É claro que a intenção original do processo econômico é aumentar o bem-estar humano. Porém, visto de forma pragmática, não se pode evitar a conclusão de que sua etapa última é a produção de resíduos, parte dos quais não pode ser reaproveitada. Nos termos das leis da termodinâmica, isso significa transformar materiais de baixa entropia em lixo de alta entropia.Daí se infere que tudo o que diminui a produção de rejeitos desacelera a entropia e tende a ampliar a sustentabilidade. Mas ações nesse sentido só podem acontecer de fato como resultado da composição entre, de um lado, a ética, a política e os valores, e, de outra parte, o conhecimento, as tecnologias e as práticas.Nessa convivência sempre haverá oscilações: ora predominará um lado, ora prevalecerá o outro. Mas a lacuna entre eles jamais deve ser tão ampla que essa predominância leve à ditadura de um dos polos, como acontece hoje.Determinar até que ponto essa composição será possível na prática dependerá de cada país, cultura, organização ou instituição e, em especial, da atuação de suas lideranças.Leitura para pessoas interessadas em ecologia, gestão ambiental, políticas privadas e públicas de sustentabilidade e desenvolvimento sustentável e, em especial, em como a teoria da complexidade pode contribuir com aportes e sugestões de reflexão e tomada de decisões.
Complexidade e sustentabilidade: o que se pode e o que não se pode fazer

A biblioteca de livros é um conteúdo restrito para assinantes.

Estude com os melhores livros

R$29,90/mês

Assine o PremiumCancele quando quiser, sem multa

Aproveite também

  • check Todos os materiais compartilhados
  • check Exercícios passo a passo
  • check Videoaulas exclusivas
  • check Resumos por tópicos