A maior rede de estudos do Brasil

Alguém sabe diferenciar o que é Ordenamento Jurídico segundo Kelsen e Miguel reale?

Busco a visão de cada um sobre o que é o ordenamento jurídico para eles.


73 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Passei Direto

Há mais de um mês

O pensamento kelseniano constituiu forte base para o conhecimento jurídico durante o século XX, sendo reconhecido como um dos juristas de maior relevância até a atualidade. Sua Teoria, muitas vezes interpretada erroneamente, proporcionou aos autores do Direito, subsídios à tentativa de formulação de uma Ciência do Direito. Considerada em função, basicamente, da Norma Fundamental (Groundnorm), Kelsen tentou proporcionar ao Direito e ao pensamento jurídico a cientificidade do conhecimento positivista, resultando na Teoria Pura do Direito. Imbuído de preocupação com os aspectos históricos qual vivenciava em sua época, negou o sincretismo metodológico, visando purificar o Direito. Para Kelsen então, a Ciência do Direito tem como objeto de estudo a Norma, desconsiderando seus aspectos ideológicos e atendo-se ao âmbito estrito do dever ser.

Por usa vez, Reale, filósofo brasileiro de renome internacional, reconhecido pela elaboração da Teoria Tridimensional Especifica do Direito e que, em âmbito nacional foi apelidado como o pai do atual Código Civil, decidiu contrapor-se ao jurista normativista. Nesse aspecto, suas indagações se deram numa ordem de considerar o Direito sob um aspecto integral, relacionando a norma, o fato e o valor sob o prisma do mundo da vida, ou o lebenswelt, termo hursseliano que dá a Teoria de Reale sua sustentação axiológica.

Refutando a rigidez da Teoria Pura do Direito, Reale reconhece a importância de Kelsen, principalmente no que diz respeito ao papel desempenhado pelas suas colaborações ao desenvolvimento da Ciência do Direito, mais especificamente no campo normativo. Entretanto, Reale observa que no pensamento de Kelsen não existe um movimento dialético complementar ou de polaridades inerente aos campos do ser e do dever ser. Dessa forma, Reale percebe existir em Kelsen tão somente uma tricotomia implícita, qual fora sendo adquirida pelo filósofo durante sua experiência de vida.

 

https://www.univali.br/graduacao/...do.../3.05%20-%20Kelsen%20e%20Reale.pdf

O pensamento kelseniano constituiu forte base para o conhecimento jurídico durante o século XX, sendo reconhecido como um dos juristas de maior relevância até a atualidade. Sua Teoria, muitas vezes interpretada erroneamente, proporcionou aos autores do Direito, subsídios à tentativa de formulação de uma Ciência do Direito. Considerada em função, basicamente, da Norma Fundamental (Groundnorm), Kelsen tentou proporcionar ao Direito e ao pensamento jurídico a cientificidade do conhecimento positivista, resultando na Teoria Pura do Direito. Imbuído de preocupação com os aspectos históricos qual vivenciava em sua época, negou o sincretismo metodológico, visando purificar o Direito. Para Kelsen então, a Ciência do Direito tem como objeto de estudo a Norma, desconsiderando seus aspectos ideológicos e atendo-se ao âmbito estrito do dever ser.

Por usa vez, Reale, filósofo brasileiro de renome internacional, reconhecido pela elaboração da Teoria Tridimensional Especifica do Direito e que, em âmbito nacional foi apelidado como o pai do atual Código Civil, decidiu contrapor-se ao jurista normativista. Nesse aspecto, suas indagações se deram numa ordem de considerar o Direito sob um aspecto integral, relacionando a norma, o fato e o valor sob o prisma do mundo da vida, ou o lebenswelt, termo hursseliano que dá a Teoria de Reale sua sustentação axiológica.

Refutando a rigidez da Teoria Pura do Direito, Reale reconhece a importância de Kelsen, principalmente no que diz respeito ao papel desempenhado pelas suas colaborações ao desenvolvimento da Ciência do Direito, mais especificamente no campo normativo. Entretanto, Reale observa que no pensamento de Kelsen não existe um movimento dialético complementar ou de polaridades inerente aos campos do ser e do dever ser. Dessa forma, Reale percebe existir em Kelsen tão somente uma tricotomia implícita, qual fora sendo adquirida pelo filósofo durante sua experiência de vida.

 

https://www.univali.br/graduacao/...do.../3.05%20-%20Kelsen%20e%20Reale.pdf

User badge image

Paulo

Há mais de um mês

Hans Kelsen era defensor de um direito sem valoração, isto é, colocou-se como defensor da autonomia cientifica do direito, livre de juízo valorativo, buscando estabelecer um fundamento epistemológico objetivo.Propôs o princípio da pureza: “o método e o objeto especifico da ciência jurídica devem ter o enforque normativo”, ou seja, o direito deve ser visto como norma, e não como fato ou valor. Ele via o Direito, sendo um fenômeno complexo, deve ser estudado autonomamente, afim de, evitar debates infindáveis. Kelsen compreendeu a ciência jurídica como ciência pura de normas e as investigou no seu encadeamento hierárquico. Assim, a validade está ligada a normas superiores que culminam na norma fundamental (A norma hipotética fundamental – N.H.F, ou seja, é o fundamento de validade de todas as normas pertencentes a dada ordem normativa). A norma será jurídica e legítima em função da N.H.F: ainda que haja uma norma injusta, ela será válida e legítima desde que decorra de uma norma fundamental legitima. Kelsen buscou a neutralidade cientifica do Direito, buscando a autonomia desta ciência em relação a moral e a política. O princípio metodológico fundamental: o direito não se preocupa com o conteúdo, mas com a estrutura lógica das normas. Não é da competência do Direito discutir os fins políticos desta ou daquela norma jurídica, mas sim ressaltar uma preocupação jurídico-cientifica (o objeto da ciência do direito e a norma posta por autoridade competente. Proposição jurídica é a reflexão sobre as normas que se difere de normas jurídicas que são as que prescreve a sanção que deve ser aplicada as ações ilícitas. Para Kelsen a justiça possui valor relativo inconstante (possui caráter subjetivo).

 Miguel Reale ele entende o direito como “cultura”, ou seja, esforço humano de conquista e preservação do que se concebe como válido. O fenômeno jurídico se há um olhar panorâmico e completo do direito considerando-se o fato, valor e anorma numa relação dialética, isto é, a teoria tridimensional do direito. O direito é uma integração normativa de fatos segundo valores. Ao longo da historia o direito assumiu vários sentidos: incialmente, o homem vivenciou o direito como fato; posteriormente, busca-se o sentimento do “justo”, impondo o sentido de obrigação jurídica (valor); em Roma, a jurisprudência foca o direito como norma. Contudo a um triplo enfoque do Direito: Fato (Sociologia do Direito), Valor (Filosofia do Direito) e Norma (Jurisprudência), no qual a uma implicação entre eles. O direito é fato social na forma que lhe dá uma norma racionalmente promulgada pela autoridade competente. Reale separa fato, valor e norma, com o intuito de preservar a teoria pura do direito e Kelsen entendi a norma jurídica como uma dedução racional capaz de imprimir valore jurídicos à realidade. Para Reale, o fato tem sua dimensão posta pelo valor, que é uma racionalização da experiência humana no processo histórico. Isto determina não só a natureza do fato como impõe condições das regras coativas necessárias ao convívio social.

User badge image

Alessandro

Há mais de um mês

Kelsen:

- O Estado é a personificação da ordem jurídica

- Autonomia e pureza científica do Direito / Método próprio de estudo

- Tirou toda influência externa do Direito para verificá-lo como ciência

- A Política é entregue à neutralidade como forma de se construir uma ciência pura

- Ordenamento Jurídico Piramidal

- Norma maior (pirâmide) Maior hierarquia / Maior igualdade

- Norma menor (pirâmide) Menor hierarquia / Mais específica

- Igualdade aos iguais

- Desigualdade proporcional aos desiguais

- A Política é um elemento externo do Direito

- A Política se curva ao Direito / Supremacia do Direito

- O Estado / legisla / executa / Julga / Para um povo / Em um determinado território / com Poder Soberano

- Estado = Povo / Território / Poder

- Poder Estatal / Ordenamento Jurídico / o povo está sujeito

- Poder Estatal / Validade / Eficácia

- Norma Jurídica tem fundamento em outra Norma Jurídica

- A Constituição é a base da ordem jurídica nacional

- Constituição fundamenta-se na Norma Hipotética Fundamental

- Norma Hipotética fundamental / Direito Internacional

- Solução através da atividade legislativa constitucional de modo estruturante e formal

- Monista / O Direito Internacional dá fundamento à Ordem Jurídica Nacional

- Positivismo Normativista.

User badge image

Martha

Há mais de um mês

A grande diferença entre Hans Kelsen e Miguel Reale é a seguinte:

Conforme Kelsen a sociedade só poderá ser regida conforme o mundo jurídico, onde apenas serão consideradas as normas juridicas e o direito para que a sociedade viva em harmonia. Kelsen não admite que a sociedade exista se não for conforme as regras do direito, sem que haja influências externas.

Já Miguel Reale defende que o âmbito do direito existe em conjunto com a sociedade, onde o direito terá uma grande influência da sociedade, pois conforme sua teoria o direito surge da seguinte forma:

Fato - algo que ocorre na sociedade.

Valor - importância que se dar a tal fato gerador.

Norma - onde o valor que foi dado ao fato gerador faz com que exista a necessidade de uma norma para tutelar este fato.

Surgindo desta forma uma norma juridica através de um fato social valorado. Onde a norma em regra estará acompanhada de um fato e valor decorrente da sociedade.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas