Buscar

Qual é o pressuposto teórico que serviu como ponto de partida para o regime de metas de inflação?

O regime de metas de inflação, que começou a ser implementado em diversos países no início da década de 1990.

💡 5 Respostas

User badge image

Euziana coelho correa

O regime de metas de inflação vem sendo considerado por muitos economistas do mainstream como a maneira mais eficiente de condução da política monetária, tendo sido adotado pelos bancos centrais de muitos países a partir da década de 1990, entre eles o Brasil, que adotou o regime em 1999.
O regime de metas de inflação se constitui no anúncio prévio de uma meta para inflação em prazo pré-determinado e no compromisso explícito do Banco Central com o cumprimento da meta. Essa política é baseada em pressupostos ortodoxos, como a neutralidade da moeda e as expectativas racionais, que implicam na conclusão de que a política monetária é ineficaz para afetar as variáveis reais no longo prazo e de que há um viés inflacionário na prática governamental. Com isso, a política monetária deveria enfatizar a estabilidade de preços por meio da aplicação de uma regra, que evitasse discricionariedades por parte da autoridade monetária, utilizando a taxa de juros de curto prazo como instrumento praticamente exclusivo para atingir tal fim (Freitas, 2010). Entre os principais economistas do mainstream, formou-se um consenso de que essa seria a melhor política monetária.

1
Dislike0
User badge image

Euziana coelho correa

“O regime de metas de inflação, que foi implementado em vários
países a partir da década de 1990, tem como ponto de partida dois
pressupostos. O primeiro está relacionado ao fracasso da adoção
do regime de regras de expansão monetária à la Friedman (tal como
visto no capítulo 9), com destaque para as dificuldades enfrentadas
pela política monetarista adotada pelo Federal Reserve (FED) nos EUA
a partir de 1979, em função, principalmente, da impossibilidade de se
prever o comportamento da demanda por moeda em uma sistema
financeiro caracterizado por inovações financeiras e mobilidade de
capitais. O segundo pressuposto teórico (tal como apresentado
nos capítulos 9 e 10) de que a política monetária é inócua para
afetar as variáveis reais da economia de forma duradoura,
como os níveis de produto e de emprego, tomando como base
a hipótese da existência de uma taxa natural de desemprego,
determinada por fatores reais e institucionais e, portanto, longe da
influência da política econômica.” (negritos e sublinhados nossos)
Bem, verifica-se perfeitamente que a assertiva “b” corresponde ao
segundo pressuposto, de tal forma que está correto o gabarito
divulgado pela banca. Com relação à assertiva “e”, deve-se tomar
muito cuidado, visto existir uma diferença entre pressuposto e
hipótese. Por ser um aspecto mais relacionado à metodologia de
pesquisa, vou me utilizar do “papas” do assunto:
Lakatos e Marconi (1991, p.104) destacam que a principal resposta
ao problema proposto é a hipótese básica, ssendo que a esta podem
ser propostas hipóteses secundárias, que significam outras
possibilidades de resposta para um problema. Assim sendo, e tendo como base o comentário ora realizado, pode-se afirmar que hipóteses
não propõem o estabelecimento de uma simples relação causal (se A,
então B), mas a possibilidade de existir uma relação entre as
variáveis estabelecidas (A e B), relação essa que pode ser de
dependência, de associação e até mesmo, de uma simples
causalidade.
Por fim, e como sustentação para o fato da assertiva “e” não ter sido,
ao menos em princípio, considerada correta pela banca, destaco que
é importante que não confundamos hipóteses com pressuposto.
Hipótese é que o que se pretende (pretendeu) demonstrar com a
adoção do regime de metas de inflação, enquanto que os
pressupostos de “fracasso da adoção do regime de regras de
expansão monetária” e de “política monetária é inócua para afetar as
variáveis reais da economia de forma duradoura, como os níveis de
produto e de emprego” são entendimentos que se demonstram ao
longo da adoção das medidas de política monetária. 

1
Dislike0
User badge image

Andre Smaira

O regime de metas de inflação vem sendo considerado por muitos economistas do mainstream como a maneira mais eficiente de condução da política monetária, tendo sido adotado pelos bancos centrais de muitos países a partir da década de 1990, entre eles o Brasil, que adotou o regime em 1999.


O regime de metas de inflação se constitui no anúncio prévio de uma meta para inflação em prazo pré-determinado e no compromisso explícito do Banco Central com o cumprimento da meta. Essa política é baseada em pressupostos ortodoxos, como a neutralidade da moeda e as expectativas racionais, que implicam na conclusão de que a política monetária é ineficaz para afetar as variáveis reais no longo prazo e de que há um viés inflacionário na prática governamental.


Com isso, a política monetária deveria enfatizar a estabilidade de preços por meio da aplicação de uma regra, que evitasse discricionariedades por parte da autoridade monetária, utilizando a taxa de juros de curto prazo como instrumento praticamente exclusivo para atingir tal fim (Freitas, 2010). Entre os principais economistas do mainstream, formou-se um consenso de que essa seria a melhor política monetária.

0
Dislike0

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis


✏️ Responder

SetasNegritoItálicoSublinhadoTachadoCitaçãoCódigoLista numeradaLista com marcadoresSubscritoSobrescritoDiminuir recuoAumentar recuoCor da fonteCor de fundoAlinhamentoLimparInserir linkImagemFórmula

Para escrever sua resposta aqui, entre ou crie uma conta.

User badge image

Perguntas relacionadas

Materiais relacionados

Materiais recentes

Perguntas Recentes