A maior rede de estudos do Brasil

O que se entende sobre ratificação quando se diz a respeiro de tratados internacionias?

Processo para aprovação de um tratado.


5 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Ratificação é o ato através do qual um tratado passa a ter efeito legal vinculativo para as entidades signatárias.

No Brasil, por exemplo, é realizada pelo Poder Executivo com o ad referendum do Congresso Nacional, conforme estabelece o art. 84, VIII, combinado com o art. 49, I, da Constituição Federal.

"Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:

VIII - celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional;"

"Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;"

Ratificação é o ato através do qual um tratado passa a ter efeito legal vinculativo para as entidades signatárias.

No Brasil, por exemplo, é realizada pelo Poder Executivo com o ad referendum do Congresso Nacional, conforme estabelece o art. 84, VIII, combinado com o art. 49, I, da Constituição Federal.

"Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:

VIII - celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional;"

"Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;"

User badge image

Paulo

Há mais de um mês

Vou resumir para você agora todo o processo para aprovação de um tratado,de maneira complementar ao artigo já citado pelo colega:

Os tratados internacionais são feitos entre o Brasil e outros países e podem tratar de assuntos referentes aos direitos humanos ou não. Formalizada no texto escrito com o objetivo de produzir efeito jurídico no plano internacional. Para que esses Tratados não infrinjam o principio da territorialidade, eles precisam seguir determinados passos, como: a negociação, a Assinatura do Presidente,que é um ato que autentica o texto do tratado, mas não o torna imediatamente obrigatório, logo após a assinatura permite o inicio do procedimento interno de aprovação do tratado sendo submetida apreciação do congresso nacional. Assim após o Decreto Executivo pelo presidente e o Decreto Legislativo, pelos senadores e deputados,este tratado poderá valer. Os tratados podem ser, portanto Lei se tratarem de qualquer assunto que não seja referente aos direitos humanos, através do processo comum. E será Constituição e valera como emenda Constitucional os tratados que digam respeito aos Direitos Humanos, que forem aprovados em cada casa do Congresso Nacional em dois turnos por 3/5 dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes as emendas Constitucionais. Se der certo nos 3/5 vai pra promulgação. Para ser lei precisa da presença do presidente se é emenda o presidente não tem participação formal. Os assuntos que se referirem a direito humanos que tiverem processo comum, será de natureza infraconstitucional, porem supra legal quando ele vale mais que as leis infraconstitucionais, mesmo sendo uma delas.

Espero ter ajudado, se gostou da resposta, clique na seta para cima para aprová-la.

Bons Estudos!

User badge image

Gustavo

Há mais de um mês

Indo um pouco além da resposta do colega, fazendo analise do artigo 5°, §3° da CRFB/88, um tratado internacional sobre direitos humanos não aprovado na forma desse artigo, como descrito acima pelo colega, (aprovados em cada casa do Congresso Nacional em dois turnos por 3/5 dos votos dos respectivos membros) equipara-se a lei ordinária, já os aprovados desta forma tornam-se emendas constitucionais com força de norma constitucional. De maneira que se cria um problema do ponto de vista que não pode existir hierarquia entre direitos fundamentais, mas desta forma cria-se hierarquia entre matérias relativa a direitos humanos em tratados. Daí gera-se duas teorias doutrinarias: a da faculdade em aprovar, gerando a hierarquia entre os dispostos; e a da obrigação de aprovar, onde seria obrigado a aprovar pelo quorum de 3/5.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas