A maior rede de estudos do Brasil

Duas questões sobre fisiologia:

Por que um músculo esquelético só se contrai se houver potencial de ação no neurónio motor conectado a este músculo?

Qual a importância do ATP para a contração muscular?


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

O movimento de encurtamento muscular ocorre quando as cabeças de miosina se ligam à actina e puxam a actina para dentro. Esta ação requer energia, que é fornecida pelo ATP. A miosina liga-se à actina em um local de ligação na proteína actina globular. A miosina possui outro sítio de ligação para o ATP, no qual a atividade enzimática hidrolisa o ATP ao ADP, liberando uma molécula de fosfato inorgânico e energia.


A ligação do ATP faz com que a miosina libere a actina, permitindo que a actina e a miosina se separem uma da outra. Após isto acontece, o ATP recém-ligada é convertido em ADP e fosfato inorgânico. A enzima no local de ligação na miosina é chamada ATPase. A energia liberada durante a hidrólise do ATP altera o ângulo da cabeça da miosina para uma posição “engatilhada”. A cabeça da miosina está então em posição para mais movimento, possuindo energia potencial. Se os locais de ligação à actina estiverem cobertos e indisponíveis, a miosina permanecerá na configuração de alta energia com o hidrolisado de ATP, mas ainda ligado.


Se os locais de ligação de actina forem descobertos, uma ponte cruzada se formará; isto é, a cabeça da miosina abrange a distância entre as moléculas de actina e miosina. A cabeça da miosina se move em direção à linha M, puxando a actina junto com ela. Conforme a actina é puxada, os filamentos se movem aproximadamente 10 nm em direção à linha M. Esse movimento é chamado de golpe de força, pois é o passo em que a força é produzida. À medida que a actina é puxada em direção à linha M, o sarcômero se encurta e o músculo se contrai.


Quando a cabeça da miosina está “engatilhada”, ela contém energia e está em uma configuração de alta energia. Essa energia é gasta à medida que a cabeça da miosina se move através do golpe de força; no final do curso de força, a cabeça miosina está em uma posição de baixa energia. Após o golpe de energia, o ADP é liberado; entretanto, a ponte cruzada formada ainda está no lugar, e a actina e a miosina estão unidas. O ATP pode, então, anexar-se à miosina, o que permite que o ciclo de ponte cruzada comece de novo e ocorra uma contração muscular adicional.

O movimento de encurtamento muscular ocorre quando as cabeças de miosina se ligam à actina e puxam a actina para dentro. Esta ação requer energia, que é fornecida pelo ATP. A miosina liga-se à actina em um local de ligação na proteína actina globular. A miosina possui outro sítio de ligação para o ATP, no qual a atividade enzimática hidrolisa o ATP ao ADP, liberando uma molécula de fosfato inorgânico e energia.


A ligação do ATP faz com que a miosina libere a actina, permitindo que a actina e a miosina se separem uma da outra. Após isto acontece, o ATP recém-ligada é convertido em ADP e fosfato inorgânico. A enzima no local de ligação na miosina é chamada ATPase. A energia liberada durante a hidrólise do ATP altera o ângulo da cabeça da miosina para uma posição “engatilhada”. A cabeça da miosina está então em posição para mais movimento, possuindo energia potencial. Se os locais de ligação à actina estiverem cobertos e indisponíveis, a miosina permanecerá na configuração de alta energia com o hidrolisado de ATP, mas ainda ligado.


Se os locais de ligação de actina forem descobertos, uma ponte cruzada se formará; isto é, a cabeça da miosina abrange a distância entre as moléculas de actina e miosina. A cabeça da miosina se move em direção à linha M, puxando a actina junto com ela. Conforme a actina é puxada, os filamentos se movem aproximadamente 10 nm em direção à linha M. Esse movimento é chamado de golpe de força, pois é o passo em que a força é produzida. À medida que a actina é puxada em direção à linha M, o sarcômero se encurta e o músculo se contrai.


Quando a cabeça da miosina está “engatilhada”, ela contém energia e está em uma configuração de alta energia. Essa energia é gasta à medida que a cabeça da miosina se move através do golpe de força; no final do curso de força, a cabeça miosina está em uma posição de baixa energia. Após o golpe de energia, o ADP é liberado; entretanto, a ponte cruzada formada ainda está no lugar, e a actina e a miosina estão unidas. O ATP pode, então, anexar-se à miosina, o que permite que o ciclo de ponte cruzada comece de novo e ocorra uma contração muscular adicional.

User badge image

Roosiwelt Silva

Há mais de um mês

Não leve minhas respostas muito a risca, mas vamos lá:

 

R1) Pois o neurônio eferente que se conecta ao musculo esquelético, quando o PA vem por ele e termina na placa motora, vesículas com neurotransmissores (acetilcolina) são secretadas. Esses NT se ligam aos seus receptores (receptor nicotínico da Acetilcolina), que é um receptor ionotrópico catiônico. Esse receptor, quando ligado com o NT, vai favorecer o influxo de íons Na+ que alterará a voltagem da célula muscular, abrindo assim os canais de calcio dependentes de voltagem (CaV) e ocorrendo os mecanismos posteriores de contração. 

R2) O ATP se liga a cabeça leve da miosina, para que a mesma "empurre" os filamentos de actina para haver a contração. E como essa mesma cabeça tem uma atividade ATPásica intrínseca, ela cliva o ATP, fazendo com que a miosina se solte dos filamentos de actina.

 

OBS: COMPLEMENTE ESSAS RESPOSTAS. PODE HAVER ERROS. 

User badge image

Jéssica Viana

Há mais de um mês

Ajudaram bastante. Muito Obrigada ☺

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas