A maior rede de estudos do Brasil

"furto" de sinal de TV a cabo

Já existe algum posicionamento pacificado no que tange à Jurisprudência acerca da tipificação (ou não) do "furto" de sinal de TV a cabo como incurso no art. 155 caput ou no §3º, do CP?


2 resposta(s)

User badge image

Guilherme

Há mais de um mês

O STJ possui entendimento pacificado inclusive por decisões recentes como o STJ RHC 30847 / RJ que seria possível enquadrar no art. 155, §3º, já o STF entende que não é possível fazer analogia in malam parte, em virtude do princípio da estrita legalidade penal


STF HC 97261 / RS - Relator(a):  Min. JOAQUIM BARBOSA
Julgamento:  12/04/2011           Órgão Julgador:  Segunda Turma

EMENTA: H ABEAS C ORPUS . D IREITO P ENAL. A LEGA Ç Ã O DE ILEGITIMIDADE RECURSAL DO ASSISTENTE DE ACUSA Ç Ã O. I MPROCED Ê NCIA. I NTERCEPTA Ç Ã O OU RECEPTA Ç Ã O N Ã O AUTORIZADA DE SINAL DE TV A CABO. F URTO DE ENERGIA (ART. 155, § 3 º , DO C Ó DIGO P ENAL). A DEQUA Ç Ã O T Í PICA N Ã O EV IDENCIADA. C ONDUTA T Í PICA PREVISTA NO ART. 35 DA L EI 8.977/95. I NEXIST Ê NCIA DE PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. A PLICA Ç Ã O DE ANALOGIA IN MALAM PARTEM PARA COMPLEMENTAR A NORMA. I NADMISSIBILIDADE. O BEDI Ê NCIA A O PRINC Í PIO CONSTITUCIONAL DA ESTRITA LEGALIDADE PEN AL. P RECEDENTES. O assistente de acusação tem legitimidade para recorrer de decisão absolutória nos casos em que o Ministério Público não interpõe recurso. Decorrência do enunciado da Súmula 210 do Supremo Tribunal Federal. O sinal de TV a cabo não é energia, e assim, não pode ser objeto material do delito previsto no art. 155, § 3º, do Código Penal. Daí a impossibilidade de se equiparar o desvio de sinal de TV a cabo ao delito descrito no referido dispositivo. Ademais, na esfera penal não se admite a aplicação da analogia para suprir lacunas, de modo a se criar penalidade não mencionada na lei (analogia in malam partem), sob pena de violação ao princípio constitucional da estrita legalidade. Precedentes. Ordem concedida.

O STJ possui entendimento pacificado inclusive por decisões recentes como o STJ RHC 30847 / RJ que seria possível enquadrar no art. 155, §3º, já o STF entende que não é possível fazer analogia in malam parte, em virtude do princípio da estrita legalidade penal


STF HC 97261 / RS - Relator(a):  Min. JOAQUIM BARBOSA
Julgamento:  12/04/2011           Órgão Julgador:  Segunda Turma

EMENTA: H ABEAS C ORPUS . D IREITO P ENAL. A LEGA Ç Ã O DE ILEGITIMIDADE RECURSAL DO ASSISTENTE DE ACUSA Ç Ã O. I MPROCED Ê NCIA. I NTERCEPTA Ç Ã O OU RECEPTA Ç Ã O N Ã O AUTORIZADA DE SINAL DE TV A CABO. F URTO DE ENERGIA (ART. 155, § 3 º , DO C Ó DIGO P ENAL). A DEQUA Ç Ã O T Í PICA N Ã O EV IDENCIADA. C ONDUTA T Í PICA PREVISTA NO ART. 35 DA L EI 8.977/95. I NEXIST Ê NCIA DE PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. A PLICA Ç Ã O DE ANALOGIA IN MALAM PARTEM PARA COMPLEMENTAR A NORMA. I NADMISSIBILIDADE. O BEDI Ê NCIA A O PRINC Í PIO CONSTITUCIONAL DA ESTRITA LEGALIDADE PEN AL. P RECEDENTES. O assistente de acusação tem legitimidade para recorrer de decisão absolutória nos casos em que o Ministério Público não interpõe recurso. Decorrência do enunciado da Súmula 210 do Supremo Tribunal Federal. O sinal de TV a cabo não é energia, e assim, não pode ser objeto material do delito previsto no art. 155, § 3º, do Código Penal. Daí a impossibilidade de se equiparar o desvio de sinal de TV a cabo ao delito descrito no referido dispositivo. Ademais, na esfera penal não se admite a aplicação da analogia para suprir lacunas, de modo a se criar penalidade não mencionada na lei (analogia in malam partem), sob pena de violação ao princípio constitucional da estrita legalidade. Precedentes. Ordem concedida.

User badge image

Jardel

Há mais de um mês

Agradeço imensamente pelas assertivas. Entretanto, depreende-se do explanado que a temática se encontra, em verdade, longe de um consenso. Infere-se, pela notável incongruência das decisões prolatas (STF e STJ), uma premente "insegurança jurídica". O presente debate é sobremaneira acadêmico, visto que perpassa pelos meandros do Direito Civil, das noções introdutorias do Direito, do Direito Constitucional, até desaguar no Direito Penal. As discussões acerca do tema assim se desenvolvem: "O sinal de TV a cabo pode ser considerado como energia e, por decorrência, bem jurídicamente tutelado pelo art. 155, §3º, do CP (eu entendo que não)? O sinal de TV a cabo pode assemelhar-se a coisa alheia móvel incorpórea, inserto na caracterização de um bem sujeito à tutela dispensada pelo citado diploma legal (entendo que não)? Sendo o fato atípico, seria ética a permissividade diante de uma lacuna normativa (também entendo que não)? Na minha humilde opinião, o STJ está "forçando a barra", enquanto o STF analisa somente a seara do direito cerceado ao conceder habeas corpus. Não é debalde alertar quanto à vigência da Lei 8.977/ 95, a qual, em seu art. 35, presecreve: "Constitui ilícito penal a interceptação ou a receptação não autorizada de sinal de TV a cabo.". Seria a panacéia para o entrave? Ainda não, pois esta norma não prescreve sanção penal para quem a infrigir. Eis aí a sempre árdua tarefa de interpretação do nobre "operador do direito".

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes