A maior rede de estudos do Brasil

Quais as visões de Descartes sobre temas ligados à psicologia?

Vamos nos nortear por 5 questões bases: Como Descartes lida com a relação...

  1. ... corpo-mente
  2. ... razão-emoção
  3. ...verdade-falsidade
  4. ...certo-errado
  5. ...normal-patológico

Para organizarmos nossa discussão, postem a reposta indicando qual(is) ítens está respondendo.


2 resposta(s)

User badge image

Ivan

Há mais de um mês

Para Descartes, a nossa mente (ou consciência) e a realidade externa são dois reinos separados e autônomos, nenhum sendo dependente do outro. Embora ele não negue que a mente seja capaz de compreender objetos externos a ela, aquilo de que estamos imediatamente conscientes, para Descartes, não são os objetos externos, mas apenas representações mentais, ou idéias, produzidas pela nossa própria mente. A mente, portanto, tem contato com o mundo externo apenas através de idéias, que são representações mentais dos objetos externos.Seguindo sua linha de pensamento, seus estudos tiveram início colocando em dúvida sua própria existência. Descartes chegou à conclusão que uma consciência clara de seu pensamento provava sua própria existência. Isso foi considerado um fato verdadeiro a partir do qual ele passou a provar a existência de outras coisas. Sua conclusão foi expressa através das clássicas palavras Cogito, ergo sum: “Penso, logo existo”.Descartes teve grande influência no desenvolvimento da filosofia, repercutindo nos estudos da matemática, ciências e também nos campos da justiça e da teologia. Acima de tudo, seu trabalho filosófico teve um grande impacto sobre o pensamento europeu. Descartes influenciou muitos dos filósofos que vieram posteriormente. Ao longo dos séculos XVII e XVIII, suas idéias filosóficas estiveram sempre presentes. Grandes filósofos como Locke, Hume e Kant utilizaram suas teorias e princípios. Por estas razões, ele é freqüentemente chamado de o pai da filosofia moderna.

Para Descartes, a nossa mente (ou consciência) e a realidade externa são dois reinos separados e autônomos, nenhum sendo dependente do outro. Embora ele não negue que a mente seja capaz de compreender objetos externos a ela, aquilo de que estamos imediatamente conscientes, para Descartes, não são os objetos externos, mas apenas representações mentais, ou idéias, produzidas pela nossa própria mente. A mente, portanto, tem contato com o mundo externo apenas através de idéias, que são representações mentais dos objetos externos.Seguindo sua linha de pensamento, seus estudos tiveram início colocando em dúvida sua própria existência. Descartes chegou à conclusão que uma consciência clara de seu pensamento provava sua própria existência. Isso foi considerado um fato verdadeiro a partir do qual ele passou a provar a existência de outras coisas. Sua conclusão foi expressa através das clássicas palavras Cogito, ergo sum: “Penso, logo existo”.Descartes teve grande influência no desenvolvimento da filosofia, repercutindo nos estudos da matemática, ciências e também nos campos da justiça e da teologia. Acima de tudo, seu trabalho filosófico teve um grande impacto sobre o pensamento europeu. Descartes influenciou muitos dos filósofos que vieram posteriormente. Ao longo dos séculos XVII e XVIII, suas idéias filosóficas estiveram sempre presentes. Grandes filósofos como Locke, Hume e Kant utilizaram suas teorias e princípios. Por estas razões, ele é freqüentemente chamado de o pai da filosofia moderna.

User badge image

Estudante

Há mais de um mês

René Descartes e a Psicologia

     Descartes nasceu na França em 31 de março de 1596, teve uma vida confortável. Aos 21 anos, serviu como voluntário nos exércitos da Holanda, da Bavária e da Hungria e ficou conhecido como um espachim ousado e habilidoso.     Seu único romance mais duradouro foi o relacionamento de três anos com a holandesa Helena Jans, que deu a luz a sua filha Francine, que faleceu aos 5 anos de idade em seus braços, assim vivenciou “a mais profunda dor de seu vida”. Permaneceu solteiro pelo resto de sua vida. Descartes escreveu muitos trabalhos relacionados com a matemática e filosofia. Sua crescente fama chamou atenção dos poderosos da época.       O trabalho mais importante de Descartes para o desenvolvimento da Psicologia moderna foi a tentativa de resolver o problema mente-corpo (questão da distinção entre as qualidades física e mental). Antes de Descartes, a teoria predominante afirmava ser a interação entre a mente e o corpo essencialmente unilateral. A mente era capaz de exercer grande influência sobre o corpo, enquanto o corpo exercia pouco efeito sobre a mente. Na sua visão, a mente e o corpo eram realmente compostos de diferentes essências. Na teoria da interação mente-corpo de Descartes, a mente influencia o corpo e a influencia do corpo deste sobre a mente era maior do que se acreditava.                             Descartes introduziu uma abordagem para a questão que perdurava havia tanto tempo, ou seja o problema mente e corpo e concentrou sua atenção na dualidade físico-psicológico. Assim, redirecionou a atenção dos pesquisadores, que passaram do conceito teológico abstrato da alma para o estudo científico da mente e dos processos mentais.       Desse modo, os cientistas acabaram aceitando a mente e o corpo como duas entidades separadas. A idéia revolucionária de Descartes afirma que a mente e o corpo, embora distintos, são capazes de interagir sobre o corpo do mesmo modo que na mente.     Descartes foi influenciado pelo espírito mecanicista da época, refletido nos relógios mecânicos e nos robôs.  Quando morou em Paris, ficou encantado com as maravilhas mecânicas instaladas nos jardins reais. Quando descrevia o corpo humano, fazia referência direta as figuras mecânicas que vira. Comparava os nervos do corpo humano aos canos dentro dos quais corria a água e os músculos e tendões as engrenagens e molas. Os movimentos do robô não resultavam da ação voluntária da máquina, mas de ações externas como, por exemplo, a pressão da água. A natureza involuntária desses movimentos refletia-se na observação de Descartes, de que os movimentos corporais, muitas vezes ocorrem sem a intenção consciente do indivíduo.       Descartes é definido como o autor da teoria do ato reflexo (à idéia de um objeto externo (Estímulo) pode provocar uma resposta involuntária). Essa teoria é precursora da moderna psicologia Behaviorista de estímulos e respostas, cuja idéia consiste na possibilidade de um objeto externo (estímulo) provocar uma resposta involuntária, como a perna que solta quando o médico bate no joelho com um pequeno martelo. O comportamento reflexo não envolve pensamento nem processo cognitivo: parece ser mecânico ou automático. De acordo com a teoria de Descartes, a mente é imaterial,  ou seja, não tem substância física, mas é provido de capacidade de pensamento e de outros processos cognitivos.       A doutrina das idéias de Descartes também exerceu profunda influência no desenvolvimento da psicologia moderna. Ele afirmava ser a mente produtora de dois tipos de idéias: as  derivadas que surgem da aplicação direta de estímulos externos, tais como o som do sino ou a imagem de uma arvore são produtos das experiências dos sentidos. As idéias inatas surgem da mente ou da consciência independente das experiências sensoriais ou dos estímulos e externos, não são produzidas por objeto do mundo externo que invadem os sentidos mais desenvolvidos a partir da mente ou do consciente. Embora as idéias inatas possam existir independentemente das sensações é possível serem percebidas na presença das experiências adequadas. Entre as idéias inatas identificadas por Descartes está Deus, o eu, a perfeição e o infinito.O trabalho de Descartes serviu como catalisador das diversas tendências convergentes da nova Psicologia. Dente as contribuições sistemáticas mais importantes destacam-se:·         A concepção mecanicista do corpo·         A teoria do ato reflexo·         A interação mente-corpo·         A localização das funções mentais no cérebro·         A doutrina das idéias inatas       Descartes morreu em 11 de fevereiro de 1650, conseqüência de pneumonia. Após 16 anos de morte de Descartes, seus amigos decidiram que os despojos deveriam retornar à França. Enviaram a Suécia um caixão que era pequeno demais parar conter os restos mortais. Assim as autoridades suecas decidiram cortar a cabeça e enterrá-la até que outras providencias fossem tomadas. Enquanto os restos mortais de Descartes eram preparados para a viagem de retorno para casa, o embaixador Francês na Suécia decidiu guardar um Souvenir e cortou-lhe o dedo indicador direito. O corpo, agora sem a cabeça e sem um dedo, foi sepultado em Paris em meio a muita pompa e cerimônia. Algum tempo depois, um oficial do exercito sueco desenterrou o crânio de Descartes e guardou-o de lembrança. Durante 150 anos ele passou de um colecionador para outro ate ser finalmente enterrado em Paris.       Os cadernos e os manuscritos de Descartes foram enviados para Paris depois da sua morte. Porém o navio afundou pouco antes de atracar e os papeis estiverem submersos por três dias. O trabalho de restauração levou 17 anos para tornar possível a publicaçãoAutora: Najara 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes