A maior rede de estudos do Brasil

crime de menor potencial ofensivo.

há prisão em flagrante em  crime de menor potencial ofensivo?

obs: desacato.


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

A prisão em flagrante é possível em algumas hipóteses.

Importa, no entanto, que o artigo 69 da Lei nº 9.099/95 seja observado:

"Art. 69. A autoridade policial que tomar conhecimento da ocorrência lavrará termo circunstanciado e o encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima, providenciando-se as requisições dos exames periciais necessários.

Parágrafo único. Ao autor do fato que, após a lavratura do termo, for imediatamente encaminhado ao juizado ou assumir o compromisso de a ele comparecer, não se imporá prisão em flagrante, nem se exigirá fiança. Em caso de violência doméstica, o juiz poderá determinar, como medida de cautela, seu afastamento do lar, domicílio ou local de convivência com a vítima."

Temos, portanto, que nos crimes de menor potencial ofensivo não cabe prisão em flagrante, nem se exige fiança, quando o autor do fato, após a lavratura do termo circunstanciado:

a) for imediatamente encaminhado ao Juizado; e

b) assumir o compromisso de a ele comparecer.

A prisão em flagrante é possível em algumas hipóteses.

Importa, no entanto, que o artigo 69 da Lei nº 9.099/95 seja observado:

"Art. 69. A autoridade policial que tomar conhecimento da ocorrência lavrará termo circunstanciado e o encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima, providenciando-se as requisições dos exames periciais necessários.

Parágrafo único. Ao autor do fato que, após a lavratura do termo, for imediatamente encaminhado ao juizado ou assumir o compromisso de a ele comparecer, não se imporá prisão em flagrante, nem se exigirá fiança. Em caso de violência doméstica, o juiz poderá determinar, como medida de cautela, seu afastamento do lar, domicílio ou local de convivência com a vítima."

Temos, portanto, que nos crimes de menor potencial ofensivo não cabe prisão em flagrante, nem se exige fiança, quando o autor do fato, após a lavratura do termo circunstanciado:

a) for imediatamente encaminhado ao Juizado; e

b) assumir o compromisso de a ele comparecer.

User badge image

Evandro Verissimo Mariano

Há mais de um mês

O artigo 301 do Código de Processo Penal assim define: “qualquer do povo poderá e as autoridades policiais e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito”.

Portanto, é perfeitamente possível a prisão em flagrante nas infrações penais de menor potencial ofensivo.

O que o legislador quis ao prever a não possibilidade de prisão em flagrante nas infrações de menor potencial ofensivo, previsto no parágrafo único do artigo 69 da Lei 9.0099/95, foi a aplicação dos critérios norteadores contidos na mencionada lei. Assim, em se tratando de Juizados Especiais Criminais, os princípios da oralidade, informalidade, economia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de liberdade, deverão ser observados logo que a Autoridade Policial, no caso, o Delegado de Polícia, tome conhecimento dos fatos e, em uma análise preliminar, se convença da ocorrência de uma infração penal de menor potencial ofensivo. Observados os requisitos para a não lavratura da prisão em flagrante, quais sejam, o encaminhamento imediato do autor do fato ao Juizado logo após a lavratura do termo circunstanciado ou se o autor assumir o compromisso de a ele comparecer, não será elaborado o auto de prisão em flagrante, nem se exigirá fiança.

O parágrafo único do artigo 69 da Lei 9.0099/95 deve ser interpretado de forma extensiva, pois nestas infrações, como já afirmado, poderá ocorrer a prisão em flagrante, como realidade prática, ou seja, a captura e a apresentação ao Delegado de Polícia de alguém que está cometendo ou acaba de cometer uma infração penal. Mas não poderá haver a prisão em flagrante como realidade formal, ou seja, apresentado o autor do fato, não será lavrado o auto de prisão em flagrante, mas apenas o termo circunstanciado de ocorrência e o termo de compromisso. No entanto, caso não assuma o compromisso de comparecer ao Juizado, o auto de prisão em flagrante será lavrado nos termos do artigo 304 do Código de Processo Penal.

A paz jurídica e a ordem social devem ser preservadas e resguardadas nas devidas proporções, razão pela qual não se poderá afastar a possibilidade da realização da captura do autor de crime ou infração de menor potencial ofensivo em situação de flagrância por quem quer que seja. Não devemos confundir a prisão em flagrante com autuação em flagrante. A primeira possui caráter material, previsto no ordenamento processual penal e na própria Constituição Federal. A segunda se refere tão-somente ao seu aspecto formal e, somente será procedida em não havendo a possibilidade de adotar-se o procedimento especial previsto na Lei 9.099/95.

O auto de prisão em flagrante é uma peça que requer tempo para sua elaboração, exigindo-se a oitiva de condutor, testemunhas, vítimas e autor dos fatos, o que afasta, sobremaneira, todos os princípios que regem os Juizados Especiais Criminais. No mais, prima-se pela tentativa de conciliação por meio do instituto da transação penal, fase esta preliminar a discussão da matéria fática. Não haveria o porquê adentrar no mérito na fase policial se na fase judicial o que se busca de início é a solução do conflito visando à reparação dos danos e a aplicação de pena não privativa de liberdade.

Ora, seria incoerente admitir-se, de forma hipotética, a captura por parte de policiais militares de alguém em flagrante por infração de menor potencial ofensivo, onde o autor é conduzido preso e algemado no compartimento da viatura policial e, ao chegar na Delegacia de Polícia, deixá-lo livre apenas em razão da lei dizer que não será elaborado o auto de prisão em flagrante, nem se exigirá fiança se o autor do fato, logo após a lavratura do termo circunstanciado, for encaminhado imediatamente ao Juizado ou se assumir o compromisso de a ele comparecer.

Porém, a realidade prática é bem diferente. Uma vez capturado em situação de flagrância, ao ser conduzido até a presença do Delegado de Polícia, o autor do fato estará sob a custódia do Estado e algumas medidas cautelares deverão ser tomadas pelos agentes da Autoridade Policial, quer para se evitar a sua fuga antes de assumir o compromisso, ou a realização de pesquisa acerca de sua correta identificação para se evitar a imputação de uma conduta a um inocente, pois é plenamente possível o capturado fornecer dados incorretos acerca de sua identidade. Certo é que o cerceamento de liberdade do autor do fato já ocorreu desde o momento de sua captura, ainda antes de sua chegada na Delegacia de Polícia e deverá perdurar o tempo necessário para formalização de todos os atos previstos em lei, vale a pena mencionar, bem menos demorado que uma autuação em flagrante. O que deverá prevalecer é a justa causa e o bom senso na manutenção de sua custódia. Assim, somente o tempo desnecessário ou ato policial que não vise de maneira profícua esta formalização de forma imediata, poderá ser entendido, em tese, como crime de abuso de autoridade.

User badge image

Tamara

Há mais de um mês

De acordo com o Parágrafo único do art. 69 da lei 9.099/95 não!

User badge image

Matscelo Boaz Tarley

Há mais de um mês

quando ha os elementos onde ha, o crime, a vitima, o produto do crime e a testemunha, faz-se o que esta previsto na norma juridica, detencao, prisao, e o conduz a autoridade judiciaria, que arbitrara a fianca, ou fara o tco, que neste caso segue para o judiciario decidir a sancao.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas