A maior rede de estudos do Brasil

Preciso de ajuda nesta prova de gestão de pessoas

Para essa segunda atividade avaliativa você deve:

A)    Ler o capítulo 9 do livro texto da disciplina: Gestão da qualidade de vida no trabalho.

B)    Ler o Estudo de Caso e responder as questões abaixo.

Tamanho de resposta: Síntese com 10 linhas, em média 5 linhas por resposta; Estrutura: texto formal com coesão e coerência; Poste sua resposta na atividade avaliativa dois; Lembre-se citações devem apresentar fontes, não se aproprie das ideias de outras pessoas.

ESTUDO DE CASO –  AB do Brasil diz “xô” para o estresse

Diante da acirrada competitividade que envolve o mercado globalizado atualmente, a visão estratégica das organizações não se restringe apenas à obtenção de tecnologias de última geração. É preciso algo a mais, afinal as organizações não se resumem a números ou máquinas, mas também contam com um fator que faz a diferença: o capital humano. E esse, por sua vez, não pode e nem deve ser tratado de qualquer forma, afinal as pessoas possuem suas individualidades, suas expectativas e seus sonhos. Nesse contexto, as empresas buscam alternativas para captar e reter talentos e isso, diga-se de passagem, vai além dos salários atraentes. Hoje, por exemplo, é comum encontrar profissionais que preferem receber remunerações mais baixas, caso encontrem um organização que invista na melhoria da qualidade de vida dos funcionários. Um case interessante e que retrata bem essa realidade acontece no dia-a-dia da AB do Brasil. Em novembro de 2014, por exemplo, após uma reunião com a presença de 350 executivos, a organização traçou uma nova estratégia para a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT). Na oportunidade, como o tema estresse sempre era considerado uma das grandes preocupações do Departamento de Saúde e Qualidade de Vida da empresa, os executivos decidiram implantar um programa específico para trabalhar essa questão junto aos funcionários de todos os níveis hierárquicos, estagiários e terceiros que atuavam nas unidades da AB do Brasil. A partir daquele momento, surgia o “Ação Inteligente Contínua (AIC)” – um programa criado com o objetivo de oferecer um conjunto de subsídios que proporcionassem aos colaboradores estabilidade e equilíbrio interno para lidar com as inúmeras pressões com que conviviam e enfrentavam na rotina corporativa.

QUESTÕES:

1)    Realizando uma pesquisa diferencie a Síndrome do Estresse e a Síndrome de Burnout.

2)    Identifique e explique as fases para as empresas criarem um programa de QVT.


1 resposta(s)

User badge image

Rennan

Há mais de um mês

O termo “burnout” foi inventado na década de 1970 pelo psicólogo norte-americano Herbert Freudenberger. Ele usou isso para descrever as conseqüências do estresse severo e ideais elevados nas profissões de “ajuda”. Médicos e enfermeiras, por exemplo, que se sacrificam por outros, muitas vezes acabam sendo “queimados” – esgotados, apáticos e incapazes de lidar. Hoje em dia, o termo não é usado apenas para essas profissões de ajuda, ou para o lado obscuro do auto-sacrifício. Parece que isso pode afetar qualquer pessoa, desde estridentes e celebridades estressadas até empregados sobrecarregados e donas de casa.
 

O termo “burnout” foi inventado na década de 1970 pelo psicólogo norte-americano Herbert Freudenberger. Ele usou isso para descrever as conseqüências do estresse severo e ideais elevados nas profissões de “ajuda”. Médicos e enfermeiras, por exemplo, que se sacrificam por outros, muitas vezes acabam sendo “queimados” – esgotados, apáticos e incapazes de lidar. Hoje em dia, o termo não é usado apenas para essas profissões de ajuda, ou para o lado obscuro do auto-sacrifício. Parece que isso pode afetar qualquer pessoa, desde estridentes e celebridades estressadas até empregados sobrecarregados e donas de casa.
 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes