A maior rede de estudos do Brasil

INDIGNIDADE DO HERDEIRO

Comente acerca da ausência de condenação criminal, que gera a impossibilidade jurídica do pedido do reconhecimento da indignidade do herdeiro, no juízo cível.

Direito Civil VIFADIVALE

2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

O art. 1814, I, do CC traz a hipótese de exclusão de herdeiro da sucessão, por indignidade, sendo certo que depende de provocação de interessados ou do Ministério Público:

"Art. 1.814. São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários:

I - que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;

[...]

Art. 1.815. A exclusão do herdeiro ou legatário, em qualquer desses casos de indignidade, será declarada por sentença.

§ 1 O direito de demandar a exclusão do herdeiro ou legatário extingue-se em quatro anos, contados da abertura da sucessão. 

§ 2 Na hipótese do inciso I do art. 1.814, o Ministério Público tem legitimidade para demandar a exclusão do herdeiro ou legatário."

Entretanto, somente se verifica autoria, coautoria e participação em homicídio doloso por meio de apuração pela via do processo criminal, razão pela qual a não-condenação pressupõe inocência dos acusados, nos termos do art. 5º, LVII, da CRFB: "LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;"

Sabemos que o processo criminal pode demorar, mas isso não seria um problema para fins prescricionais, nos termos do art. 200, do CC:

"Art. 200. Quando a ação se originar de fato que deva ser apurado no juízo criminal, não correrá a prescrição antes da respectiva sentença definitiva."

O art. 1814, I, do CC traz a hipótese de exclusão de herdeiro da sucessão, por indignidade, sendo certo que depende de provocação de interessados ou do Ministério Público:

"Art. 1.814. São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários:

I - que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;

[...]

Art. 1.815. A exclusão do herdeiro ou legatário, em qualquer desses casos de indignidade, será declarada por sentença.

§ 1 O direito de demandar a exclusão do herdeiro ou legatário extingue-se em quatro anos, contados da abertura da sucessão. 

§ 2 Na hipótese do inciso I do art. 1.814, o Ministério Público tem legitimidade para demandar a exclusão do herdeiro ou legatário."

Entretanto, somente se verifica autoria, coautoria e participação em homicídio doloso por meio de apuração pela via do processo criminal, razão pela qual a não-condenação pressupõe inocência dos acusados, nos termos do art. 5º, LVII, da CRFB: "LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;"

Sabemos que o processo criminal pode demorar, mas isso não seria um problema para fins prescricionais, nos termos do art. 200, do CC:

"Art. 200. Quando a ação se originar de fato que deva ser apurado no juízo criminal, não correrá a prescrição antes da respectiva sentença definitiva."

User badge image

Alex

Há mais de um mês

O Art. 1.815 do CC/2002 trata que a senteça judicial quanto as espécies de indignidade, todavia, o art. 1.1814 traz a expressão "meios fraudulentos". Nem toda fraude é criminal. Imaginemos o seguinte, o filho avisa o pai que se ele não destinar uma parte maior da herança para ele que simplesmente deixará de pagar o financiamento de um imóvel no qual ele é fiador. Vejamos, nesse caso simplório estamos diante de uma coação que encaixa-se nesses meios fraudulentos. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas