A maior rede de estudos do Brasil

Qual o momento de consumação do roubo?

O STF firmou entendimento (Súmula 582). Haveria outras possibilidades de consumação?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Existem quatro teorias sobre o tema:

  • Contrectacio:

Segundo esta teoria, a consumação se dá pelo simples contato entre o agente e a coisa alheia. Se tocou, já consumou.

  • Apprehensio (amotio):

A consumação ocorre no momento em que a coisa subtraída passa para o poder do agente, ainda que por breve espaço de tempo, mesmo que o sujeito seja logo perseguido pela polícia ou pela vítima. Quando se diz que a coisa passou para o poder do agente, isso significa que houve a inversão da posse. Por isso, ela é também conhecida como teoria da inversão da posse. 

  • Ablatio:

A consumação ocorre quando a coisa, além de apreendida, é transportada de um lugar para outro.

  • Ilatio:

A consumação só ocorre quando a coisa é levada ao local desejado pelo ladrão para tê-la a salvo.

Para o STF e o STJ, o Brasil adota a teoria da apprehensio (amotio), segundo a qual o crime de roubo se consuma no momento em que o agente obtém a posse do bem, mediante violência ou grave ameaça, ainda que não seja mansa e pacífica e/ou ou haja perseguição policial, sendo prescindível que o objeto subtraído saia da esfera de vigilância da vítima.

"Consuma-se o crime de ROUBO com a inversão da posse do bem, mediante emprego de violência ou grave ameaça, ainda que por breve tempo e em seguida a perseguição imediata ao agente e recuperação da coisa roubada, sendo prescindível a posse mansa e pacífica ou desvigiada.

STJ. 3ª Seção. REsp 1.499.050-RJ, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 14/10/2015 (recurso repetitivo) (Info 572)."

Fonte:

https://www.dizerodireito.com.br/2015/12/momento-consumativo-do-furto-e-do-roubo.html

Existem quatro teorias sobre o tema:

  • Contrectacio:

Segundo esta teoria, a consumação se dá pelo simples contato entre o agente e a coisa alheia. Se tocou, já consumou.

  • Apprehensio (amotio):

A consumação ocorre no momento em que a coisa subtraída passa para o poder do agente, ainda que por breve espaço de tempo, mesmo que o sujeito seja logo perseguido pela polícia ou pela vítima. Quando se diz que a coisa passou para o poder do agente, isso significa que houve a inversão da posse. Por isso, ela é também conhecida como teoria da inversão da posse. 

  • Ablatio:

A consumação ocorre quando a coisa, além de apreendida, é transportada de um lugar para outro.

  • Ilatio:

A consumação só ocorre quando a coisa é levada ao local desejado pelo ladrão para tê-la a salvo.

Para o STF e o STJ, o Brasil adota a teoria da apprehensio (amotio), segundo a qual o crime de roubo se consuma no momento em que o agente obtém a posse do bem, mediante violência ou grave ameaça, ainda que não seja mansa e pacífica e/ou ou haja perseguição policial, sendo prescindível que o objeto subtraído saia da esfera de vigilância da vítima.

"Consuma-se o crime de ROUBO com a inversão da posse do bem, mediante emprego de violência ou grave ameaça, ainda que por breve tempo e em seguida a perseguição imediata ao agente e recuperação da coisa roubada, sendo prescindível a posse mansa e pacífica ou desvigiada.

STJ. 3ª Seção. REsp 1.499.050-RJ, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 14/10/2015 (recurso repetitivo) (Info 572)."

Fonte:

https://www.dizerodireito.com.br/2015/12/momento-consumativo-do-furto-e-do-roubo.html

User badge image

Andrea

Há mais de um mês

segundo o entendimento do STJ, consuma-se o crime de roubo com a inversão do bem, mediante emprego de violencia ou grave ameaça, ainda que por breve tempo e em seguida a perseguição  imediata ao agente e reparação da coisa roubada, sendo prescindivel a posse mansa e pacífica ou desvigiada.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas