A maior rede de estudos do Brasil

SERVIDÃO E PASSAGEM FORÇADA

QUAL A DIFERENÇA DE PASSAGEM FORÇADA PARA SERVIDÃO LEGAL?

Direito Civil IUNICEUMA

2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

As servidões se constituem direitos reais (art. 1.225, III, do CC), enquanto a passagem forçada se refere a direito de vizinhança (Capítulo V, Seção III, do Código Civil).

Ademais, a servidão é constituída por testamento ou declaração de vontade das partes (art. 1.378, do CC), enquanto a passagem forçada, nada obstante gere direito de indenização ao vizinho que se submeterá, será imposta, sendo certo que o art. 1.285, do CC menciona o constrangimento de vizinho.

As servidões se constituem direitos reais (art. 1.225, III, do CC), enquanto a passagem forçada se refere a direito de vizinhança (Capítulo V, Seção III, do Código Civil).

Ademais, a servidão é constituída por testamento ou declaração de vontade das partes (art. 1.378, do CC), enquanto a passagem forçada, nada obstante gere direito de indenização ao vizinho que se submeterá, será imposta, sendo certo que o art. 1.285, do CC menciona o constrangimento de vizinho.

User badge image

Juliana

Há mais de um mês

As diferenças entre os institutos tornam-se evidentes quando analisadas pontualmente suas características. Para tanto:

PASSAGEM FORÇADA

  1. Artigo 1.285 – Código Civil - O dono do prédio que não tiver acesso a via pública, nascente ou porto, pode, mediante pagamento de indenização cabal, constranger o vizinho a lhe dar passagem, cujo rumo será judicialmente fixado, se necessário;
  2. Fonte: Lei;
  3. Direito de Vizinhança: Obrigação propter rem - O elemento obrigacional é fornecido pelo conteúdo da obrigação;
  4. NÃO Pode ser usucapido;
  5. Dispensa Registro e surgem da existência de contiguidade entre os prédios;
  6. O sujeito é pessoa definida, ou seja, a exigência é feia por e contra pessoa que em determinado momento é plenamente determinada, embora essa determinação ocorra de modo indireto, pois pode ser o próprio proprietário, ou possuidor, ou detentor, ou usufrutuário, ou outro;
  7. Finalidade: Evitar que a propriedade fique sem destinação ou utilização econômica por conta do encravamento;
  8. Há diretos e deveres recíprocos;
  9. Indenização: Condição imposta por lei.

SERVIDÃO DE PASSAGEM

  1. Artigo 1.378 – Código Civil - A servidão proporciona utilidade para o prédio dominante, e grava o prédio serviente, que pertence a diverso dono, e constitui-se mediante declaração expressa dos proprietários, ou por testamento, e subsequente registro no Cartório de Registro de Imóveis;
  2. Fonte: Ato de Vontade, por via contratual, testamentária. Excepcionalmente da usucapião;
  3. Direito Real: O elemento real se realça na vinculação do proprietário como sujeito passivo da obrigação;
  4. Pode ser usucapido;
  5. Requer Registro no Cartório de Registro de Imóveis, para que se constitua;
  6. Os efeitos são erga omnes, sem qualquer exceção, ou seja, podem ser exigidos contra qualquer pessoa, exceto o próprio titular;
  7. Finalidade: Comunicação mais fácil e próxima, conveniência e comodidade;
  8. O proprietário do prédio dominante desfruta de uma prerrogativa sobre o prédio serviente, sem que a recíproca seja verdadeira;
  9. Indenização: Não obrigatória.

Depreende-se, portanto, que o principal requisito para o reconhecimento do direito a Passagem Forçada é o encravamento do imóvel, sem que haja nenhuma outra forma de acesso, já a servidão tem como principal característica a convenção entre as parte, uma vez que, é constituída geralmente por contrato, não possuindo como pressuposto o encravamento do imóvel.

Os tópicos acima, não tem a intenção de exaurir as diferenças entre os institutos, almeja apenas, salientar as mais eminentes características, a fim de torná-las de fácil constatação.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas