A maior rede de estudos do Brasil

Alguém tem modelo/tese sobre preliminar de incompetência territorial?


2 resposta(s)

User badge image

Thamara Karllen de Sousa Pereira

Há mais de um mês

https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/526740096/andamento-do-processo-n-0000868-2220175140404-rtsum-30-11-2017-do-trt-14?ref=topic_feed

https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/526740096/andamento-do-processo-n-0000868-2220175140404-rtsum-30-11-2017-do-trt-14?ref=topic_feed

User badge image

Thamara Karllen de Sousa Pereira

Há mais de um mês

DA PRELIMINAR DE INCOMPETÊNCIA TERRITORIAL

O Reclamado suscitou preliminar de incompetência territorial, porquanto a demanda, sob sua ótica, deveria se processar no último local de prestação de serviço do obreiro, conforme art. 651 da CLT. É cediço que, conforme dicção legal do artigo 651 da CLT, a competência jurisdicional, em regra, é determinada pela localidade onde o empregado executa os serviços contratados.

Todavia, impende reconhecer que a interpretação e aplicação das regras de competência não se limitam a um simples procedimento de subsunção dos fatos à norma. Com efeito, uma melhor compreensão acerca do disposto no art. 651 consolidado revela um propósito tendente a possibilitar ao trabalhador, enquanto parte hipossuficiente, a opção do foro mais favorável ao acesso à Justiça. Por certo, trata-se de questão que envolve os princípios da proporcionalidade e razoabilidade, vez que exigir do empregado o seu deslocamento para outra cidade seria o mesmo que onerar excessivamente o exercício do direito de ação, inviabilizando o acesso ao Judiciário.

Diante deste contexto, deve prevalecer a inafastabilidade da jurisdição e a isonomia, garantindo o livre acesso do trabalhador à Justiça, sendo que a vara itinerante de Bujari, à toda evidência, constitui localidade mais acessível ao trabalhador.

Registra-se, por oportuno, que se trata de competência relativa, logo, desprovida de natureza que envolva ordem pública. Ademais, o Reclamado não demonstrou a existência de prejuízo algum na manutenção da ação perante este Juízo, tampouco embaraços à defesa.

No mais, na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum (LINDB, art. 5º), precipuamente, no Direito do Trabalho, seara onde se aplica o princípio da proteção ao empregado, o qual se desdobra em três regras: in dubio pro operario, aplicação da norma mais favorável e a condição mais benéfica.

Neste cenário, o elemento definidor para a determinação da competência jurisdicional deve ser o domicílio do Autor, aplicandose analogicamente o disposto no art. 651, § 1º, da CLT. Neste sentido, caminha a pacífica jurisprudência do colendo TST, conforme julgado a seguir

"RECURSO DE REVISTA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM RAZÃO DO LUGAR. AJUIZAMENTO DA AÇÃO EM LOCAL DIVERSO DA CONTRATAÇÃO OU DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS . A jurisprudência deste Tribunal tem evoluído

. para consideração do domicílio do autor como elemento definidor da

competência territorial, com base no princípio do livre acesso à

justiça, o qual autoriza a aplicação analógica do art. 651, § 1º, da CLT, sempre que tal não se revele um embaraço à defesa , e o contrário evidenciar-se um obstáculo ao livre exercício do direito fundamental de ação . In casu, todos os reclamados têm abrangência nacional. Desse modo, mitigado o alegado comprometimento do direito de defesa dos réus, quando sopesado ao direito de livre acesso ao Judiciário , garantido ao trabalhador (CF/88, art. , XXXV e LV). Recurso de revista conhecido e provido". (TST - RR: 19512720135020023, Relator: Augusto César Leite de Carvalho, Data de Julgamento: 11/03/2015, 6ª Turma, Data de Publicação: DEJT 13/03/2015).

Ante todo o delineado, rejeito a exceção de incompetência em razão do lugar, determinando a continuidade do processamento da presente na Vara Itinerante de Bujari/AC - 4ª Vara do Trabalho de Rio Branco/AC.

2.3 - DA PRELIMINAR DE CARÊNCIA DE AÇÃO

O Reclamado suscitou, preliminarmente, carência de ação por inexistência de vínculo de emprego.

A carência de ação pode ser evidenciada na hipótese de não se verificar nos autos quaisquer das condições da ação (legitimidade, interesse de agir e possibilidade jurídica do pedido). A legitimidade, no caso em análise, não foi questionada, pelo que não merece maiores digressões.

Quanto às demais condições da ação, em face da teoria processual aplicada no ordenamento jurídico Pátrio, a Teoria da Asserção, se faz imperioso esclarecer que tais requisitos não possuem qualquer correlação com a sorte destinada ao direito material vindicado. Ou seja, as condições da ação devem ser aferidas em abstrato, com respaldo tão somente nas teses lançadas na inicial, porquanto situam-se no campo processual.

De mais a mais, o interesse de agir é representado pela existência de um conflito de interesses, o qual é qualificado por uma pretensão resistida. E é precisamente a resistência do Requerido às pretensões que justifica a intervenção de um órgão do Poder Judiciário para promover a pacificação do conflito.

Por fim, não se pode perder de vista que os pedidos arrolados na inicial são juridicamente possíveis, eis que não encontram vedação no ordenamento jurídico pátrio. De toda a sorte, a verificação do vínculo de emprego ou não é matéria a ser deliberada por ocasião da apreciação do mérito, sendo prematura qualquer discussão em sede de preliminar.

Neste passo, presentes todas as condições da ação, rejeito a prefacial em tela.

Essa pergunta já foi respondida!