A maior rede de estudos do Brasil

como resolver pórticos indeslocáveis pelo processo de Cross?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Em prédios muito altos, apenas a conexão rígida das vigas com os pilares pode não oferecer a rigidez necessária à estabilidade. Se faz necessário o enrijecimento dos pórticos através de contraventamentos, ou diagonais que prendem um nó ao outro, tornando os pórticos indeslocáveis. O Processo de Cross, ou Método da Distribuição de Momentos (White et al. 1976), é um método relativamente simples para o cálculo de momentos fletores em vigas contínuas, pórticos planos, grelhas e até em pórticos espaciais. Este processo é baseado no Método dos Deslocamentos e só se aplica para estruturas sem deslocabilidades externas (do tipo translação), isto é, ele só se aplica a estruturas com barras inextensíveis e que só tenham deslocabilidades do tipo rotação. O trabalho de Cross teve um impacto inicial muito grande pois possibilitou a solução manual de estruturas hiperestáticas em um momento em que estruturas de concreto armado estavam se tornando muito comuns.

Veja os casos abaixo:

Em prédios muito altos, apenas a conexão rígida das vigas com os pilares pode não oferecer a rigidez necessária à estabilidade. Se faz necessário o enrijecimento dos pórticos através de contraventamentos, ou diagonais que prendem um nó ao outro, tornando os pórticos indeslocáveis. O Processo de Cross, ou Método da Distribuição de Momentos (White et al. 1976), é um método relativamente simples para o cálculo de momentos fletores em vigas contínuas, pórticos planos, grelhas e até em pórticos espaciais. Este processo é baseado no Método dos Deslocamentos e só se aplica para estruturas sem deslocabilidades externas (do tipo translação), isto é, ele só se aplica a estruturas com barras inextensíveis e que só tenham deslocabilidades do tipo rotação. O trabalho de Cross teve um impacto inicial muito grande pois possibilitou a solução manual de estruturas hiperestáticas em um momento em que estruturas de concreto armado estavam se tornando muito comuns.

Veja os casos abaixo:

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas