A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença entre crime preterdoloso e dolo eventual?

Sei os conceitos e os entendo, mas na prática, qual a real diferença? 


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Passei Direto

Há mais de um mês

1 - No dolo eventual, o agente sabe o risco que existe em produzir o resultado e mesmo assim, continua. Pois pouco se importa se acaso ele ocorrer, embora não queira que ele ocorra. Ex.: um amador resolve atirar uma faca em uma maçã que está posicionada na cabeça de uma mulher, ele não se importa com o risco de sua ação e, acaba acertando a mulher. No crime preterdoloso, o agente age com dolo na ação subsequente e culpa na ação consequente. Ex.: em uma briga, A desfere socos e pontapés na cabeça de B que, acaba morrendo por causa de tantas pancadas. A responderá por lesão corporal seguida de morte, pois teve dolo na lesão e culpa na morte (crime preterdoloso).

2 - No primeiro o agente pratica uma conduta dolosa, menos grave, porém, acaba obtendo um resulto mais grave, na forma culposa. No segundo, o agente assume o risco de o crime ocorrer (Ex.: uma pessoa dirige a 200 km/h numa avenida movimentada, o motorista não está tentando matar ninguém, mas qualquer pessoa minimamente sana sabe que dirigir a 200km/h numa avenida movimentada provavelmente causará a morte de alguém. Se ele mata alguém, então pode ser enquadrado no homicídio com dolo eventual pois assumiu o risco de causar a morte de alguém).

1 - No dolo eventual, o agente sabe o risco que existe em produzir o resultado e mesmo assim, continua. Pois pouco se importa se acaso ele ocorrer, embora não queira que ele ocorra. Ex.: um amador resolve atirar uma faca em uma maçã que está posicionada na cabeça de uma mulher, ele não se importa com o risco de sua ação e, acaba acertando a mulher. No crime preterdoloso, o agente age com dolo na ação subsequente e culpa na ação consequente. Ex.: em uma briga, A desfere socos e pontapés na cabeça de B que, acaba morrendo por causa de tantas pancadas. A responderá por lesão corporal seguida de morte, pois teve dolo na lesão e culpa na morte (crime preterdoloso).

2 - No primeiro o agente pratica uma conduta dolosa, menos grave, porém, acaba obtendo um resulto mais grave, na forma culposa. No segundo, o agente assume o risco de o crime ocorrer (Ex.: uma pessoa dirige a 200 km/h numa avenida movimentada, o motorista não está tentando matar ninguém, mas qualquer pessoa minimamente sana sabe que dirigir a 200km/h numa avenida movimentada provavelmente causará a morte de alguém. Se ele mata alguém, então pode ser enquadrado no homicídio com dolo eventual pois assumiu o risco de causar a morte de alguém).

User badge image

Isis Araújo

Há mais de um mês

No primeiro o agente pratica uma conduta dolosa, menos grave, porém, acaba obtendo um resulto mais grave, na forma culposa. No segundo, o agente assume o risco do crime ocorrer (Ex.: um pessoa dirige a 200 km/h numa avenida movimentada, o motorista não está tentando matar ninguém, mas qualquer pessoa minimamente sana sabe que dirigir a 200km/h numa avenida movimentada provavelmente causará a morte de alguém. Se ele mata alguém, então pode ser enquadrado no homicídio com dolo eventual pois assumiu o risco de causar a morte de alguém).

User badge image

Carla Tailane

Há mais de um mês

No dolo eventual, o agente sabe o risco que existe em produzir o resultado e mesmo assim, continua. Pois pouco se importa se acaso ele ocorrer, embora não queira que ele ocorra. Ex: um amador resolve atirar uma faca em uma maçã que está posicionada na cabeça de uma mulher, ele não se importa com o risco de sua ação e, acaba acertando a mulher.

No crime preterdoloso, o agente age com dolo na ação subsequente e culpa na ação consequente. Ex: em uma briga, A desfere soscos e pontapés na cabeça de B que, acaba morrendo por causa de tantas pancadas. A responderá por lesão corporal seguida de morte, pois teve dolo na lesão e culpa na morte (crime preterdolodo).

User badge image

Eusébio Ribeiro

Há mais de um mês

 PRETERDOLOSO: OCORRE QUANDO O AGENTE COMETE UMA CONDUTA DOLOSA, PORÉM, OBTÉM RESULTADO DANOSO MAIS GRAVE DO QUE O PRETENDIDO (ATO ANTECEDENTE É DOLOSO E ATO CONSEQUENTE É CULPOSO) EX: A ATINGE B COM UM SOCO, B É NOCAUTEADO E BATE A CABEÇA NO CHÃO E MORRE.

DOLO EVENTUAL: OCORRE QUANDO O AGENTE, MESMO SEM QUERER EFETIVAMENTE QUE O CRIME OCORRA, ASSUME OS RISCOS DE PRODUZÍ-LO.

AQUI É MAURÍCIO FRAGA, PAI. MARANHÃO.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas