A maior rede de estudos do Brasil

qual a diferença entre desistência e renuncia no processo?

qual a diferença entre desistência e renuncia no processo?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Júnior Oliveira Verified user icon

Há mais de um mês

O institutos processuais da desistência e da renúncia, embora parecidos, não devem ser confundidos.

A desistência é ato do recorrente, havido nas hipóteses em que a parte que recorre manifesta o desejo de desistir do recurso após a sua interposição. Essa faculdade pode ser exercida a qualquer tempo e prescinde da vontade da parte recorrida, nos termos do art. 998, NCPC:

Art. 998. O recorrente poderá, a qualquer tempo, sem a anuência do recorrido ou dos litisconsortes, desistir do recurso.

Parágrafo único. A desistência do recurso não impede a análise de questão cuja repercussão geral já tenha sido reconhecida e daquela objeto de julgamento de recursos extraordinários ou especiais repetitivos.

 

renúncia, por seu turno, é a manifestação de vontade da qual a parte vencida afirma não abrir mão (renunciar) do direito de interpor recurso. Tal ato, assim como ocorre com a desistência, tambem não depende de concordância da parte contrára. Aqui reza o art. 999, NCPC:

Art. 999. A renúncia ao direito de recorrer independe da aceitação da outra parte.

O institutos processuais da desistência e da renúncia, embora parecidos, não devem ser confundidos.

A desistência é ato do recorrente, havido nas hipóteses em que a parte que recorre manifesta o desejo de desistir do recurso após a sua interposição. Essa faculdade pode ser exercida a qualquer tempo e prescinde da vontade da parte recorrida, nos termos do art. 998, NCPC:

Art. 998. O recorrente poderá, a qualquer tempo, sem a anuência do recorrido ou dos litisconsortes, desistir do recurso.

Parágrafo único. A desistência do recurso não impede a análise de questão cuja repercussão geral já tenha sido reconhecida e daquela objeto de julgamento de recursos extraordinários ou especiais repetitivos.

 

renúncia, por seu turno, é a manifestação de vontade da qual a parte vencida afirma não abrir mão (renunciar) do direito de interpor recurso. Tal ato, assim como ocorre com a desistência, tambem não depende de concordância da parte contrára. Aqui reza o art. 999, NCPC:

Art. 999. A renúncia ao direito de recorrer independe da aceitação da outra parte.

User badge image

Pedro

Há mais de um mês

 

                             Desistência

                                  Renúncia

O autor desiste de prosseguir com a ação naquele processo.

O autor abre mão do direito material que alegava possuir.

Após o juízo homologar a desistência, o autor poderá repropor a mesma ação.

O autor não poderá propor nova ação fundada naquele direito material que foi objeto de renúncia.

Se o réu já tiver apresentado contestação, é obrigatório que o réu consinta com a desistência.

Não existe obrigatoriedade legal de ouvir o réu sobre a renúncia do direito manifestada pelo autor.

A sentença que homologa a desistência é terminativa (extingue o processo sem resolução do mérito – art. 267, VIII).

A sentença que reconhece a renúncia é definitiva (extingue o processo com resolução do mérito – art. 269, V).

A sentença faz apenas coisa julgada formal.

A sentença faz coisa julgada formal e material.

Produz efeitos meramente processuais.

Produz efeitos materiais.

 

Ex.:

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL - 26749 : AC 19480 SP 90.03.019480-7

Ementa:

PROCESSUAL CIVIL. DESISTÊNCIA DE EXECUÇÃO CIVIL. ARQUIVAMENTODOS AUTOS. DISTINÇÃO ENTRE RENÚNCIA E DESISTÊNCIA.

1. No sentido técnico-jurídico processual, os termos são bem distintos, porquanto o processo de conhecimento sempre será extinto sem o julgamento do mérito quando o autor desiste da ação (art. 267, VIII), podendo haver apenasa coisa julgada formal; enquanto que o julgamento se dará com o conhecimento do mérito quando o autor renunciar ao direito do qual se funda a ação (art. 269, V), havendo, nesse caso, a coisa julgada material. Essa distinção é importante exatamente porque num caso, no primeiro, a inércia do credor levará ao arquivamento do processo que somente poderá ser extinto pelo advento da prescrição; e, no segundo caso, levará, desde logo, à baixa como processo findo.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas