A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença entre Princípios e Regras?

Gostaria de saber que fatores são necessários para diferenciar um principio de uma regra.


6 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Norma jurídica é uma orientação de conduta imposta, admitida ou reconhecida pelo ordenamento jurídico. Elas podem ter origem em regras ou em princípios.

Segundo Robert Alexy, toda norma é regra ou princípio, sendo sua diferença unicamente qualitativa (normativa), fundada no modo de resolução de conflitos.

"O princípio é norma ordenadora de que algo se realize na maior medida possível, dentro das possibilidades jurídicas e reais existentes”.

É um mandado de otimização que pode ser cumprido em menor ou em maior grau, pela ponderação entre a possibilidade jurídica e a possibilidade real de adequação do fato à norma.

No conflito entre princípios, pondera-se o prevalecimento de um sobre os outros para a resolução. O que tiver maior peso ou valor ou importância, diante do caso concreto, deve preponderar.

Quanto as regras, "devem estas ser cumpridas na forma prescrita. Se uma regra é válida, então há de se fazer exatamente o que ela exige, nem mais, nem menos”. 

Na colisão entre regras, o afastamento se dá pela cláusula de exceção: onde uma se aplica, a outra não será aplicada; onde uma vale, a outra não vale.

Segundo Dworkin, enquanto as regras são aplicáveis a partir de um critério de tudo-ou-nada, este critério não vale para os princípios.

Assim, ou a regra é válida e, então, se deveriam aceitar os seus efeitos jurídicos, ou a regra não é válida e, por isso, não fundamenta nem pode exigir qualquer consequência jurídica. É o que é chamado de modelo do tudo-ou-nada.

Princípios, ao contrário, não determinam, quando verificado um caso de sua aplicação, uma decisão concludente segundo uma formulação pronta e acabada. Há uma dimensão de peso ou de importância (the dimension of weight or importance).

Norma jurídica é uma orientação de conduta imposta, admitida ou reconhecida pelo ordenamento jurídico. Elas podem ter origem em regras ou em princípios.

Segundo Robert Alexy, toda norma é regra ou princípio, sendo sua diferença unicamente qualitativa (normativa), fundada no modo de resolução de conflitos.

"O princípio é norma ordenadora de que algo se realize na maior medida possível, dentro das possibilidades jurídicas e reais existentes”.

É um mandado de otimização que pode ser cumprido em menor ou em maior grau, pela ponderação entre a possibilidade jurídica e a possibilidade real de adequação do fato à norma.

No conflito entre princípios, pondera-se o prevalecimento de um sobre os outros para a resolução. O que tiver maior peso ou valor ou importância, diante do caso concreto, deve preponderar.

Quanto as regras, "devem estas ser cumpridas na forma prescrita. Se uma regra é válida, então há de se fazer exatamente o que ela exige, nem mais, nem menos”. 

Na colisão entre regras, o afastamento se dá pela cláusula de exceção: onde uma se aplica, a outra não será aplicada; onde uma vale, a outra não vale.

Segundo Dworkin, enquanto as regras são aplicáveis a partir de um critério de tudo-ou-nada, este critério não vale para os princípios.

Assim, ou a regra é válida e, então, se deveriam aceitar os seus efeitos jurídicos, ou a regra não é válida e, por isso, não fundamenta nem pode exigir qualquer consequência jurídica. É o que é chamado de modelo do tudo-ou-nada.

Princípios, ao contrário, não determinam, quando verificado um caso de sua aplicação, uma decisão concludente segundo uma formulação pronta e acabada. Há uma dimensão de peso ou de importância (the dimension of weight or importance).

User badge image

Amanda

Há mais de um mês

  1. Os Princípios são definidos como as ideias centrais de um sistema, ao qual dão sentido lógico, harmonioso, racional, permitindo a compreensão de seu modo de se organizar-se. 
  2. As regras são normas que prescrevem imperativamente uma exigência que é ou não é cumprida.

Toda regra deve contemplar um princípio. E todo princípio deve ter ínsito um certo grau de regramento e força normativa, conforme evolução histórica considerada.

User badge image

Ronaldo

Há mais de um mês

Bom, os Princípios são norteadores. Inclusive, são base para a criação das regras, que por sua vez são diretrizes, determinações de fazer ou não fazer alguma coisa.

Exemplo:  O princípio da Legalidade. Nada pode ser feito contrariando a Lei. Todas as normas e regras são pautadas nesse princípio. O princípio da anterioridade da lei, também, dizendo que nada que seja feito antes de se proibir por lei pode ser sancionado, e por aí vai.

User badge image

André

Há mais de um mês

Princípios tem por sua natureza abstração e generalidade, enquanto a regra é específica e determinada.

Princípio da Dignidade da pessoa humana :  art.1°, III, CF 

O princípio da dignidade humana assegura que todos devem ser tratados dignamente. Bem abstrato e generalizado, não?

Agora olhe o artigo 121 do Código penal, uma regra, tipifica uma conduta bem específica e determinada.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas