A maior rede de estudos do Brasil

vacatio legis...?

Por qual motivo em regra o prazo de vacatio legis no Brasil é diferente do vacatio legis da lei brasileira no exterior?

Direito Civil IUNIMONTE

10 resposta(s)

User badge image

Israel

Há mais de um mês

Art. 1o Salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada.
§ 1o Nos Estados, estrangeiros, a obrigatoriedade da lei brasileira, quando admitida, se inicia três meses depois de oficialmente publicada. (Vide Lei nº 2.145, de 1953) (Vide Lei nº 2.410, de 1955) (Vide Lei nº 2.770, de 1956) (Vide Lei nº 3.244, de 1957) (Vide Lei nº 4.966, de 1966) (Vide Decreto-Lei nº 333, de 1967)

   A lei não ressalva a possibilidade de exceção pela própria lei, mas esta possibilidade existe; nada impede que a própria lei disponha prazo maior ou menor para entrar em vigor fora do País, pois, a simples disposição “esta lei entra em vigor na data de sua publicação”, comum na maioria das leis, não é suficiente para excepcionar esta regra. Importante ressaltar que a exceção a esta regra deve ser expressa, referindo-se especialmente à vigência no exterior.

    As leis brasileiras são admitidas no exterior, em geral quando cuidam de atribuições de Ministros, Embaixadores, Cônsules e outras autoridades diplomáticas.

A razão de ser disto é evidente: permitir que o povo tome conhecimento da lei antes mesmo da efetiva obrigatoriedade desta (Art. 5º, II, da CF). Mas também é verdade que ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece, adverte o Art. 3º da Introdução ao código civil - DL-004.657-1942. Com o período da vacatio legis (vacância da lei), o próprio legislador procura facilitar ao cidadão o cumprimento da lei, facultando o seu conhecimento prévio. Nada impede, contudo, que a vigência da lei nova seja imediata, dispensando-se a vacatio legis, como se observa na Introdução ao código civil - DL-004.657-1942. Com efeito, a cláusula "salvo disposição em contrário" autoriza a afirmar que a lei nova pode estipular prazo, para as leis que serão aplicadas no exterior é necessário um tempo maior para que haja a instrumentação tanto do indivíduo quanto do Estado.

Não se esqueça de avaliar =D

Art. 1o Salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada.
§ 1o Nos Estados, estrangeiros, a obrigatoriedade da lei brasileira, quando admitida, se inicia três meses depois de oficialmente publicada. (Vide Lei nº 2.145, de 1953) (Vide Lei nº 2.410, de 1955) (Vide Lei nº 2.770, de 1956) (Vide Lei nº 3.244, de 1957) (Vide Lei nº 4.966, de 1966) (Vide Decreto-Lei nº 333, de 1967)

   A lei não ressalva a possibilidade de exceção pela própria lei, mas esta possibilidade existe; nada impede que a própria lei disponha prazo maior ou menor para entrar em vigor fora do País, pois, a simples disposição “esta lei entra em vigor na data de sua publicação”, comum na maioria das leis, não é suficiente para excepcionar esta regra. Importante ressaltar que a exceção a esta regra deve ser expressa, referindo-se especialmente à vigência no exterior.

    As leis brasileiras são admitidas no exterior, em geral quando cuidam de atribuições de Ministros, Embaixadores, Cônsules e outras autoridades diplomáticas.

A razão de ser disto é evidente: permitir que o povo tome conhecimento da lei antes mesmo da efetiva obrigatoriedade desta (Art. 5º, II, da CF). Mas também é verdade que ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece, adverte o Art. 3º da Introdução ao código civil - DL-004.657-1942. Com o período da vacatio legis (vacância da lei), o próprio legislador procura facilitar ao cidadão o cumprimento da lei, facultando o seu conhecimento prévio. Nada impede, contudo, que a vigência da lei nova seja imediata, dispensando-se a vacatio legis, como se observa na Introdução ao código civil - DL-004.657-1942. Com efeito, a cláusula "salvo disposição em contrário" autoriza a afirmar que a lei nova pode estipular prazo, para as leis que serão aplicadas no exterior é necessário um tempo maior para que haja a instrumentação tanto do indivíduo quanto do Estado.

Não se esqueça de avaliar =D

User badge image

Rodrigo

Há mais de um mês

Pela sua dúvida, não sei se encontrou o motivo questionado nas respostas acima.

Para que haja o conhecimento geral o prazo para aplicação no exterior é maior do que para aplicação dentro do território, mesmo que ninguém possa alegar o desconhecimento para descumpri-la. Apenas uma escolha política, fundamentada no critério da necessidade de um tempo maior para conhecimento daquele que está no exterior do que aquele que está dentro do território nacional.

User badge image

Igor

Há mais de um mês

Vacatio legis é o mesmo que "prazo de vacância"; Salvo disposição do legislador em contrário, o tempo de vacância da lei, desde sua publicação até a sua entrada em vigor é de 45 dias (em território nacional) e de 3 meses (à embaixadores cônsules em outros países). Abaixo coloco a explicação dada pelo meu professor à respeito:

Uma lei é considerada vigente após a observância do seu período de vacância. (Prazo para vigência Art 1º LINDB = Prazo geral de 45 dias)- Não há uma regra específica que determina o prazo de vacância, o artigo 1º da LINDB se configura como sendo um prazo geral e de aplicação subsidiária sendo utilizado somente quando o legislador não menciona o prazo ou o faz expressamente determinando a ação do artigo 1º. Os prazos de vacância variam conforme a complexidade das leis, ou seja, se a norma editada causar grande repercussão social, e com isto exigir grandes alterações da sociedades, maior será seu prazo de vacância. Poderá contudo existir leis que não causem grandes repercussões, e por esta razão o legislador determina que elas entrem em vigor no ato de sua publicação.

*Observações:

  1.   "vacatio legis" (Vacacio legis) É o mesmo que prazo de vacância, ou seja, é o prazo entre o ato da publicação e a sua entrada em vigor.
  2. Critérios do prazo único: Por este critério a lei entra em vigor após o prazo de vacância simultaneamente em todo o território nacional.
  3. Artigo 1º, §3º LINDB: Se durante o período de vacância ocorrer uma nova publicação da lei, destinada à correção de erros materiais ou ortográficos o prazo para o início da sua obrigatoriedade começa a correr novamente e de forma integral - Obs: Quando se tratar de uma lei em vigor, qualquer correção ou alteração será considerada lei nova, devemos observar seu prazo próprio de vacância.
  4. Contagem do prazo de vacância: A contagem se faz incluindo a data da publicação e do último dia do prazo, entrando em vigor no dia subsequente ao da consumação integral.
  5. Lei brasileira no exterior (Artigo 1º,§1º LINDB): A lei brasileira quando admitida no exterior em geral para cuidar da atribuição de embaixadores cônsules ou alguma convenção internacional, sua obrigatoriedade vai se iniciar depois de 3 meses de sua publicação oficial.

Espero ter ajudado! 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes