A maior rede de estudos do Brasil

Qual a teoria adotada pelo CP em relação a embriaguez não acidental para aferir a culpabilidade do agente ?

Questão sobre culpabilidade.

 


1 resposta(s)

User badge image

Igor Truzzi

Há mais de um mês

A embrigaguez, sendo ela acidental ou voluntária, dando-se pela perda da noção dos fatos, não exime a responsabilidade - e sendo autor de fato delituoso, responderá integralmente por suas consequências.

Porém, pode ela, ao contrário, ser motivo de isenção da responsabilidade ou redução da pena se, quando o fato delituoso se deu, o indivíduo não podia compreender sua gravidade e consequências, motivada por uma embriaguez dita acidental, causada por caso fortuito ou força maior. Excluirá a responsabilidade se a perda da razão for completa; reduzirá a pena, se for parcial essa perda da capacidade de discernimento.

Via de regra, a embriaguez no Código Penal é encarada sob o prisma da motivação.

A embrigaguez, sendo ela acidental ou voluntária, dando-se pela perda da noção dos fatos, não exime a responsabilidade - e sendo autor de fato delituoso, responderá integralmente por suas consequências.

Porém, pode ela, ao contrário, ser motivo de isenção da responsabilidade ou redução da pena se, quando o fato delituoso se deu, o indivíduo não podia compreender sua gravidade e consequências, motivada por uma embriaguez dita acidental, causada por caso fortuito ou força maior. Excluirá a responsabilidade se a perda da razão for completa; reduzirá a pena, se for parcial essa perda da capacidade de discernimento.

Via de regra, a embriaguez no Código Penal é encarada sob o prisma da motivação.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes