A maior rede de estudos do Brasil

Comentar sobre a psicologia na modernidade (ideias, personagens)?

Falar sobre as ideias nesse período.


2 resposta(s)

User badge image

Sandys

Há mais de um mês

http://psicologado.com/psicologia-geral/historia-da-psicologia/a-modernidade-e-o-problema-do-conhecimento

http://psicologado.com/psicologia-geral/historia-da-psicologia/a-modernidade-e-o-problema-do-conhecimento

User badge image

Tatiane

Há mais de um mês

Kathleen, segue abaixo um pouco do que tenho sobre o assunto:

 

Características do pensamento moderno

  • Racionalismo

Desenvolvendo a mentalidade crítica, questiona a autoridade da Igreja e o saber aristotélico. Assume uma atitude polemica perante a tradição. Ao critério da fé e da revelação, o homem moderno opõe o poder exclusivo da razão de discernir, distinguir e comparar. Ao dogmatismo, impõe a possibilidade da dúvida.

 

  • Antropocentrismo

O homem moderno coloca a si próprio no centro dos interesses e decisões, afastando-se do teocentrismo medieval. Dá-se a laicização do saber, da moral, da política, estimulada pela capacidade de livre exame. Enquanto o pensamento antigo e medieval parte da realidade inquestionada do objeto e da capacidade do homem de conhecer, surge na Idade Moderna a preocupação com a “consciência da consciência”, ou seja, o interesse pela subjetividade, pelo sujeito que conhece.

 

  • Saber ativo

Em oposição ao saber contemplativo dos antigos, surge uma nova postura diante do mundo. O conhecimento não parte apenas de noções e princípios, mas da própria realidade observada e submetida a experimentações. Da mesma forma, este saber deve retornar ao mundo para transformá-lo. Dá-se a aliança da ciência com a técnica.

 

  • Mecanicismo

A ciência moderna compara a natureza e o próprio homem a uma máquina, um conjunto de mecanismos cujas leis precisam ser descobertas. As explicações passam a ser baseadas em um esquema mecânico cujo modelo preferido é o relógio.

 

O método científico – Descartes

Enquanto o filósofo antigo não questiona a verdade do mundo, Descartes, seguindo rigorosamente o caminho, o método por ele estabelecido, começa duvidando de tudo até reconhecer como indubitável o ser do pensamento. Daí sua frase: “Penso, logo, existo.”

A dúvida metódica é um artifício com que demole todo o edifício construído e pretende recomeçar tudo de novo. O método adquire um sentido de invenção e descoberta, e não mais apenas uma possibilidade de demonstração organizada do que é sabido. O princípio de todo conhecimento é então o “cogito ergo sum”, ou seja, o próprio ser pensante.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes