A maior rede de estudos do Brasil

No ordenamento brasileiro, vereadores gozam de imunidade processual penal ?

Imunidade no direito brasileiro.


2 resposta(s)

User badge image

Lyra

Há mais de um mês

embora não seja exatamente sua pergunta, afinal foro por prerrogativa de função não é imunidade, mas sim prerrogativa... observo que a CF não lhes confere foro "privilegiado". contudo, admite-se que as constituições estaduais o façam...se não houver esta previsão..respondem como qualquer pessoa perante o 1o grau

embora não seja exatamente sua pergunta, afinal foro por prerrogativa de função não é imunidade, mas sim prerrogativa... observo que a CF não lhes confere foro "privilegiado". contudo, admite-se que as constituições estaduais o façam...se não houver esta previsão..respondem como qualquer pessoa perante o 1o grau

User badge image

Breno

Há mais de um mês

De acordo com o art. 29, VIII, os Municípios reger-se-ão por lei orgânica, que deverá obedecer, dentre outras regras, à da inviolabilidade dos Vereadores por suas opiniões, palavras e votos no exercício do mandato e na circunscrição do Município. Ou seja, o Vereador Municipal somente terá imunidade material (excluindo -se a responsabilidade penal e a civil), desde que o ato tenha sido praticado in officio ou propter officium e na circunscrição municipal, não lhe tendo sido atribuída a imunidade formal ou processual.

Nesse sentido, precisas são as palavras do Min. Celso de Mello:
“EMENTA: 1. A garantia constitucional da imunidade parlamentar em sentido material (CF, art. 29, VIII, c/c o art. 53, caput) exclui a responsabilidade penal (e também civil) do membro do Poder Legislativo (Vereadores, Deputados e Senadores), por manifestações, orais ou escritas, desde que motivadas pelo desempenho do mandato (prática in officio) ou externadas em razão deste (prática propter officium). Tratando -se de Vereador, a inviolabilidade constitucional que o ampara no exercício da  atividade legislativa estende -se às opiniões, palavras e votos por ele proferidos, mesmo fora do recinto da própria Câmara Municipal, desde que nos estritos limites territoriais do Município a que se acha funcionalmente vinculado. Precedentes. AI 631.276/SP, Rel. Min. CELSO DE MELLO, v.g.). 3. Essa prerrogativa político -jurídica — que protege o parlamentar (como os Vereadores, p. ex.) em tema de responsabilidade penal — incide, de maneira ampla, nos casos em que as declarações contumeliosas tenham sido proferidas no recinto da Casa legislativa, notadamente da tribuna parlamentar, hipótese em que será absoluta a inviolabilidade constitucional. Doutrina. Precedentes” (AI 818.693, Rel. Min. Celso de Mello, decisão monocrática, j. 1.º.08.2011, DJE de 03.08.2011. No mesmo sentido, cf. HC 74.201, j. 12.11.1996).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes