A maior rede de estudos do Brasil

Direito Tributário

Qual é a diferença entre Competência Tributária e Competência de Legislar Direito Tributário?

3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

São a mesma coisa. Porém a expressão que se usa é competência tributária.

A constituição estabelece no artigo 24 que compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre direito tributário. A competência concorrente dos três entes federativos (União, Estados e Distrito Federal) não afasta a competência dos Municípios para legislarem sobre o tema. Há que se ressaltar que os Municípios não legislam concorrentemente, mas sim supletivamente. Desta feita, todos possuem competência tributária.

Caso a intenção da pergunta tenha sido indagar a diferença entre competência tributária e capacidade tributária, explicaremos a seguir. 

Segundo Irapuã Beltrão, "competência é o poder de legislar, de criar o tributo. A capacidade tributária é o poder de cobrar, fiscalizar e arrecadar o tributo. A competência tributária é indelegável. O que é delegável são as funções de arrecadar, fiscalizar e executar. Então, a capacidade tributária ativa pode ser delegada, e somente às pessoas jurídicas de direito público.

Nesse ponto, quando a norma legal do art. 7º do Código menciona tais pessoas jurídicas de direito público, envolver não apenas os demais entes políticos, mas também as autarquias e as fundações instituídas e mantidas pelo poder público com essa característica."

"Art. 7º A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do § 3º do artigo 18 da Constituição."

"Em última análise, a capacidade tributária ativa é a atribuição de figurar no liame obrigacional tributário na qualidade de sujeito ativo, ou seja, de titular de direito subjetivo de cobrar o tributo. Sendo assim, claro está que se trata de uma realidade ontologicamente distinta da competência tributária, com ela não se confundindo.

Destarte, por imperativo constitucional, a competência tributária, que se identifica exclusivamente com a atribuição de editar leis em matéria tributária, não pode ser transferida."

"De outra feita, a capacidade tributária ativa, traduzida na prerrogativa de figurar como sujeito ativo na relação jurídica tributária, pode ser outorgada pela lei competente a outro ente que não o titular da competência impositiva, até mesmo para uma pessoa de direito privado, desde que exerça finalidade pública.

Como resultado do exercício da competência tributária surge a capacidade tributária ativa. Assim, compreende-se em tal sentido a capacidade de ser sujeito ativo da obrigação tributária, ou seja, de ser o responsável por cobrar, arrecadar e fiscalizar o cumprimento da obrigação tributária, por parte dos contribuintes. Não se confunde com a competência tributária e, na forma do art. 7º do CTN pode ser delegada.

Para distinguir, vale lembrar que a competência tributária existe antes mesmo do nascimento do tributo, sendo uma definição constitucional que especifica quem terá o poder de tributar quais fatos econômicos. Ou seja, qual ente político tem aptidão para legislar, em matéria tributária.

Já a capacidade tributária ativa, por sua vez surge como um fruto daquele e, com isso, após exercida a competência tributária, depois de elaborada a lei do tributo. Deve ser percebida como a aptidão de ser um sujeito ativo da relação jurídico-tributária."

São a mesma coisa. Porém a expressão que se usa é competência tributária.

A constituição estabelece no artigo 24 que compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre direito tributário. A competência concorrente dos três entes federativos (União, Estados e Distrito Federal) não afasta a competência dos Municípios para legislarem sobre o tema. Há que se ressaltar que os Municípios não legislam concorrentemente, mas sim supletivamente. Desta feita, todos possuem competência tributária.

Caso a intenção da pergunta tenha sido indagar a diferença entre competência tributária e capacidade tributária, explicaremos a seguir. 

Segundo Irapuã Beltrão, "competência é o poder de legislar, de criar o tributo. A capacidade tributária é o poder de cobrar, fiscalizar e arrecadar o tributo. A competência tributária é indelegável. O que é delegável são as funções de arrecadar, fiscalizar e executar. Então, a capacidade tributária ativa pode ser delegada, e somente às pessoas jurídicas de direito público.

Nesse ponto, quando a norma legal do art. 7º do Código menciona tais pessoas jurídicas de direito público, envolver não apenas os demais entes políticos, mas também as autarquias e as fundações instituídas e mantidas pelo poder público com essa característica."

"Art. 7º A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do § 3º do artigo 18 da Constituição."

"Em última análise, a capacidade tributária ativa é a atribuição de figurar no liame obrigacional tributário na qualidade de sujeito ativo, ou seja, de titular de direito subjetivo de cobrar o tributo. Sendo assim, claro está que se trata de uma realidade ontologicamente distinta da competência tributária, com ela não se confundindo.

Destarte, por imperativo constitucional, a competência tributária, que se identifica exclusivamente com a atribuição de editar leis em matéria tributária, não pode ser transferida."

"De outra feita, a capacidade tributária ativa, traduzida na prerrogativa de figurar como sujeito ativo na relação jurídica tributária, pode ser outorgada pela lei competente a outro ente que não o titular da competência impositiva, até mesmo para uma pessoa de direito privado, desde que exerça finalidade pública.

Como resultado do exercício da competência tributária surge a capacidade tributária ativa. Assim, compreende-se em tal sentido a capacidade de ser sujeito ativo da obrigação tributária, ou seja, de ser o responsável por cobrar, arrecadar e fiscalizar o cumprimento da obrigação tributária, por parte dos contribuintes. Não se confunde com a competência tributária e, na forma do art. 7º do CTN pode ser delegada.

Para distinguir, vale lembrar que a competência tributária existe antes mesmo do nascimento do tributo, sendo uma definição constitucional que especifica quem terá o poder de tributar quais fatos econômicos. Ou seja, qual ente político tem aptidão para legislar, em matéria tributária.

Já a capacidade tributária ativa, por sua vez surge como um fruto daquele e, com isso, após exercida a competência tributária, depois de elaborada a lei do tributo. Deve ser percebida como a aptidão de ser um sujeito ativo da relação jurídico-tributária."

User badge image

Máx Ribas

Há mais de um mês

Interessante pergunta.

 

Competência é aquela definida, pela Constituição, para instituir, majorar, reduzir e extinguir tributos. A competência tributária é privativa; incaducável; de exercício facultativo; inampliável; irrenunciável; indelegável. Se um dos entes políticos não exercer a sua faculdade para instituir os tributos, nenhum outro ente poderá tomar o seu lugar.

 

Já legislar sobre Direito Tributário é a atribuição dada pela CF/88 para a União, Estados e Distrito Federal é o poder concedido constitucionalmente para instituir leis que versem sobre os tributos já criados. A União tem a competência para legislar de forma geral, através de Lei Complementar, já os munícipios para legislar de forma suplementar. Caso a União não o faça, o STF definiu que os Estados deixarão de legislar de forma suplementar e terão a capacidade de legislar de forma plena. Observe que os munícipios não tem competência para legislar sobre Direito Tributário.

User badge image

Mari Farias

Há mais de um mês

Competência Tributária - atribuição outorgada somente aos entes federativos de criar, extinguir ou modificar tributo. Arts. 153 a 156, CF.

Competência de legislar direito tributário: atribuição dada pela Constituição na forma concorrente entre a União, Estados e Distrito Federal em Direito Tributário, Urbanístico, Penitenciário, Econômico e Financeiro, art. 24, I, II, CF.

O que é competência concorrente? a União estabelecerá normas gerais, enquanto os Estados e Distrito Federal poderão suplementar. Quando não houver lei federal estabelecendo norma geral, os Estados e Distrito Federal atuarão de forma plena a competência legislativa.

Sobrevindo lei federal, a lei estadual ficará apenas com a eficácia suspensa somente naquilo que estiver contrário à lei federal.

Art. 24 parágrafos 1º, 2º , 3º e 4º, CF.

O Município compete legislar de formar suplementar lei federal ou estadual, instituir e arrecadar tributos de sua competência. Art. 30, I e II, CF.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas