A maior rede de estudos do Brasil

Explique porque na taxa de transformação se é referenciado um tempo de transformação de 50% no total??

Isto é referente a taxa de nucleação, não consegui achar em livros, nem na internet, se alguém puder me dar uma ajuda.


5 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Foi usado conhecimento sobre solidificação e transformação de fase de rochas para resolução dessa questão.


Quando falamos de nucleação falamos do surgimento de partículas ou núcleos pequenos da nova fase, capazes de crescer.

Com o arrefecimento do magma, a primeira etapa da cristalização consiste na formação de íons “embrionários”, que se crescerem e se agregam para formaram os núcleos. Um núcleo pode ser entendido genericamente, como minúsculos cristais (poucas centenas de ångström onde em estágio inicial são instáveis devido a alta razão: superfície/volume do núcleo. Os íons que ocupam a superfície do núcleo possuem cargas desbalanceadas (falta ou excesso de elétrons livres). O resultado é uma alta energia superficial para os chamados clusters embrionários, o que gera instabilidade. O agrupamento de alguns íons compatíveis num magma em arrefecimento, tende espontaneamente a se desfragmentar, mesmo que esteja na temperatura de cristalização de um determinado mineral. Portanto, independente da temperatura de saturação de um determinado mineral, se o pré-requisito nucleação não ocorrer, não haverá formação de cristais.

Uma vez que os núcleos são estáveis, o crescimento de cristais pode ocorrer com a adição contínua de íons nas interfáces dos cristais. Assim como nucleação, a taxa de crescimento está relacionada com o grau de super-resfriamento (undercooling) do sistema ΔT. O aumento do undercooling fornece uma força motriz para o crescimento de novas fases, mas com a queda de temperatura, naturalmente aumenta a viscosidade do magma e retarda mobilidade iônica. Por esta razão, a taxa de crescimento é uma curva de distribuição normal ou gaussiana.

Foi usado conhecimento sobre solidificação e transformação de fase de rochas para resolução dessa questão.


Quando falamos de nucleação falamos do surgimento de partículas ou núcleos pequenos da nova fase, capazes de crescer.

Com o arrefecimento do magma, a primeira etapa da cristalização consiste na formação de íons “embrionários”, que se crescerem e se agregam para formaram os núcleos. Um núcleo pode ser entendido genericamente, como minúsculos cristais (poucas centenas de ångström onde em estágio inicial são instáveis devido a alta razão: superfície/volume do núcleo. Os íons que ocupam a superfície do núcleo possuem cargas desbalanceadas (falta ou excesso de elétrons livres). O resultado é uma alta energia superficial para os chamados clusters embrionários, o que gera instabilidade. O agrupamento de alguns íons compatíveis num magma em arrefecimento, tende espontaneamente a se desfragmentar, mesmo que esteja na temperatura de cristalização de um determinado mineral. Portanto, independente da temperatura de saturação de um determinado mineral, se o pré-requisito nucleação não ocorrer, não haverá formação de cristais.

Uma vez que os núcleos são estáveis, o crescimento de cristais pode ocorrer com a adição contínua de íons nas interfáces dos cristais. Assim como nucleação, a taxa de crescimento está relacionada com o grau de super-resfriamento (undercooling) do sistema ΔT. O aumento do undercooling fornece uma força motriz para o crescimento de novas fases, mas com a queda de temperatura, naturalmente aumenta a viscosidade do magma e retarda mobilidade iônica. Por esta razão, a taxa de crescimento é uma curva de distribuição normal ou gaussiana.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Foi usado conhecimento sobre solidificação e transformação de fase de rochas para resolução dessa questão.


Quando falamos de nucleação falamos do surgimento de partículas ou núcleos pequenos da nova fase, capazes de crescer.

Com o arrefecimento do magma, a primeira etapa da cristalização consiste na formação de íons “embrionários”, que se crescerem e se agregam para formaram os núcleos. Um núcleo pode ser entendido genericamente, como minúsculos cristais (poucas centenas de ångström onde em estágio inicial são instáveis devido a alta razão: superfície/volume do núcleo. Os íons que ocupam a superfície do núcleo possuem cargas desbalanceadas (falta ou excesso de elétrons livres). O resultado é uma alta energia superficial para os chamados clusters embrionários, o que gera instabilidade. O agrupamento de alguns íons compatíveis num magma em arrefecimento, tende espontaneamente a se desfragmentar, mesmo que esteja na temperatura de cristalização de um determinado mineral. Portanto, independente da temperatura de saturação de um determinado mineral, se o pré-requisito nucleação não ocorrer, não haverá formação de cristais.

Uma vez que os núcleos são estáveis, o crescimento de cristais pode ocorrer com a adição contínua de íons nas interfáces dos cristais. Assim como nucleação, a taxa de crescimento está relacionada com o grau de super-resfriamento (undercooling) do sistema ΔT. O aumento do undercooling fornece uma força motriz para o crescimento de novas fases, mas com a queda de temperatura, naturalmente aumenta a viscosidade do magma e retarda mobilidade iônica. Por esta razão, a taxa de crescimento é uma curva de distribuição normal ou gaussiana.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Foi usado conhecimento sobre solidificação e transformação de fase de rochas para resolução dessa questão.


Quando falamos de nucleação falamos do surgimento de partículas ou núcleos pequenos da nova fase, capazes de crescer.

Com o arrefecimento do magma, a primeira etapa da cristalização consiste na formação de íons “embrionários”, que se crescerem e se agregam para formaram os núcleos. Um núcleo pode ser entendido genericamente, como minúsculos cristais (poucas centenas de ångström onde em estágio inicial são instáveis devido a alta razão: superfície/volume do núcleo. Os íons que ocupam a superfície do núcleo possuem cargas desbalanceadas (falta ou excesso de elétrons livres). O resultado é uma alta energia superficial para os chamados clusters embrionários, o que gera instabilidade. O agrupamento de alguns íons compatíveis num magma em arrefecimento, tende espontaneamente a se desfragmentar, mesmo que esteja na temperatura de cristalização de um determinado mineral. Portanto, independente da temperatura de saturação de um determinado mineral, se o pré-requisito nucleação não ocorrer, não haverá formação de cristais.

Uma vez que os núcleos são estáveis, o crescimento de cristais pode ocorrer com a adição contínua de íons nas interfáces dos cristais. Assim como nucleação, a taxa de crescimento está relacionada com o grau de super-resfriamento (undercooling) do sistema ΔT. O aumento do undercooling fornece uma força motriz para o crescimento de novas fases, mas com a queda de temperatura, naturalmente aumenta a viscosidade do magma e retarda mobilidade iônica. Por esta razão, a taxa de crescimento é uma curva de distribuição normal ou gaussiana.

User badge image

whylvasion xavier

Há mais de um mês

A partir de 0,5% começa a difusão do material, antes disso ocorre nucleação e crescimento com atuação da energia cinética.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas