A maior rede de estudos do Brasil

o que é teoria objetiva da posse e teroria subjetiva da posse ?

Direito Civil I

ESTÁCIO


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

A teoria subjetiva da posse é aquela que exige a presença de dois requisitos para haver posse: corpus + animus domini

Corpus é o contato efetivo do possuidor com a coisa possuída ou ao menos a possibilidade de haver esse contato.

Animus domini é a intenção que o possuidor tem de ter a coisa como sua.

Na teoria objetiva, para haver posse é necessário que o indivíduo aja como se fosse proprietário da coisa, ou seja, dê a aparência de proprietário. Neste caso já estará configurada a posse. É a experiência do corpus, do contato ou possibilidade de contato e como age perante a coisa.

A teoria subjetiva da posse é aquela que exige a presença de dois requisitos para haver posse: corpus + animus domini

Corpus é o contato efetivo do possuidor com a coisa possuída ou ao menos a possibilidade de haver esse contato.

Animus domini é a intenção que o possuidor tem de ter a coisa como sua.

Na teoria objetiva, para haver posse é necessário que o indivíduo aja como se fosse proprietário da coisa, ou seja, dê a aparência de proprietário. Neste caso já estará configurada a posse. É a experiência do corpus, do contato ou possibilidade de contato e como age perante a coisa.

User badge image

Washington

Há mais de um mês

Em relação ao tema "Posse", há duas Teorias: a) Teoria Subjetiva; e b) Teoria Objetiva. 

A Teoria Subjetiva da posse, segundo Savigny, entende que a posse está configurada quando há corpus + animus domini. Ou seja, além da posse física da coisa (corpus), está presente a intenção/conduta de dono (animus domini).

A Teoria Objetiva da posse, segundo Ihering, entende que, para a existência da posse, basta a conduta de dono (animus domini).

O Código Civil adotou a Teoria Objetiva, conforme se verifica no art. 1.196 ("Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade").

  

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas