A maior rede de estudos do Brasil

EMBRIOLOGIA: Por favor quem puder me ajudar com essas duas perguntas eu agradeço, estou precisando muito!

QUESTÃO 1 “A primeira mulher a receber um transplante de ovário no mundo deu à luz a uma menina, nesta terça-feira, em Londres, informou a agência inglesa PA. A alemã casada com um inglês recebeu um ovário inteiro de sua irmã gêmea idêntica no ano passado. Ela ficou estéril aos 15 anos, após perder os ovários. A nova mãe, cujo nome não foi divulgado, tem 38 anos e ficou grávida pouco tempo depois do transplante. O médico Sherman Silber, que fez a operação, disse que a paciente deu à luz a uma menina de 3,5 kg através de cesariana. Silber, do Centro de Infertilidade de Saint Louis, no Missouri (EUA), praticou até agora nove transplantes de tecido do ovário à gêmeas , mas o caso da alemã é o primeiro transplante de um ovário inteiro que funcionou.” (Disponível em < http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna>. Acesso em 24 fev.2009) Sobre o texto acima, responda: a) Existiria outra maneira desta mulher engravidar, mesmo que por modo não natural? Explique. b) Por que o fato da doadora ser sua gêmea idêntica evitou polêmicas em relação ao futuro embrião? QUESTÃO 2 Uma mulher de 23 anos relata a enfermeira de uma USF, que apresenta atraso menstrual de 25 dias e estava preocupada, pois achava que estava grávida. Refere que seu ciclo é regular de 30 dias e a última relação sexual foi há 42 dias, pelas contas do médico. A cliente quer saber se ela pode estar grávida? Responda a pergunta justificando sua resposta.

2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

a) A FIV (fertilização in vitro) veio revolucionar de forma radical a vida de tantas e tantas mulheres que também possuem dificuldade de ter um filho de seu próprio ventre, ou seja por problemas dela ou do seu parceiro. A IA (inseminação artificial) é um dos procedimentos possíveis e um dos mais em conta também, mas mesmo assim exige do casal uma série de preparações para que o procedimento possa ser realizado. Mas a FIV é a última das tentativas, e a mais cara também, agora existem tratamentos que vão de uma simples indução da ovulação com medicação a uma cirurgia de histeroscopia(como se fosse uma endoscopia a grosso modo, mas que é feito no útero), e é feita quando há suspeitas de alguns problemas que possam influenciar no caso de não conseguir gravidez natural. Há ainda a histerossalpingografia, que consiste em uma cirurgia para desobstrução das trompas no caso de que elas tenham colado ao longo dos anos. Eu mesmo já presenciei algumas colegas que fizeram esse exame/cirurgia, porque é um procedimento muito simples, como uma ultrassonografia comum que é aplicado contraste, e se houver aderência em alguma das trompas, ou até mesmo nas duas, é feito um descolamento ali mesmo.

b) Atualmente, muitas discussões são levadas à tona no que diz respeito aos direitos humanos. No que tange à embrioes, ainda não há um consenso sobre onde a vida começa. Existem duas linhas de pensamento: A primeira linha de pensamento defende que a vida começa a partir da fecundação, ou seja, no momento em que o óvulo é fertilizado pelo espermatozóide. A segunda linha diz que a vida se inicia com a ocorrência da nidação, ou seja, quando o óvulo fecundado se fixa à parede do útero, já preparado para alimentá-lo

a) A FIV (fertilização in vitro) veio revolucionar de forma radical a vida de tantas e tantas mulheres que também possuem dificuldade de ter um filho de seu próprio ventre, ou seja por problemas dela ou do seu parceiro. A IA (inseminação artificial) é um dos procedimentos possíveis e um dos mais em conta também, mas mesmo assim exige do casal uma série de preparações para que o procedimento possa ser realizado. Mas a FIV é a última das tentativas, e a mais cara também, agora existem tratamentos que vão de uma simples indução da ovulação com medicação a uma cirurgia de histeroscopia(como se fosse uma endoscopia a grosso modo, mas que é feito no útero), e é feita quando há suspeitas de alguns problemas que possam influenciar no caso de não conseguir gravidez natural. Há ainda a histerossalpingografia, que consiste em uma cirurgia para desobstrução das trompas no caso de que elas tenham colado ao longo dos anos. Eu mesmo já presenciei algumas colegas que fizeram esse exame/cirurgia, porque é um procedimento muito simples, como uma ultrassonografia comum que é aplicado contraste, e se houver aderência em alguma das trompas, ou até mesmo nas duas, é feito um descolamento ali mesmo.

b) Atualmente, muitas discussões são levadas à tona no que diz respeito aos direitos humanos. No que tange à embrioes, ainda não há um consenso sobre onde a vida começa. Existem duas linhas de pensamento: A primeira linha de pensamento defende que a vida começa a partir da fecundação, ou seja, no momento em que o óvulo é fertilizado pelo espermatozóide. A segunda linha diz que a vida se inicia com a ocorrência da nidação, ou seja, quando o óvulo fecundado se fixa à parede do útero, já preparado para alimentá-lo

User badge image

Ana

Há mais de um mês

Questão 1

A) Sim, apesar de não possuir ovários ela possui útero, podendo engravidar por fertilização in vitro. Na fertilização in vitro as condições para o encontro dos gametas são simuladas em uma placa de petri e ficam numa incubadora por 5 dias; logo após o óvulo fertilizado é transferido para o útero. Observação: A Inseminação Artificial não funcionaria para esse caso porque é um método utilizado quando a mulher ovula normalmente, porém, o homem possui algum problema de motilidade nos espermatozoides ou produz baixa quantidade dos mesmos.

B) Porque o material genético das duas é idêntico, praticamente anulando os riscos de rejeição do novo ovário ou do feto após tentativas de concepção.

Questão 2

Sim, há alta probabilidade de gravidez. O ciclo era de 30 dias, a última relação sexual foi há 42 dias, ou seja, no meio do ciclo anterior; que compreende o período fértil da moça. O atraso menstrual de 25 dias dá ainda mais certeza sobre a gravidez, pois já houve brecha para outro período menstrual, que não ocorreu devido a possível concepção.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas